O “Lado Negro” do ídolo no Desporto (artigo de João Paulo Ramos)

Espaço Universidade 04-03-2019 10:38
Por João Ramos

Quem não sonhou em algum momento da sua vida ser um Cristiano Ronaldo, Patrícia Mamona, Telma Monteiro José Mourinho, Sérgio Conceição ou até Jorge Mendes? Estes ídolos desportivos são fontes de inspiração, quer pelo mediatismo, pelos números que os rodeiam, pela sua competência ou sucesso. De certa forma, são estes fatores que promovem o interesse nas modalidades desportivas e mantêm algum romantismo nas vidas alcançadas pelos seus intérpretes.
 

No entanto, existe um outro lado da vida destes ídolos que é indissociável do estatuto conquistado: a visibilidade do ídolo retira privacidade, tempo social e de partilha, aumenta o crivo da crítica, aumenta a pressão social e a necessidade de manter continuamente uma “máscara” consonante com a imagem criada em seu torno. O lado negro de ser ídolo obriga-os a serem pessoas com núcleos de amigos muito restritos, de certa forma mais solitários. A vida de um ídolo não é um “conto de fadas” repleta de aspetos somente positivos.
 

O lado mais difícil de ser-se ídolo está provavelmente relacionado com a responsabilidade social. A responsabilidade de ser socialmente correto, demonstrar fair play, evidenciar as caraterísticas associadas à ética desportiva é tanto maior quanto a sua exposição. E quando os nossos ídolos incorrem em condutas incorretas ou suspeitas, é quando a sociedade fica em choque. Quando um herói desportivo, não cumprimenta o adversário, ou desrespeita o árbitro, ou afirma convictamente que “não gosta de perder”, quais as consequências para o comportamento dos nossos jovens desportistas, nos pátios dos recreios, no desporto escolar, ou em qualquer modalidade? É claro que o impacto no seu comportamento é modelado por estes infelizes comportamentos que não vêm qualquer punição ou reforço negativo significativo. A imagem de que vale tudo para vencer não poder ser admissível.

 

A aprendizagem social é alimentada pelos modelos mais significativos para o aprendiz, sejam eles especialistas próximos ou populares, cujas ações são reconhecidas pelos outros (comunicação social, pares, etc.). A teoria dos “Neurónios Espelho” sustenta também esta ideia de replicação de comportamentos. Ao observarmos o comportamento motor de alguém, estamos a “ativar” a nossa região do córtex pré-motor promovendo assim a sua execução em situações ou condições semelhantes. Basta pensar na imitação dos festejos de golo do CR7, ou das “simulações” do Neymar, que neste segundo exemplo recebem igualmente a atenção dos média. O problema, é a ausência de castigo ou reforço negativo, numa qualquer ação incorreta de um ídolo, pois poderá servir de estímulo à sua replicação por parte do seu admirador

 

Temos todos o dever de enquadrar nos jovens desportistas, sobretudo nos mais influenciáveis, a moralidade e ética associado ao desportivismo, e uma postura adequada no desporto como educação para a vida. Vamos a isso, porque vale a pena: trata-se do futuro!

 

João Paulo Ramos

Professor Assistente Convidado da Universidade Europeia

Ler Mais

A PAIXÃO CONTINUA EM CASA


O momento particular que vivemos determina a permanência das pessoas em casa além do fecho de todas as lojas comerciais alterando dramaticamente os hábitos das pessoas no que toca à leitura e ao acesso à informação.

Neste momento de grandes dificuldades para todos, estamos a trabalhar a 100% para continuar a fazer-lhe companhia todos os dias com o seu jornal A Bola , o site ABOLA.pt e no canal A Bola Tv.

Mas este trabalho só vale a pena se chegar aos seus clientes de sempre sem os quais não faz sentido nem é economicamente sustentável.

Para tanto precisamos que esteja connosco, que nos faça companhia, assinando a versão digital de A Bola e aproveitando a nossa campanha de assinaturas.

ASSINE JÁ

Comentários (0)

Últimas Notícias

Mundos