A insólita história da mulher de 90 anos ‘salva’ do Hamas por Messi

A insólita história da mulher de 90 anos ‘salva’ do Hamas por Messi

INTERNACIONAL08.03.202409:55

Mulher de nacionalidade argentina 'negociou' liberdade com potenciais sequestradores

De Israel chegou nas últimas horas uma história insólita: uma mulher de 90 anos que evitou ser sequestrada durante o ataque do Hamas ao país em outubro usando uma cartada forte: o nome de Lionel Messi. Não só foi deixada em paz, como ainda tirou uma foto com um dos invasores à sua casa, e com uma arma na mão.

Ester Cuño vivia há cerca de 40 anos num ‘kibutz’ em Nir Oz, uma das povoações na fronteira com Gaza, quando operacionais do Hamas raptaram oito membros da sua família, no ataque de 7 de outubro.

A história é contada no documentário 'Vozes de 7 de Outubro': dois homens entraram na casa, dentro de um ataque a toda a comunidade, e Ester resolveu tudo pela conversa. «Ouvi bater na porta, eram dois, e dizem ‘onde está a tua família?’ Eu disse que estava sozinha e continuei ‘não me fales em árabe porque eu não percebo, só percebo mal hebreu. Eu falo em castelhano, sou argentina, recorda. «Ele perguntou ‘ o que é Argentina?´e eu ‘não vês futebol? Sou de onde é o Messi’ e ele responde ‘ah sim, Messi, gosto dele’», o que levou a que um dos atacantes, fã de futebol e do argentino, até tirasse uma foto com ela. «Agarrou-me pelo braço, passou-me a arma, levantou as mãos e tiraram uma foto. Depois foram-se embora.»

Evitou assim ser levada para Gaza, ao contrário dos tais oito familiares, entre eles quatro netos, que foram raptados.

«Espero que, se me virem, ajudem os meus netos que ainda estão lá, são meninos que valem ouro», roga.

Mas a maior parte das histórias daquele dia acabou mal. No ataque surpresa, o Hamas matou 1.163 pessoas e fez cerca de 250 reféns. Em retaliação, Israel declarou guerra e iniciou bombardeamentos diários.