«O ambiente da equipa está fantástico»

BENFICA 22-09-21 3:55
Por Redação

O Benfica Campus festeja esta quarta-feira 15 anos e o clube tem, ao longo do dia, mostrado através da BTV como funciona todo o complexo onde treinam as várias equipas do Benfica, com declarações de funcionários, treinadores e jogadores.

Representando elementos que fizeram a formação até à equipa principal estiveram Ferro, Gonçalo Ramos e Paulo Bernardo, que garantiram que o ambiente no balneário esta época está «fantástico».

«Quando se trabalha sobre vitórias é melhor. Mesmo os empates que temos tido...  em Kiev deu um ponto na Champions, o outro foi com o PSV e soube a vitória… Dá animo, o ambiente melhor, mas se surgir uma derrota, o grupo está unido para dar a volta a isso, o ambiente está fantástico», garantiu Ferro, secundado por Gonçalo Ramos:

«Está a ser bom, o grupo dá-se bem, os novos jogadores entraram bem. Acima de tudo somos amigos, todos entram nas brincadeiras, somos todos família.» Paulo Bernardo, apesar de ainda fazer jogos com a equipa B, diz que se nota «outro nível mal se entra na porta»: «O grupo está-me a receber bem, estou feliz por estar com eles, são os melhores. E eu gosto de estar entre os melhores.»

O trio recordou primeiros tempos na chegada ao Seixal. «Lembro-me do primeiro dia [em 2011], foi um misto de emoções: estava muito contente por vir para cá, mas deixei a família [em Oliveira de Azeméis]», disse Ferro, lembrando que tinha Luisão como ídolo: «Era da minha posição, era capitão, tinha a mística.»

Gonçalo Ramos também deixou a família no Algarve, em Olhão, mas cultivou nova família de afinidade com Romário Baldé, Hildeberto, Diogo Gonçalves «muita malta mais velha acabava por apadrinhar os mais novos». Ramos confirmou ainda que ganhou a alcunha de «feiticeiro» dada pelos colegas com origem guineense, por ficar sempre muito irritado quando as coisas não corriam bem. As suas referêcias? Cardozo, Enzo Perez, Witzel.

Paulo Bernardo, ainda sem um jogo oficial, não chegou a ter residência no Seixal por ser natural de Almada, e perdeu algumas peladinhas improvisadas, tendo apontado Enzo Perez, André Gomes e Renato Sanches como referências.

Todos tiveram oportunidade de ser apanha bolas, com Ferro a destacar o seu, frente ao Barcelona: «Fui uma vez e logo contra o Barcelona, estive pela primeira vez no relvado da Luz. Ao mesmo tempo a ver o Barcelona… é diferente de ver na bancada ou em casa, muito especial.»

O Benfica tem no Seixal um mural com 40 jogadores, onde estão Ferro e Gonçalo Ramos, e ao qual Paulo Bernardo aspira a chegar. «É um orgulho estar no mural, sentimo-nos realizados ao estar ali. Os miúdos não devem ter pressão, mas é bom para verem que é possível, já são 40, não são 5. Quando cheguei a porta não estava assim, mas agora os jovens podem ver que também vão conseguir», avaliou Ferro. «Estou a trabalhar para isso, quem treina com os melhores sai de lá melhor. Vai surgir a minha oportunidade no momento certo», disse Paulo Bernardo.

Gonçalo Ramos recordou ainda a chegada à equipa principal: «Acabou por ser quando não estava à espera, comecei bem com 7 golos, era a época de afirmação na equipa B, mas deu para dar o salto, treinar e estar com o plantel. Este ano ainda não apareceram os golos, mas Gonçalo está «tranquilo».