«A corda estica, estica, estica, até que um dia rebenta»

CORINTHIANS 03-07-22 8:32
Por Redação

Após a pesada derrota diante do Fluminense, por 0-4, no Maracanã, no Rio de Janeiro, em jogo da 15.ª jornada do Brasileirão, o português Vítor Pereira, treinador do Corinthians, lamentou o desfecho de uma situação, que vincou, já se adivinhava.«Não me recordo, na minha carreira, de uma derrota assim. Mas, foi justa pelo que aconteceu em campo. Demos prioridade ao Boca [defrontam-se na próxima terça-feira, nos oitavos de final da Libertadores]. Sabíamos dos riscos, sabíamos que jogando com atletas que não têm tido oportunidade, com falta de ritmo, alguns miúdos... frente a um Fluminense bem trabalhado, que está fresco, na máxima força, sabíamos que o risco era grande. Sabíamos que cometeríamos erros, como cometemos», começou por justificar, em conferência de imprensa.Vítor Pereira relembrou as ausências, de peso, para explicar a utilização de jogadores menos rotinados. «Não estiveram disponíveis Gil, João Victor [central cobiçado por Benfica e FC Porto], Renato Augusto, Maycon, Roni [castigado], Rafael Ramos, Fagner, Willian, Du Queiroz e Gustavo Mosquito. Dez ausências, que obrigaram o treinador a escolher uma equipa com falta de entrosamento. É uma derrota pesada, que nos custa muito. Mas a corda estica, estica, estica até que um dia rebenta. Contra factos, não há argumentos. Para esse jogo, não tínhamos argumentos para enfrentar uma equipa com o nível do Fluminense.»

Apesar da pesada derrota, o português deixou elogios aos atletas: «Não posso apontar nada aos jogadores, tentaram de tudo, mas não foram capazes.»Vítor Pereira não escondeu que o foco está no jogo contra o Boca Juniors, na próxima terça-feira, na Bombonera, referente aos oitavos de final da Libertadores: «Esta derrota são três pontos recuperáveis. O próximo jogo não é, não há como recuperar, por isso, vamo-nos focar já no próximo jogo. Vamos ver quais os jogadores disponíveis, espero recuperar alguns para nos apresentarmos competitivos contra o Boca.»