Predadores(as) sexuais (I) (artigo de Armando Neves dos Inocentes, 13)

Espaço Universidade 18-06-2019 00:02
Por Armando Neves dos Inocentes

Aos 17 anos, recentemente, Noa Pothoven morreu em sua casa em Arnhem, depois de anos a lutar contra a depressão, a anorexia e o stress pós-traumático. Transtornos provocados por violações de que foi vítima em criança. Apesar de solicitada, a eutanásia não foi autorizada.
 

Morreu, com acesso a cuidados paliativos, depois de deixar de se alimentar e com a anuência tanto de médicos como dos seus pais em não lhe ministrarem alimentos por via artificial.
 

Segundo a comunicação social, a jovem publicou o livro «Winnen of leren» (que ora é apresentado como «Winning or losing» ora como «Winning or learning») em novembro de 2018, onde relatou como “por vergonha e medo” escondeu durante anos os abusos que sofreu. Nas suas próprias palavras o seu objetivo era tornar público aquilo por que passou e tentar quebrar o tabu em torno destas questões e dar apoio a jovens que passavam por situações semelhantes.

Uma morte que parece ter sido consciente e bem ponderada e que, sem estarmos na posse de todos os dados, nos parece enquadrada num suicídio de honra, o que nos aproxima da noção japonesa de “seppuku”, dizendo-nos Maurice Pinguet (1) que “é bom e bonito aprender a vencer, mas cedo ou tarde, em qualquer vida, por mais triunfante que o imaginemos, vem o último momento: é preciso saber então ser vencido.”

 

Catherine Moyon de Baecque, abusada sexualmente pelos seus colegas masculinos da equipa de França durante um estágio organizado pela Federação Francesa de Atletismo em 1991, também resolveu colocar em livro aquilo por que passou (2).
 

Catherine relata no mesmo aquilo que sofreu, mas não só: mostra como os responsáveis colocaram em primeiro lugar o interesse das instituições, pois em vez de ajudarem a vítima tentaram silenciá-la.

 

Uma vintena de antigas alunas do treinador Régis de Camaret acusaram-no de violação. Entre elas a antiga n°2 francesa, Isabelle Demongeot, que conta a sua história no livro “Service volé” (3). Nove anos de abusos sexuais…

 

Ao contrário de Noa, Catherine, lançadora de martelo, e Isabelle, tenista, não recorreram ao suicídio. Eventualmente, a prática do desporto poderá ter tido aqui alguma influência… Ao ser inculcado ao praticante desportivo a ideia de esforço, de sacrifício, a fim de se superar a si mesmo ele vai construindo o seu próprio caminho… vai-se formando. A procura incessante da excelência, o culto do corpo e da “performance” e, a superação de si próprio, a tentativa de ultrapassar os limites são motivados pela crença de que ser um “verdadeiro atleta” significa assumir riscos, fazer sacrifícios e jogar o preço de ser tudo o que se pretende e poderá ser.

 

Habituados a comportamentos de violência física no desporto, de violência verbal, de violência psicológica e de violência gestual, normalmente descura-se a violência sexual no mesmo. Ignora-se ou procura-se mesmo esconder…

 

Em 2009 realizou-se em França o “Étude des violences sexuelles dans le sport en France : contextes de survenue et incidences psychologiques” (4) o qual na altura mostrou muito do que não chega ao público nem faz notícia… e que vale a pena consultar apesar dos seus já 10 anos!

 

Em 2012, a campeã americana de judo, Kayla Harrison, explicava ao New York Times (5), precisamente antes dos J. O. de Londres, o que não era um segredo: “eu fui violada pelo meu primeiro treinador.  E isso é realmente a coisa mais difícil que eu tive que superar.”

