Jesus avalia evolução de Weigl, Rafa, Diogo Gonçalves e Pizzi

BENFICA 03-03-21 3:13
Por Redação

Durante a antevisão ao jogo da Taça de Portugal com o Estoril, Jorge Jesus comentou a situação de quatro jogadores que, na opinião do treinador do Benfica, têm vindo a subir de rendimento.

Julian Weigl: «É um jogador que não corria mais de dez quilómetros por jogo. No último fez 13. Juntamente com os dados dos outros jogadores, percebemos que a equipa está a correr mais e que fisicamente está melhor. (…) É um dos jogadores que mais evoluiu desde que cheguei. Foi percebendo o que eu achava ser importante para a valorização da posição. Agora é mais intenso sem bola. (…) Tinha vários aspetos a corrigir, um era essa falta de agressividade. Joga à frente da última linha e é preciso agressividade. Já tinha um bom posicionamento, mas melhorou muito nesse aspeto.»

Rafa: «Curiosamente nunca teve Covid, mas tem feito jogos com ritmo e intensidade, com muita disponibilidade tática, também a nível defensivo. Já é um grande jogador, quando souber definir melhor no último passe vai ser um jogador top. Melhorou defensivamente e tem jogado mais moralizado. É super-inteligente taticamente. Quando falo com ele, noto a recetividade e facilidade em perceber as coisas. E isso ajuda a valorizar o jogo dele.»

Diogo Gonçalves: «Tem vindo a melhorar o entendimento como lateral-direito. Com a lesão de André Almeida, entendemos que se adaptasse a essa posição e não tem sido fácil porque, defensivamente, não conhece os espaços que tem de ocupar. Semana a semana, jogo a jogo, tem vindo a melhorar, tenho falado com ele. Defensivamente está melhor. Era um ala e continua com a mesma qualidade ofensiva. Acertámos no jogador que vai ter de discutir com Gilberto a posição. Estou contente com o aproveitamento dele. É um miúdo muito concentrado, profissional, não fala muito, mas sabe o que quer. Está sempre disposto a aprender e, quando é assim, é mais fácil para o treinar corrigir e ajudar o jogador a evoluir.»

Pizzi: «Já fizemos 38 jogos, ele esteve em 35. E teve Covid. Quando cheguei pela primeira vez ao Benfica fui eu que o pedi quando ele estava no Espanhol de Barcelona, e comigo foi titular quase sempre. Conhece-me bem, conhece os meus defeitos, é o capitão e sente-se responsável pelo que não tem corrido bem. Ele acha que todas as tarefas e êxitos passam pela equipa e o principal responsável pela equipa é o treinador, não são os jogadores. Se jogam mal, tem a ver com treinador. É um jogador muito importante porque, com ele, mudo facilmente de sistema pois ele pode jogar em mais que uma posição. Não jogou contra o Rio Ave, amanhã vai jogar. A gestão dos jogadores é decisão minha.»