Violadas 180 pessoas por dia em 2018

Brasil 11-09-2019 19:53
Por Redação

No ano passado, e desde 2009, o Brasil registou o número mais elevado de violações, 180 por dia – segundo dados do Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

 

Foram, já agora, registadas cerca de 66 mil violações, das quais 54% envolvem vítimas com menos de 13 anos.

 

O documento revela que, no Brasil, apenas sete em cada 100 vítimas de violação apresenta queixa.

 

A maioria das vítimas é do sexo feminino (82%), acompanhado, assim, o crescimento dos crimes contra as mulheres, como, por exemplo, o da violência doméstica.

 

A vergonha, o receio e a falta de confiança nas instituições são, para a diretora executiva da Fórum Brasileiro de Segurança Pública, «razões que levam a que os números sejam maiores do que aqueles que o relatório apresenta».

 

Apesar do recorde atingido em 2018, Samira Bueno não acredita que os números sejam indicadores de que há cada vez mais pessoas a apresentar queixa, mas sim que “o que estamos a ver é um aumento da violência contra a mulher”.

 

A diretora fala ainda sobre os 76% que indicam que a vítima possuí algum vínculo ao agressor, dado que desmistifica que «o crime é cometido por um homem muito violento que te vai abordar numa praça à noite, porque a maior parte é cometida por um familiar ou um vizinho».

 

Mas não só de percentagens é composto o relatório. A existência de políticas de prevenção, proteção e repressão são soluções que o relatório sugere. Samira Bueno dá o exemplo dos debates sobre educação sexual nas escolas como uma das soluções a tomar. «

 

«Quando falamos sobre educação sexual nas escolas, é por isso. Para a criança saber se aquilo é violência e quais são os meios para pedir ajuda», afirma.

 

O relatório revela ainda que, em relação a 2017, houve um aumento de 5% nos casos de feminicídio. Quer isto dizer, que 1206 mulheres morreram pelo simples facto de... serem mulheres.

O FUTURO COM O NOSSO PASSADO


Porque A BOLA não quer que o jornalismo deixe de ser o jornalismo de qualidade que se faz da grande história, da investigação e da grande reportagem – nós temos esse jornalismo (o jornalismo que fez com que se falasse de A BOLA como a Bíblia) para lhe continuar a dar.

Porque A BOLA não quer que o jornalismo deixe de ser o jornalismo do texto criativo e sedutor e da opinião acutilante que não se faz de cócoras ou de mão estendida – nós temos esse jornalismo para lhe continuar a dar…

… e para nos ajudar a manter e a melhorar esse jornalismo sério e independente com o timbre de A BOLA,

Junte-se a nós nesse novo desafio ao futuro, tornando-se nosso assinante.

ASSINE AQUI

A Edição Digital de A Bola

Ler Mais

Últimas Notícias