A análise de Duarte Gomes aos casos do Benfica-E. Amadora

Liga A análise de Duarte Gomes aos casos do Benfica-E. Amadora

NACIONAL20.08.202301:43

Trabalho satisfatório e VAR determinante pela positiva

Aos 57', um VAR atento e capaz corrigiu penáti mal assinalado

Nota do árbitro: 6

Gustavo Correia deslocou-se à Luz para dirigir o Benfica-Estrela da Amadora. O também portuense Rui Costa desempenhou a função de VAR.

Segue análise técnica aos lances mais relevantes da partida:
 

2’- Entrada dura de Ronald sobre Di María. Esteve bem o árbitro ao gerir o momento sem recurso ao cartão.

7’- A bola foi primeiro dominada pelo braço esquerdo de Di María e só depois viajou para o esquerdo de João Reis, que estava fora da sua área. Houve protestos mas não houve infração defensiva.

11’- Amarelo bem exibido a Omurwa após impedir com contacto ilegal a progressão de Rafa Silva para zona prometedora.

37’- João Neves foi bem advertido após pisar, com alguma negligência, o pé de Vitó.

44’- Apesar dos protestos, Rafa pisou de forma negligente o calcanhar esquerdo de Ronald, antes de ser carregado. A falta foi bem assinalada pelo árbitro internacional da AF Porto. Faltou apenas a advertência ao avançado encarnado. Na sequência, João Mário viu amarelo por protestos.

45+1’ e 45+2’ - Por duas vezes, Di María caiu na área do Estrela e levantou os braços a esboçar pedido de penálti, mas sem qualquer razão: na primeira, João Reis ganhou posição e posse de bola com contacto e sem infração; na segunda, Gaspar ganhou o espaço, ficando dono da bola, de novo, sem cometer falta. Apesar de novo coro de assobios, Gustavo Correia decidiu bem.

48’- Ronald arriscou o amarelo ao reter a bola propositadamente para evitar recomeço rápido dos encarnados. Foi muito benevolente a avaliação do árbitro.

50’- Arthur Cabral pisou a perna de João Reis, lesionando-o. Dito assim, a decisão de adverti-lo pareceria acertada. Mas independentemente da infelicidade do momento, a verdade é que o avançado não foi culpado de negligência. O jogador encarnado fez movimento de rotação legal para proteger a sua posse de bola e, ao tentar colocar o pé no solo, acabou por atingir inadvertidamente o de Reis. Foi feio, teve consequências para aquele, mas tecnicamente não justificava cartão amarelo.

55’- Mansour impediu deliberadamente que Arthur executasse rapidamente um pontapé-livre e foi bem advertido pelo gesto.

57’- Bola cruzada por Ronald foi ao braço direito de Florentino, que estava junto ao corpo e em posição natural para o seu movimento defensivo. A decisão inicial, possivelmente sinalizada pelo árbitro assistente, foi devidamente corrigida por um VAR atento e capaz. Lance bem anulado.

61’- Kokçu foi rasteirado por Hevertton mesmo à frente do árbitro assistente que, com campo de visão aberto, não deu a melhor indicação ao seu colega.

73’- Fora de jogo bem assinalado a Arthur após remate de Kokçu. O brasileiro tirou partido da posição irregular em que se encontrava.

79’- Golo legal do Benfica, na sequência de cruzamento de David Neres, finalizado por Tengstedt.

84’- Gaspar tocou no pé de Rafa, derrubando-o ilegalmente, em lance muito próximo à sua área. O defesa cortou a bola com a cabeça, mas rasteirou o adversário (pé direito no direito), impedindo a sua progressão. A bola ficou atrás do avançado quando a infração ocorreu, razão pela qual apenas se justificava o cartão amarelo.

90+1’- Ndour caiu em zona atacante, ficando a ideia de que podia ter sido rasteirado por Otemendi. Na verdade foi o avançado quem pontapeou o calcanhar do central, ao tentar rematar à baliza. Falta atacante bem assinalada.

90+3’- Rafa estava em posição legal quando Neres lhe endossou a bola. Boa decisão do árbitro assistente ao validar o segundo do Benfica

90+6’- Amarelo bem mostrado a Hevertton, por impedir em falta a desmarcação de Bah, numa situação em que a bola não estava disputável.

90+8’- Apesar de não haver repetições, ficou a ideia que a queda de Ndour na área do Benfica foi promovida por contacto legal (ombro no ombro) de Aursnes.