«Jorge Jesus queria continuar no Sporting»

Flamengo 05-12-2019 16:16
Por Irene Palma, no Rio de Janeiro

Márcio Sampaio juntou-se a Jorge Jesus no SC Braga por indicação de Fernando Belo, a quem se mostra agradecido. O recuperador físico voltou a trabalhar com o ‘mister’ no Sporting, cujo ataque à Academia deixou marcas.

 

Como começou a trabalhar com Jorge Jesus?

 

Eu estava no Olhanense e há uma pessoa que foi muito importante na minha carreira, o Fernando Belo, fisioterapeuta, a quem o mister falou porque precisava de um recuperador físico. Tivemos uma reunião em Lisboa e chegámos a acordo para eu começar a trabalhar com ele em Braga.

 

Seguiu-se o Benfica...

 

Não acompanhei Jorge Jesus porque o Benfica já tinha duas pessoas na minha posição. Andei então um pouco pelo mundo, com Manuel Cajuda, Jaime Pacheco, João Alves... Depois vou para o Sporting com o Oceano, para a equipa B, e subo com ele à equipa principal, na qual trabalhei com Franky Vercauteren e Jesualdo Ferreira. Mais tarde, quando vai para o Sporting, Jorge Jesus convida-me novamente para ir trabalhar com ele.

 

Está com Jesus no Sporting, no pior momento da carreira dele. O ataque à Academia foi o ponto mais negro da sua vida profissional?

 

Sem dúvida. Tenho uma história curiosa... Compro casa em Alcochete 15 dias antes desse ataque. E acabo por ir para a Arábia Saudita sem nunca ter dormido nessa casa. Sabia que o mister queria continuar no Sporting. Só quem lá esteve tem a noção do que aconteceu. O maior prejudicado foi o clube.

 

Na Arábia Saudita foi possível esquecer toda aquela confusão?

 

Sim, porque afastámo-nos de tudo, as notícias eram constantes... Eu, por exemplo, até hoje não consegui voltar a ver as imagens do ataque e penso que os meus colegas também não, embora eu em nada tenha sido visado, porque nem sequer estava na zona do balneário.

 

Leia a entrevista na íntegra na edição digital ou na edição impressa de A BOLA

Ler Mais
Comentários (11)

Últimas Notícias