‘Champions’ em Lisboa. Atalanta BC: vale ‘apenas’ 266 milhões mas vem a Lisboa desafiar ‘tubarões’

Desporto 10-08-2020 17:30

clube italiano está avaliado em 266 milhões de euros, fazendo com que seja o sétimo mais valioso da liga italiana segundo o portal “Statista”. O dono do clube, António Percassi enriqueceu através da marca de cosméticos ‘Odissea Srl’, e tem hoje uma fortuna avaliada em mil milhões de euros. O italiano detém 70% do Atalanta BC.

João Tereso Casimiro

É provavelmente a equipa sensação da edição 2019/20 da Liga dos Campeões, o Atalanta BC está nos quartos de final da competição pela primeira vez depois de uma campanha, também esta histórica, na Liga italiana onde conseguiu o terceiro lugar. Um dos grandes responsáveis pelo recente sucesso da Atalanta é o seu experiente treinador Gian Piero Gasperini que, desde 2016, conseguiu as históricas qualificações europeias para o clube de Bergamo.

Depois de uma fase de grupos atribulada, a Atalanta conseguiu superar o Valência num encontro que viria a gerar polémica, sendo mesmo apelidado de “bomba biológica”, uma vez que em plena pandemia, mais de 40 mil adeptos italianos da Atalanta deslocaram-se até Milão, onde a sua equipa iria disputar o último jogo frente ao valência no mítico San Siro, numa altura em que a cidade era uma das mais afetadas pelo novo coronavírus.

Ainda assim, o clube venceu no conjunto das duas mãos por oito bolas a quatro, garantindo a passagem, pela primeira vez, aos quartos de final da principal competição de clubes europeus antes da paragem desportiva provocada pela pandemia de Covid-19.

O menos valioso da ‘Champions’: 266 milhões de euros

O clube italiano está avaliado em 266 milhões de euros, fazendo com que seja o sétimo mais valioso da liga italiana segundo o portal “Statista”. O dono do clube, António Percassi enriqueceu através da marca de cosméticos ‘Odissea Srl’, e tem hoje uma fortuna avaliada em mil milhões de euros. O italiano detém 70% do Atalanta BC.

Percassi aponta a academia como o principal ponto de investimento do clube italiano, dizendo que continuará a apostar na mesma estratégia desde que pegou no clube “equilibrar as contas, investir muito na academia de juniores e a cada ano reforçarmo-nos graças a esses talentos que chegam à primeira equipa, alguns deles permanecendo connosco, outros temos de vender para clubes mais importantes”.

Em entrevista ao portal “Football-Italia” o presidente do clube italiano diz que vai “continuar a investir no estádio, no centro de treinos e na na academia”. Apesar do recente sucesso, Percassi mantém a convicção que “o importante é que continuemos a pensar como um clube provincial”.

Espanhola ‘Joma’ e grupo ‘Radici’ são os dois principais patrocínios

Um dos principais patrocínios do Atalanta BC é o grupo italiano Radici que trabalha com químicos, plásticos e fibras sintéticas. Os detalhes do acordo entre as duas partes não foram revelados, não sendo publico quanto é que o grupo italiano paga ao clube para ser o principal patrocínio nas camisolas de jogo.

A criação das camisolas do Atalanta BC está a cargo da marca espanhola de artigos desportivos, Joma. A renovação do contrato que expiraria em 2021 foi renovado até 2024, sem que os detalhes financeiros fossem revelados por nenhuma das partes, segundo o portal “Footy Headlines”.

Manter o equilíbrio financeiro é a palavra de ordem

Com um plantel avaliado em 261 milhões de euros, segundo o “Transfermarkt”, à partida o clube italiano estaria em grande desvantagem face aos seus adversários na Liga dos Campeões, mas também na própria Serie A italiana.

Tal como o presidente tinha afirmado, o clube vê-se muitas vezes obrigado a vender os seus melhores jogadores, principalmente os mais jovens, aos clubes “grandes” do país e do resto da Europa. As duas janelas de mercado da temporada 2019/20 não foram exceção. Ainda que tenham conseguido manter os seus jogadores “talismã”, o clube vendeu um total de nove jogadores, faturando 99 milhões de euros.

Em contrapartida e, face à saída de tantos jogadores, o clube teve de investir 56,5 milhões de euros na contratação de seis jogadores.

O equilíbrio conseguido, fez com que o clube italiano terminasse em terceiro lugar na Serie A italiana, à frente de clubes com gastos e vendas muito superiores, numa clara demonstração da qualidade do plantel, mas principalmente do treinador que, face à saída de tantos jogadores conseguiu manter a competitividade do Atalanta, mesmo estando inserido em várias competições.

“Clube de província” entre os mais competitivos da Europa

O capitão de equipa, Papu Gómez, tem sido o principal destaque da equipa italiana desde que chegou ao clube, mas mais recentemente a subida de rendimento do avançado esloveno Josip Ilicic a equipa deu um salto qualitativo impossível de ignorar. A estes juntam-se o internacional colombiano Duvan Zapata e o internacional ucraniano Ruslan Malinovskyi, que têm feitos os possíveis e impossíveis para manter o momento de forma numa época que ficará para a história do conjunto italiano.

Gian Piero Gasperini, com 62 anos, está no auge da sua carreira. Para os mais atentos, o futebol praticado pelo Atalanta BC é uma imagem de marca do experiente treinador italiano que, apesar da idade, só treina desde 2003, tendo passado por apenas seis clubes. O técnico tem merecido rasgados elogios da imprensa internacional, não só pela consistência do seu jogo, mas também pela capacidade de gestão de uma equipa em constantes mudanças.

O Atalanta BC terá uma tarefa bastante complicada pela frente, ao enfrentar o colosso Paris Saint Germain. Ainda assim, as exibições do conjunto italiano não podem ser subestimadas uma vez que a superação é palavra de ordem no clube de Bergamo. Antecipa-se um encontro bem disputado, entre duas equipas com um futebol positivo capaz de cativar qualquer adepto de futebol.

 

Ler Mais