O plano de Leonel Pontes ao pormenor

Sporting 10-09-2019 14:08
Por Nuno Raposo

Leonel Pontes, 47 anos, foi chamado ao posto de comando de Alvalade no início da passada semana, altura em que Marcel Keizer deixou de ser o comandante do plantel principal do Sporting.

 

O general leonino, Frederico Varandas, solicitou ao comandante da equipa sub-23 que assumisse patente mais elevada, para fazer o lugar que desde novembro pertencia ao holandês. Não lhe deu um prazo para realizar uma missão, antes lhe entregou a tarefa de comandar o pelotão nos próximos jogos, a começar no próximo domingo, com o Boavista: se cumprir, pode passar de treinador interino a definitivo. E para ganhar as batalhas, Pontes elaborou um plano que A BOLA descobriu.

 

Antes de tudo, a defesa. Um dos problemas que estavam identificado na equipa de Keizer eram as dificuldades que a equipa tinha na transição defensiva e nos seus processos, que para Pontes é a base essencial. Os centrais mais atrás, aliás, as linhas mais juntas, as distâncias entre elas encurtadas, estão a ser trabalhadas no quartel general dos leões, a Academia, em Alcochete. Tudo para evitar que a defesa seja surpreendida nas costas como tantas vezes acontecia na era Keizer, motivo por que a equipa sofria muitos golos - ainda no último jogo, a derrota com o Rio Ave em casa por 2-3, esse foi problema visível, que permitiu a que os adversários, sobretudo o iraniano Mehdi Taremi, surgissem nas costas dos centrais. E assim aconteceram dois dos três penáltis cometidos por Coates, que só em falta conseguiu travar o avançado dos vila-condenses, lançado que ia para a baliza de Renan. Para conseguir passar as suas ideias, o madeirense do Porto da Cruz tem realizado exercícios, com bola e sem ela, repetindo as vezes que forem precisas, tanto os movimentos na defesa num todo como as compensações que cada jogador deve fazer consoante o setor onde estiver a bola no momento da transição.

 

Por outro lado, os pupilos de Leonel Pontes estão a ser também treinados para conseguirem um jogo mais apoiado e equilibrado.

 

O ataque e a perda de bola

 

Ofensivamente, a equipa sportinguista está a trabalhar tanto o jogo interior como o exterior, apostando um pouco mais nos extremos a jogarem também por fora, em profundidade.

 

A entrada do segundo extremo para perto do ponta de lança é também movimento a merecer especial atenção. Ou seja, se a bola está na direita, o extremo-esquerdo deve juntar-se mais ao avançado-centro, para assim a equipa ter mais presença na área adversária, na zona de finalização. Também o segundo avançado está a ser trabalhado para, nessa situação, aparecer mais na zona de decisão, com o médio na sobra.

 

Mas, mesmo neste capítulo ofensivo, Leonel Pontes não descura o posicionamento dos outros jogadores. Tudo tem de estar equilibrado, todos têm de estar bem posicionados na altura da perda de bola, para a equipa não ser surpreendida no contra-ataque. Para isso correr bem, o lateral da zona contrária tem de defender por dentro, mais perto do central, e o médio-defensivo tem de estar preparado para sair ao portador da bola, caso esta seja perdida.

 

Mesmo com muitos jogadores ausentes (dez) devido aos jogos das seleções, o trabalho na Academia é intenso, pois Leonel Pontes quer cumprir bem a tarefa que Varandas lhe encomendou, a começar já pelo jogo do Bessa.      

Ler Mais
Comentários (12)

Últimas Notícias