A análise de Duarte Gomes aos casos do Gil Vicente-Benfica

Liga A análise de Duarte Gomes aos casos do Gil Vicente-Benfica

NACIONAL27.08.202300:47

Boa arbitragem e com respeito entre todos os intervenientes

João Pinheiro tomou quase sempre a melhor decisão e também foi bem auxiliado

Nota do árbitro: 7

João Pinheiro dirigiu o Gil Vicente-Benfica, que ontem se disputou no estádio Cidade de Barcelos. Cláudio Pereira (VAR) liderou a equipa de vídeo arbitragem, a partir da Cidade do Futebol, em Oeiras. 

Segue análise técnica aos lances mais relevantes da partida:

12’ - Mory Gbane fez falta persistente sobre João Mário, em lance limite. Esteve bem o árbitro ao gerir a situação sem recurso ao cartão.


13’ - José Carlos puxou o braço de Di María, impedindo que o atacante argentino progredisse para zona prometedora. João Pinheiro entendeu que a infração não carecia de cartão amarelo, mas equivocou-se.

17’ - Marlon tocou com a ponta da bota direita na perna esquerda de João Mário, que caiu de imediato. O árbitro, bem colocado, foi perentório ao entender que tinha havido causa/efeito suficientes para justificar o pontapé de penálti (o lance foi dentro da área gilista). A sua interpretação é inabalável, mas a verdade é que este tipo de contactos nem sempre permitem conclusões tão unânimes.

18’ - Cartão amarelo exibido a Maxime Domínguez, seguramente por protestar a decisão do árbitro em assinalar pontapé de penálti.

29’ - Pedro Tiba chegou atrasado e atingiu a perna de Otamendi com alguma negligência (que o próprio reconheceu). Foi bem advertido pelo bracarense.

37’ - Maxime Domínguez tentou a bola, mas acabou por atingir apenas o pé direito de Rafa, em lance onde correu risco desnecessário. A infração situou-se no limiar da imprudência com a negligência, pelo que se aceita a opção do árbitro em não exibir-lhe o (segundo) amarelo.

38’ - Avaliação incorreta de João Pinheiro: Leonardo Buta atingiu a perna de Rafa por trás, na sequência de abordagem efetuada com negligência. Faltou o cartão amarelo.

45+4’ - Kokcu saltou à bola com o braço direito à frente, atingindo Roko Baturina na zona do pescoço/rosto. A infração do turco foi antidesportiva e bem sancionada com advertência. Na sequência, o Gil Vicente disporia de um pontapé de canto, que aconteceu quando o tempo de compensação (+4’) estava esgotado. Nestes casos, o árbitro não deve permitir a continuidade do jogo.

48’ - Esboçou-se pedido de penálti por alegada mão/braço de Florentino na sua área, mas sem razão. Apesar de não ter sido mostrada qualquer repetição do lance, foi percetível que o corte do médio foi efetuado com o peito.

53’ - Golo legal do Benfica, na conclusão de jogada de ataque encarnado. João Mário (primeiro) e Fredrik Aursnes (depois) partiram sempre de posição legal. Rafa Silva, que finalizou, também.

57’ - Falta bem assinalada a João Mário (sobre José Carlos), que resultou em pontapé-livre direto favorável à equipa visitada, perto da área encarnada.

61’ - Golo bem anulado ao Benfica, por indicação competente (e no momento certo) do árbitro assistente: no momento em que Alexander Bah efetuou passe na sua direção, Rafa Silva estava adiantado em relação à linha defensiva dos adversários. A conclusão posterior (seria autogolo) não contou.

66’ - Nova boa decisão do árbitro assistente, neste caso ao assinalar posição irregular a Di María. O argentino criou perigo pela direita, mas partindo de fora de jogo.

67’ - Florentino viu bem o cartão amarelo após pisar com negligência o pé direito de Félix Correia. Na sequência, Rafa Silva protestou e foi igualmente advertido.

71’ - Gabriel encostou lateralmente em Rafa sem cometer infração. O lance, dentro da área do Gil Vicente, foi bem analisado pela equipa de arbitragem.

74’ - Golo legal do Gil Vicente, a reduzir o resultado no marcado.

78’ - Nova infração sobre Rafa  a valer amarelo para José Carlos. A entrada antidesportiva, quando o avançado fazia rotação para ganhar terreno, foi bem sancionada.

89’ - Tengstedt caiu na área do Gil Vicente, após tropeçar na perna de Gabriel Pereira, que estava à sua frente e não cometeu qualquer infração. Lance legal e bem analisado pela equipa de arbitragem.

90+4’ - Golo legal do Benfica, de Musa. O avançado estava em posição legal quando João Neves lhe endossou a bola. Esteve novamente bem, o árbitro assistente.

90+5’ - Chiquinho rasteirou Fujimoto muito perto da sua área, em zona frontal. Do respetivo pontapé-livre nasceu o segundo golo do Gil Vicente.