O desporto e o turismo (artigo Vítor Rosa, 42)

Espaço Universidade 16-06-2019 17:38
Por Vítor Rosa

O desporto assume um lugar importante no imaginário das pessoas. Quando se pergunta “o que procura durante as suas férias?”, o desporto tem um lugar de destaque, após o descanso e bem-estar, o descobrir as regiões, o visitar os monumentos e os sítios históricos. O golfe, o ténis, a vela, as atividades de risco são algumas das modalidades desportivas plebiscitadas. As práticas desportivas durante o tempo de férias são apontadas como momentos privilegiados para se fazerem encontros ou de estarem juntos.

 

Se outrora o desporto, o turismo e as atividades culturais eram setores distintos, hoje interpenetram-se face ao desejo dos indivíduos. Eles precisam de uns e de outros para continuarem a satisfazer uma clientela cada vez mais exigente.

 

O turismo tornou-se uma atividade económica. Em muitos países, é até a principal atividade. Sob o efeito conjugado da transformação da oferta e do pós-modernismo da procura, a sua evolução traduz-se por um consumo mais qualitativo, mais exigente e multipolar. Fruto desta mudança, o turismo desportivo tornou-se um mercado “frutuoso”, graças ao potencial de destinos à escala mundial e à capacidade de diversificação dos serviços desportivos. Gerador de divisas, este setor encontra-se em expansão e os atores locais e nacionais começam a explorar esta “fileira”, até porque contribui para o desenvolvimento.

 

Mas o que se constata é que existe uma desadequação da oferta relativamente à procura extremamente diversificada, quer sobre o plano dos destinos, quer dos produtos oferecidos aos diferentes públicos. A evolução da procura modifica e complexifica profundamente os comportamentos de consumo turístico para responder às necessidades (funcionais) e aos desejos (imaterial e emocional), nem sempre coerentes. Os turistas procuram ocasiões de vibrar interiormente, de ter novas experiências que produzam sensações agradáveis e/ou inéditas, estimulando os cinco sentidos. Esta mutação da procura turística tornou obsoletas as segmentações que serviam, até ao presente e de maneira satisfatória, a explicar e a compreender as condutas dos turistas (critérios sociodemográficos, grupos sociais e de estilos de vida).

 

O setor do turismo desportivo encontra-se em crescimento, quer ao nível das empresas que se lançam no mercado, quer ao nível dos utilizadores dos seus serviços. Face à pressão concorrencial, um eixo de posicionamento poderia se basear no desenvolvimento de uma real “expertise”. O turismo desportivo de ação caracteriza-se por uma forte mais-valia, concentrados na tecnicidade dos serviços oferecidos (especificidade e atratividade do serviço), na escolha das soluções e das estratégias (condições de realização e de equipamento), sem esquecer a inovação na operacionalização.

 

Vítor Rosa

Sociólogo, Doutor em Educação Física e Desporto, Ramo Didática. Investigador Integrado do Centro de Estudos Interdisciplinares de Educação e Desenvolvimento (CeiED), da Universidade Lusófona de Lisboa

O FUTURO COM O NOSSO PASSADO


Porque A BOLA não quer que o jornalismo deixe de ser o jornalismo de qualidade que se faz da grande história, da investigação e da grande reportagem – nós temos esse jornalismo (o jornalismo que fez com que se falasse de A BOLA como a Bíblia) para lhe continuar a dar.

Porque A BOLA não quer que o jornalismo deixe de ser o jornalismo do texto criativo e sedutor e da opinião acutilante que não se faz de cócoras ou de mão estendida – nós temos esse jornalismo para lhe continuar a dar…

… e para nos ajudar a manter e a melhorar esse jornalismo sério e independente com o timbre de A BOLA,

Junte-se a nós nesse novo desafio ao futuro, tornando-se nosso assinante.

ASSINE AQUI

A Edição Digital de A Bola

Ler Mais
Comentários (0)

Últimas Notícias