Casa Pia-Sporting: a análise aos jogadores leoninos

Liga Casa Pia-Sporting: a análise aos jogadores leoninos

NACIONAL19.08.202301:18

Paulinho mostrou os dentes e os gansos caíram 

Avançado fez jus à canção dos adeptos e está na crista da onda; Para quem ainda tinha dúvidas, estas terão ficado dissipadas em Rio Maior: Gyokeres é craque; Diomande a bombeiro 

A FIGURA: Paulinho (nota 8)

Paulinho não tem tido uma passagem completamente feliz pelo Sporting, tendo-lhe sido muitas vezes a falta de eficácia como principal pecado. No entanto, continua a recolher a simpatia dos adeptos, que lhe dedicaram uma canção ouvida quase todos os jogos dos leões. «Se o Paulinho mostra os dentes, eles até caem», diz o refrão. Ontem o avançado, malgrado estar em fora de jogo no início do lance, teve um gesto técnico perfeito na execução para o primeiro golo trabalhou muito bem a jogada no segundo. Mostrou os dentes e os gansos caíram. Beneficia muito de jogar perto de um tanque como Gyokeres e promete dar luta renhida ao sueco, pelo menos, no título interno de melhor marcador dos leões.  

Notas e análises aos jogadores do Sporting

6 Adán - Uma defesa de elevado grau de dificuldade ao parar o remate de Godwin (45+7); nada a fazer no golo do Casa Pia e muitas dificuldades no jogo de pés, hoje em dia fundamental para qualquer guarda-redes, principalmente de equipa grande.

7 Diomande - Ricardo Esgaio sentiu algumas dificuldades em travar Godwin e foi muitas vezes o costa-marfinense, com uma calma olímpica, a desempenhar o papel de bombeiro. Tem 19 anos e maturidade de veterano.

5 Coates - Algo atabalhoado a defender e com a mira completamente desafinada no passe longo. No aperto, valeu-se do poderio físico e da experiência.

5 Gonçalo Inácio - Ao contrário do que é normal, mostrou-se intranquilo com a bola nos pés.

6 Ricardo Esgaio - Poderia ter aproveitado a alma que ganhou ao minuto 3 quando efetuou a assistência para o primeiro golo de Paulinho, mas o que se viram foram muitas complicações defensivas para travar Godwin.

5 Morita - Muito desacompanhado defensivamente na primeira parte e com algumas dificuldades num dos seus pontos fortes: o transporte de bola. Após o intervalo subiu um pouquinho de produção mas nada por aí além, executando alguns passes a roçar o... incompreensível.

5 Pedro Gonçalves - Mais um jogo a médio no qual se comprovou que o melhor para si e para a equipa é jogar na frente de ataque, descaído para um dos flancos, preferencialmente o esquerdo. No entanto, quando passou para este setor, já na parte final do encontro, também não esteve nos seus melhores dias.

6 Nuno Santos - Não se notou muito que jogou depois de uma paragem de três semanas devido a lesão,  tal a raça e a garra com que lutou por cada lance,  mesmo que em alguns sem grande discernimento. Na jogada do segundo golo leonino esteve muito certeiro e perspicaz ao descobrir onde estava Paulinho. Saiu completamente esgotado, o que se compreende.

6 Edwards - Subiu imenso de rendimento na segunda parte, ajudando muito a que o Casa Pia ficasse em linhas mais recuadas e teve papel preponderante no segundo golo, ao descobrir espaço onde ele parecia não existir. Quando tiver maior regularidade, será um caso ainda mais sério...

8 Gyokeres - A cada jogo do sueco de leão ao peito vão-se dissipando as dúvidas de que estamos na presença dum craque. O potentíssimo tanque sueco tem sempre com as olhos na baliza adversária, esteve diversas vezes perto do golo, o que só não conseguiu por manifesto azar (29’) porque a bola por si rematada acabou na barra. A receção sempre orientada para a frente é uma dor de cabeça para os adversários Paulinho pode agradecer-lhe os espaços que abre. Caiu nas duas alas, lutou até mais  não com os defensores casapianos e no final da partida, se lhe colocassem um dedo na boca, rebentaria.

6 Matheus Reis - Segurou o lado esquerdo da defensiva leonina e não permitiu grandes veleidades ofensivas aos gansos, mesmo quando Godwin derivou para o seu flanco. Muito disponível ainda alargou horizontes à equipa no ataque.

6 Geny Catamo - Entrou para fechar o lado direito mas  o moçambicano destacou-se foi no ataque, onde esteve perto do golo (90+6), com um remate cortado que por pouco não traiu Ricardo Batista. Capacidade técnica assinalável.

5 Hjulmand - Era grande a expectativa em torno do dinamarquês mas não deu para ver grande coisa nos 16 minutos em que esteve em campo, a não ser que cobriu os espaços a preceito e é frio no passe curto.

5 Trincão - Na época passada foi o herói leonino do jogo da segunda volta ao marcar três golos, ontem não teve tempo para se mostrar.

5 Mateus Fernandes - Cabeça levantada e assertividade no passe nos poucos minutos em que esteve em campo