Quem “matou” a mudança? Suspeito nº 10 – O Ruído na … (artigo de João Oliveira)

Espaço Universidade 15-12-2018 18:35
Por João Oliveira

Passava das 22h00, Robert West, Diretor Geral do F.C. os Galácticos, e o Detetive Colombo encontravam-se a mais de 5000 kms de casa. Tinham passado pela La Piedra, para comer a Mariscada, que o Robert adorava e procurava, sempre que o Clube ia jogar a Vigo, e dirigiam-se para o centro, na procura de um local para jantar. O Detetive Colombo dirigia um carro emprestado pela organização do jogo e o Robert estava surpreendido pelas luzes, os enfeites, as caixas de presentes, a bola gigante e aquela árvore repleta de leds e os seus múltiplos efeitos.

Era época de Natal, a cidade vivia o Natal e contagiava quem a visitava com esse espírito. Não havia onde estacionar, os parques estavam lotados, até que surge um lugar à esquerda. Pisca, marcha-atrás e de uma só vez, já está, o carro ficou direito, à primeira, o que não era habitual no Detetive, quando estacionava do lado esquerdo.

Começam a descer a rua a pé, viram à direita, passam por uma pequena “calle” e surgem os dois primeiros possíveis locais para jantar. Não eram marisqueiras, antes uma hamburgueria e uma cervejaria. Robert entrou na cervejaria, mas de imediato saiu, ainda espreitou a hamburgueria, mas numa troca de olhares, parecia que ambos estavam a dizer o mesmo um ao outro - “vamos procurar outro local”. Poucos metros à frente, voltam para baixo, na Rua de Manuel Núnez e ao surgir uma rua à esquerda, vêm umas pipas pintadas de branco com uma mensagem interessante: “no se recuerdan los dias, se recuerdan los momentos”. Aproximam-se e, do outro lado da rua a pedestre, lá estava “La Taberna de Tony” e as tapas que o Detetive Colombo adora.

Robert é o primeiro a entrar, segue-se-lhe o Detetive Colombo. Estava lotado, a sala estava dividida a meio, há umas pessoas que se levantam e libertam uma mesa. Ambos se aproximam, dão um sinal à garçonete, como a pedir permissão e sentam-se. O detetive Colombo estava entusiasmado com a ideia de comer umas tapas.

Depois de limpar a mesa, a garçonete coloca uma entrada muito simples de “pan”, “jamon” e “queso”, mas que lhes soube pela vida. Pendem uma tortilha, uns calamares, umas asitas e uma salada. A menina que os atendia disse que era muita comida e acabaram por prescindir da “ensalada”.

O jogo de beneficência, razão da presença da equipa do F.C. os Galácticos na cidade, realizava-se na noite do dia seguinte.

O Detetive Colombo e o Diretor Geral Robert West queriam aproveitar para conversar sobre a situação geral no Clube e verificar se havia mais algum suspeito de estar a “matar” a mudança no Clube. Queriam conversar, desejavam escutar-se um ao outro, pretendiam que o outro ouvisse o que estavam a dizer, mas a música de fundo, o barulho das conversas das outras mesas e as interrupções da garçonete com o pão, depois com as bebidas, seguiu-se a paragem provocada pela chegada da tortilha e pouco tempo depois nova interrupção, agora causada, pelas asitas. Estava tudo delicioso, mas o barulho e as interrupções eram constantes.

O Colombo e o Robert repetiam-se frequentemente para serem compreendidos, outras vezes pediam ao outro para repetir o que tinha dito, pois o que tinham percebido tinha sido demasiado ambíguo. Não se conseguiam escutar, não eram capazes de entender o que o outro queria dizer, começaram a falar cada vez mais alto, para ver se eram escutados e o que deveria ser um momento de prazer, partilha e descoberta, estava a tornar-se num momento a recordar como desagradável.

Chegam os calamares e a sala estava diferente. Menos gente, várias mesas livres, nomeadamente atrás, à frente e ao lado esquerdo. Ao lado direito estava a parede que separava a sala e que tinha uma grande abertura, para a outra parte. A tranquilidade, o sossego, a calma reinavam agora e o Detetive Colombo e Diretor Robert conseguiam escutar-se mutuamente, entender o que o outro queria dizer, como a pergunta do Robert – “Detetive Colombo, na semana passada, o Presidente Angie partilhou comigo que começar pelas diferenças, compromete ser-se escutado, entendido e compreendido e pediu-me para convidar o Detetive a acompanhar a equipa nesta digressão, como sinal de agradecimento pelos muitos contributos que está a prestar à melhoria do Clube e também para saber se descobriu mais algum culpado. Tem ideia de mais algum culpado de estar a “matar” a mudança no Clube?”.

“Agradeço imenso a oportunidade de visitar outro país, acompanhar a equipa, conhecê-lo melhor e claro saborear estas deliciosas tapas” – começou por dizer o Detetive Colombo, que quando visitava Espanha não trocava tapas por nenhuma outra iguaria e continuou – “como sabe, nos últimos meses, tenho acompanhado toda a vida do Clube, como observador. Presenciei reuniões, palestras nos balneários, discursos, entrevistas e um sem número de momentos em que as pessoas comunicavam e verifiquei que há um fator comum a muitos destes momentos, que os compromete”.

