«Quando saí da SAD o Sporting estava em primeiro»

Sporting 14-02-2020 10:33
Por Redação

Sousa Cintra recorda que o Sporting estava forte e no primeiro lugar do Campeonato quando deixou a SAD enquanto membro da Comissão de Gestão, que tomou conta do clube após a saída de Bruno de Carvalho, e aponta falhas à estratégia que o atual presidente Frederico Varandas traçou para o clube.

 

«Quando peguei no sporting havia essa situação [n.d.r. ataque à Academia]. Tudo se resolveu naquela altura. O Sporting conseguiu recompor-se, tenho pena de as coisas não terem corrido como a Comissão (de Gestão) fez, um trabalho brilhante numa situação difícil, conseguimos recuperar aqueles jogadores, dar uma alma nova ao clube, o entusiasmo - estava tudo bem», começou por dizer em Monsanto, onde vai testemunhar no julgamento da invasão da Academia.

 

«A verdade é que, quando saí do Sporting, o clube já tinha jogado com Benfica, na Luz, e com o SC Braga, e estávamos no primeiro lugar. O clube estava animado, o treinador (José Peseiro) comprometido com o projeto para sermos campeões, demos uma lição ao futebol pelo que tinha acontecido. Depois o presidente Varandas alterou as coisas e não foi isso que disse durante a campanha. Disse que queria unir os portugueses e os sportinguistas – como é que vai unir os sportinguistas desta forma? Mandou o treinador embora, um treinador que esteve um ano e pouco no Sporting e tinha levado o Sporting à final da Taça UEFA (2005). Nesse ano, perdeu o Campeonato no último jogo com o Benfica. Por amor de Deus, (Peseiro) fez um trabalho brilhante», acrescentou.

 

Questionado sobre o conflito entre o presidente Frederico Varandas e as claques: «Podíamos ter evitado tudo isto. Gosto do diálogo, de chamar as pessoas à responsabilidade. É a conversar que as pessoas se entendem. (…) Varandas não conseguiu unir os sportinguistas. Tem as suas razões com as claques, que têm de respeitar o clube, os sócios e ter um comportamento civilizado, exemplar. Se dizem que o Sporting é um clube diferente, tem de ser diferente em todos os momentos. O que se passou foi desagradável, o importante era haver diálogo e entendimento. Nunca vi ninguém ganhar o quer que seja com guerras.»

 

«Quando estive na SAD, pensei que estava tudo tranquilo em todos os aspetos, não vi problemas nem com partes financeiras, nem com o futuro. Achava que tudo estava dentro da normalidade, vi um Sporting igual a si mesmo tendo em conta os dois rivais, Benfica e FC Porto. Estava tudo a correr bem. Não havia motivo para tanto alarido, era preciso unidade porque a união faz a força. Essa união quebrou-se», concluiu Sousa Cintra.

Ler Mais
Comentários (81)

Últimas Notícias