«Bluff» de Jesus com Gabigol não agradou: «Deve ser novidade importada da Europa»

Brasil 23-08-2019 10:17
Por Redação

Gabriel Barbosa, com queixas na coxa esquerda, não fazia parte da lista de convocados no Flamengo para o embate com o Internacional para a Libertadores na quarta-feira (2-0), mas acabou por jogar. Como a lista foi dada na véspera do jogo, Jorge Jesus justificou a utilização com o facto de o jogador ter recuperado durante o dia e a equipa ter ainda treinado no dia de jogo. De resto, o treinador disse que vai passa a dar os convocados apenas em dia de partida - como fazia na Europa - para evitar confusões.

 

Porém o bluff não agradou a todos e o vice-presidente do Inter, Roberto Melo, disse que achava que este tipo de «tática» já não se usava. «Achei que isto já estava ultrapassado no futebol, que não existia mais, mas estamos vendo que, para os treinadores brasileiros, talvez seja uma novidade importada lá da Europa. Mas não foi isso que decidiu o jogo, não passou por aí. As pessoas usam as estratégias que acham melhor para a sua equipa», disse o dirigente.

 

Também nos programas de análise na TV a opção foi criticada, até porque do outro lado o treinador Odair Hellmann adivinhou que Gabriel acabaria por jogar. 

 

«Pra quê isso? Hoje em dia, não há necessidade», disse o ex-jogador sérvio Petkovic. «Consegui falar com o Odair Hellmann antes do jogo, e ele me disse que já sabia que o Gabriel iria para jogo, ele já tinha certeza, e isso era no meio da tarde. Eu não acho que fez tanta diferença», contou o ex-jogador Roger Flores. 

 

O GloboEsporte fez ainda uma peça analisando outras situações em que Jesus usou a mesma tática em Portugal, sobretudo antes de derbies ou clássicos. 

 

 

  

O FUTURO COM O NOSSO PASSADO


Porque A BOLA não quer que o jornalismo deixe de ser o jornalismo de qualidade que se faz da grande história, da investigação e da grande reportagem – nós temos esse jornalismo (o jornalismo que fez com que se falasse de A BOLA como a Bíblia) para lhe continuar a dar.

Porque A BOLA não quer que o jornalismo deixe de ser o jornalismo do texto criativo e sedutor e da opinião acutilante que não se faz de cócoras ou de mão estendida – nós temos esse jornalismo para lhe continuar a dar…

… e para nos ajudar a manter e a melhorar esse jornalismo sério e independente com o timbre de A BOLA,

Junte-se a nós nesse novo desafio ao futuro, tornando-se nosso assinante.

ASSINE AQUI

A Edição Digital de A Bola

Ler Mais
Comentários (4)

Últimas Notícias