Robert levanta ligeiramente o queixo, chega os ombros ligeiramente para a frente, como a preparar-se para ouvir melhor, enquanto o Detetive Colombo continuou – “lembra-se o que se passou hoje durante este jantar?”. “Como assim Detetive?” – perguntou o Diretor Geral Robert West.

“Como relembra o momento da nossa conversa, antes dos calamares chegarem à mesa?” – perguntou o Detetive. “Havia muito barulho, muita gente a falar ao mesmo tempo, muitas interrupções, isso levou-nos a repetir o que dizíamos e a sistematicamente perguntar ao outro o que queria dizer” – e dada a relação de amizade que tinha estabelecido com o Detetive, o Diretor Robert arriscou em ir mais longe e continuou – “levou-me a sentir alguma tensão e frustração, a ter que fazer um enorme esforço para o perceber e me fazer entender. Não fosse importante o que tinha para dizer e escutar e teria desistido e concentrado apenas nas tapas”.

“Como recorda o momento, depois de chegarem os calamares?” – explorava o Detetive Colombo. O Diretor Robert refletiu um pouco e percebeu que realmente tinha havido uma enorme diferença na interação e no resultado da conversa de ambos depois do calamares serem colocados na mesa e aquelas gotas do limão os apurarem e disse – “as interrupções pararam, conseguimos ouvir concretamente o que o outro dizia, o que escutávamos era consistente, a nossa conversa foi muito concreta e fomos capazes de explorar a situação, em vez de explica-la e tudo isso não só foi muito agradável, me fez sentir bem, como permitiu que nos entendêssemos e que o que ouvíamos correspondia exatamente ao que o outro dizia”.

A refeição tinha terminado e ambos ansiavam por um café e enquanto o bebiam, o Detetive Colombo começou por dizer - “Diretor Robert as muitas entrevistas, os vários discursos, as múltiplas palestras e as diversas reuniões a que tenho assistido têm revelado mais um dos culpados de estar a “matar” a mudança no Clube: o ruído na comunicação” – e aproveitando a sua pausa, o Diretor Robert construiu – “quer isso dizer que quando as pessoas (sejam elas Presidente, Diretor, Treinador, Médico, Fisioterapeuta, Jogador, Adepto, Pai e Mãe, Líder ou Colaborador) querem mudar alguma coisa e para isso necessitam de comunicar as suas ideias, se não removerem ou pelo menos reduzirem substancialmente as explicações, as redundâncias, as interrupções, as contradições e as ambiguidades, isto é, o ruído na comunicação, então a probabilidade das outras pessoas escutarem e entenderem o que realmente disseram fica comprometido e consequentemente também as hipóteses de mudança” – sintetizou o Diretor Geral Robert West.

Já passava da meia-noite e meia, acertada a conta e a devida gorjeta, pois perceberam que a garçonete zelou pelos interesses de ambos, quando sugeriu que estavam a fazer demasiados pedidos e os foi servindo com simpatia, ambos se dirigiam para a porta, quando pararam antes dos quatro degraus de acesso à rua. Havia uma grande passagem, para a outra parte da sala. Contemplaram-na, assim como apreciaram a tranquilidade, que contrastava com o barulho e rebuliço do momento de chegada.

Subidos os degraus e chegados à rua, o Diretor Robert West olha para trás, pega no telemóvel e tira uma foto e a ela associou: mais um momento de crescimento, resultado de ter descoberto mais um responsável de estar a “matar” a mudança no Clube, mas também em algumas organizações, equipas e famílias, o ruído na comunicação; a diferença de sentimentos entre os momentos com e sem ruído; e o distinto discurso interno, agora a dizer a si próprio “vou aproveitar esta oportunidade de remover ou, pelo menos, reduzir o ruído no canal da comunicação, para melhorar a vida do Clube, mas também a minha e das pessoas com que me relaciono”.

Voltam a cruzar-se com as mesas brancas em forma de pipa, mas agora reparam que tem umas folhas e uvas pintadas, para além da mensagem que releram - “no se recuerdan los dias, se recuerdan los momentos” - e ambos pensam - “este é um dos momentos para recordar”. Viram à esquerda e lá estava a bola de Natal gigante. O Detetive Colombo tira uma foto e faz um post no seu Facebook, com a mensagem a todos os seus amigos: “A Todos um Bom Natal”.

Ler Mais

A PAIXÃO CONTINUA EM CASA


O momento particular que vivemos determina a permanência das pessoas em casa além do fecho de todas as lojas comerciais alterando dramaticamente os hábitos das pessoas no que toca à leitura e ao acesso à informação.

Neste momento de grandes dificuldades para todos, estamos a trabalhar a 100% para continuar a fazer-lhe companhia todos os dias com o seu jornal A Bola , o site ABOLA.pt e no canal A Bola Tv.

Mas este trabalho só vale a pena se chegar aos seus clientes de sempre sem os quais não faz sentido nem é economicamente sustentável.

Para tanto precisamos que esteja connosco, que nos faça companhia, assinando a versão digital de A Bola e aproveitando a nossa campanha de assinaturas.

ASSINE JÁ

Comentários (0)

Últimas Notícias