«A minha fé e a minha consciência são mais fortes do que todos aqueles que me perseguem e me tentam caluniar»

Futebol «A minha fé e a minha consciência são mais fortes do que todos aqueles que me perseguem e me tentam caluniar»

FUTEBOL20.02.202318:47

A leitura do acórdão do julgamento do processo E-toupeira voltou hoje a ser adiada esta segunda-feira, devido à greve dos funcionários judiciais, e um dos arguidos, Paulo Gonçalves, antigo assessor jurídico do Benfica, falou aos jornalistas à saída do Tribunal.

«É o direito à greve, tem de respeitar-se, como é óbvio», começou por dizer, vincando novamente que acredita que será considerado inocente. «Tenho essa convicção. A minha fé e a minha consciência é mais forte do que todos aqueles que me perseguem e me tentam caluniar. Se não tivesse essa convicção não vinha aqui ao tribunal e não me tinha disponibilizado para prestar as declarações que prestei», expressou.

Paulo Gonçalves está acusado de seis crimes de violação do segredo de justiça, 21 de violação de segredo por funcionário, nove de acesso indevido, nove de violação do dever de sigilo, em coautoria, além de um crime de corrupção ativa, dois de acesso indevido e dois de violação do dever de sigilo.

Os outros arguidos são so funcionários judiciais Júlio Loureiro, acusado de um crime de corrupção passiva, e José Augusto Silva, que responde por um crime de corrupção passiva, seis de violação do segredo de justiça, 21 de violação de segredo por funcionário, nove de acesso indevido, nove de violação do dever de sigilo, 28 de acesso ilegítimo e um de peculato.