 

O poder e a dominação masculina, tanto de pares como de treinadores e até de dirigentes serão as principais causas destes comportamentos de barbárie (veja-se o artigo de Aline Flor (6) intitulado “Reagiu ao assédio sexual e foi repreendida pela chefia. «Isto é um mundo de homens»”). São casos de cultura, de educação, de respeito pelo ser humano, já que “não é a fatalidade hereditária que determina que os homens dominem as mulheres”, tal como nos diz Germano da Fonseca Sacarrão (7). Mas que não se pense que a violência sexual funciona só num sentido… ou que o desporto é só uma escola de valores ou de virtudes…

 

O denominado «el mayor caso de pederastia de España» (8) eclodiu precisamente no seio de uma modalidade que se apresenta como formadora do carácter do indivíduo e detentora de inúmeros valores: o karate. Torres Baena, ex-campeão de Espanha e presidente da «Federación Gran Canaria de Kárate» foi acusado de abusos a menores de 9 a 17 anos que se prologaram durante mais de 20 anos num julgamento em que depuseram mais de 100 pessoas, 61 delas como vítimas. A 15 de Março de 2013 a «Audiencia de Las Palmas» torna pública a sua sentença: 302 anos de prisão para Fernando Torres Baena  por se comportar como um predador sexual com os seus alunos, 148 anos para María José González (companheira do anterior e também treinadora) e 126 anos para Ivonne González (outra treinadora de karate).

 

Será de admirar que exista violência sexual numa actividade em que um atirador tinha um botão instalado no punho do seu florete para fazer acender a luz do marcador quando accionado (Boris Onischenko nos J. O. de Montreal em 1976), em que um futebolista no último jogo da sua carreira pela selecção do seu país agrediu um adversário com uma cabeçada (Zidane na final do Mundial de 2006), em que o ginasta mais medalhado de sempre afirmou que se habituou “a conseguir das mulheres aquilo que queria” (Vitaly Scherbo em 2010) ou em que uma ciclista é apanhada com um motor dissimulado na sua bicicleta (Femke van den Driessche, no Mundial de sub-23 de Ciclocrosse de 2016)?

 

(continua...)

 

(1) Maurice Pinguet, 1987, “A morte voluntária no Japão”. Rio de Janeiro: Rocco.

(2) Catherine Moyon de Baecque, 1997, “La Medaille et son Revers”. Paris: Albin Michel.

(3) Isabelle Demongeot, 2007, “Service volé - Une championne rompt le silence”. Neuilly-sur-Seine: Michel Lafon.

(4) Greg Décamps, Sabine Afflelou & Anne Jolly, 2009, disponível on-line em www.anne-jolly.com/wp-content/uploads/2016/09/Rapport_2009.pdf

(5) Campbell Robertson, 2012, disponível em «The New York Times» on-line, 02.08.2012.

(6) Aline Flor, 2019, disponível em «Público» on-line, 09.06.2019.

(7) Germano da Fonseca Sacarrão, 2014, “Determinismo Biológico e Flexibilidade Humana”, in A. Levy, F. Carrapiço, H. Abreu & M. Pina, “Homem – Origem e Evolução”, pp. 267-279. Lisboa: Glaciar.

(8) Txema Santana, 2013, disponível em «El País» on line, 15.03.2013. Manuel Altozano, 2013, disponível em «El País» on line, 15.03.2013 (com link para a sentença na íntegra).

 

Armando Neves dos Inocentes é licenciado em Ensino de Educação Física, Mestre em Gestão da Formação Desportiva, cinto negro 5º dan de karate-do e treinador de Grau IV.

Ler Mais
Comentários (4)
Espaço Universidade09-12-2019 10:24
O surgimento Clube de Veteranos do Atletismo que já conta com meio século - artigo de João Marreiros, 15
Espaço Universidade08-12-2019 15:31
Um olhar sobre o boxe, com “Rodriguinhos” (artigo de Vítor Rosa, 71)
Espaço Universidade08-12-2019 09:22
“O Cru e o Cozido” - uma breve reflexão (artigo de Manuel Sérgio, 317)
Espaço Universidade04-12-2019 19:09
Quem “matou” a mudança? Suspeito 20 – Resistir à Eficácia (Parte 3) - artigo de João Oliveira
Espaço Universidade04-12-2019 00:24
Já conta com 33 anos a Academia Olímpica Portuguesa (de Portugal) - artigo de João Marreiros, 14
Espaço Universidade02-12-2019 15:11
Memórias Olímpicas de Portugal – A Conferência e a Lição (artigo de Manuela Hasse, 12)

Últimas Notícias