Regresso de Falcao custaria muitos milhões

FC Porto 10:39
Por Pedro Manuel Couto

O regresso de Radamel Falcao ao FC Porto foi equacionado, mas depois de analisar os valores elevadíssimos que tal operação envolvia a SAD dos dragões parece ter deixado cair o negócio. O futuro do atacante colombiano, que continua a recolher grande admiração e carinho por parte dos responsáveis e adeptos azuis brancos, deverá antes passar pelos turcos do Galatasaray.
A imprensa francesa deu ontem grande ênfase à possibilidade de Falcao (33 anos) deixar o Mónaco e voltar a uma casa onde foi muitíssimo feliz. Mas, para tal suceder, o FC Porto teria de pagar pela transferência cinco milhões de euros ao clube monegasco e ao avançado 250 mil euros mensais de salário limpo. Ou seja, números incomportáveis para os cofres da SAD dos portistas, cujas contas se encontram sob vigilância apertada da UEFA, consequência das regras impostas pelo fair play financeiro, que terão ajudado à decisão de travar o avanço de qualquer negócio.


Mas o enorme esforço económico que implicava o ataque a Falcao não foi a única razão a afastar o cenário do regresso de Falcao ao Estádio do Dragão. A quantidade de atacantes que atualmente compõem os quadros azuis e brancos também retirou força à contratação do internacional colombiano.


Embora continue bem viva a possibilidade de Marega e Aboubakar deixarem o FC Porto, permitindo o encaixe de muitos milhões, Sérgio Conceição até fez questão, nesta campanha, de acrescentar ao grupo Zé Luís, um pedido pessoal feito à SAD portista que o contratou aos russos do Spartak Moscovo, a troco de 9,5 milhões de euros. E há ainda Soares, melhor marcador da campanha anterior e que teve propostas de emblemas chineses e japoneses, mas aparentemente já mentalizado para a inevitabilidade de ter que continuar a vestir de azul e branco.


Perante tanta fartura para a linha ofensiva, e num momento em que o plantel carece de jogadores noutros setores, a entrada de Falcao nunca seria algo de prioritário. 
 

O FUTURO COM O NOSSO PASSADO


Porque A BOLA não quer que o jornalismo deixe de ser o jornalismo de qualidade que se faz da grande história, da investigação e da grande reportagem – nós temos esse jornalismo (o jornalismo que fez com que se falasse de A BOLA como a Bíblia) para lhe continuar a dar.

Porque A BOLA não quer que o jornalismo deixe de ser o jornalismo do texto criativo e sedutor e da opinião acutilante que não se faz de cócoras ou de mão estendida – nós temos esse jornalismo para lhe continuar a dar…

… e para nos ajudar a manter e a melhorar esse jornalismo sério e independente com o timbre de A BOLA,

Junte-se a nós nesse novo desafio ao futuro, tornando-se nosso assinante.

ASSINE AQUI

A Edição Digital de A Bola

Ler Mais
Comentários (48)

Últimas Notícias