Maratona de Londres em cadeira de rodas com recorde de prémios

Atletismo 06.07.2022 22:48
Por Redação

A organização da Maratona de Londres anunciou esta quarta-feira um incremento substancial, de mais 57.800 libras (€67.463) e superior a 33 por cento nos prémios para as edições masculina e feminina da prova, que se irá cumprir no próximo dia 2 de outubro na capital britânica, em cadeira de rodas, transformando-a na mais bem remunerada do Mundo para deficientes.


Assim, o total de prémios em cada uma das duas provas em cadeira de rodas passará das 141.700 libras (€165.391) para um total de 199.500 libras (€232.854) na próxima edição da prova, ganha pelos suíços Marcel Hug e Manuela Schär em 2021.


A organização anuncia prémios para os dez primeiros de cada uma das provas, com o futuro vencedor e vencedora a arrecadarem, cada um, £35 mil libras (€40.852), enquanto os segundos classificados vão embolsar £20 mil (€23.344) e o terceiro lugar dará ainda recompensa monetária de £15 mil (€17.508).


Marcel Hug é o principal favorito à vitória final de novo em 2022, numa prova onde está confirmada a presença de outros candidatos de tomo, casos do norte-americano Daniel Romanchuk e do octacampeão britânico David Weir.


Já na prova feminina, Manuel Schär – que, tal como o compatriota Hug, estabeleceu recorde do percurso da Maratona de Londres em cadeira de rondas em 2021 – terá oposição maior esperada da neerlandesa Nikita den Boer, da norte-americana Tatyana McFadden e da australiana Madison De Rozario.


«Corro maratonas desde 2013. E ver o que a Maratona de Londres fez para promover o desporto em cadeira de rodas deveria servir de exemplo para toda a sociedade», saudou a propósito Manuela Schär, num comunicado distribuído aos jornalistas.


Também Marcel Hug saudou a ambição e o rasgar de mentalidades implícito na medida. «O que a Maratona de Londres fez estabelece uma fasquia e é um marco para todos os desportos e para toda a sociedade. É um gesto que aprecio sobremaneira», disse o maratonista suíço, em nota citada pela CNN.


O director da prova, Hugh Brasher, manifestou o seu regozijo pela medida e reação dos maiores interessados: os maiores maratonistas do planeta em cadeira de rodas.


«Desde há muitos anos que a Maratona de Londres lidera na promoção, no apoio e na revelação dos maiores atletas do Mundo em cadeira de rodas. É com prazer que anunciamos a edição de 2022 da prova em cadeira de rodas como a mais bem remunerada da história quanto a ‘prize money’ e damos as boas-vindas aos campeões que nos honram com a sua participação», disse Hugh Brasher, em nota distribuída à imprensa.


O responsável por uma das mais prestigiadas e disputadas maratonas do Mundo, nas suas diversas variantes, está ciente de que a prova em cadeira de rodas terá, agora, muito maior interesse do público, quanto mais não seja pelos já bem atraentes valores envolvidos.

Ler Mais
Comentários (1)

Últimas Notícias