C41: o Alfa Romeo-Ferrari para o Mundial de 2021

FÓRMULA 1 22-02-21 4:56
Por José Caetano

A Sauber, proprietária da escuderia Alfa Romeo-Ferrari, apresentou o monolugar para o Mundial de 2021, tornando-se na terceira equipa a fazê-lo. Durante o evento na Polónia, no Teatro Nacional de Varsóvia, a formação que terminou o campeonato de 2020 na 8.ª posição, à frente apenas de Haas-Ferrari e Williams-Mercedes, revelou o C41 substituto do C39 e (re)confirmou os nomes tanto dos pilotos titulares, Kimi Räikkönen e Antonio Giovinazzi, como do de reserva e testes, Robet Kubica.

 

A escolha da Polónia para a apresentação deveu-se ao facto de a equipa ter o patrocínio de petrolífera polaca: a Orlen. Também por isso, sobre o palco de teatro tão prestigiado, antes da apresentação do C41, assistiu-se a atuação de dois pianistas, que interpretaram dois temas de Frèdéric Chopin, e duas bailarinas.

 

Respondendo às mudanças nos regulamentos introduzidas para redução significativa de custos na Fórmula 1, condição para a manutenção da atratividade do campeonato nestes tempos de pandemia, a Alfa Romeo-Ferrari, a exemplo das demais equipas no Mundial, apresentou uma evolução do monolugar do ano passado, registando-se apenas mudanças no capítulo aerodinâmico, igualmente determinadas por alterações técnicas. O objetivo é diminuir a pressão descendente e, assim, baixar a velocidade em curva,

 

«É sempre bom vermos um carro novo, mas ainda estamos no domínio do desconhecido e, seguramente, as mudanças introduzidas refletir-se-ão na dinâmica e na ‘performance’. Esperamos apresentar-nos melhores do que ano passado, embora só podemos confirmá-lo após os primeiros testes e a corrida de abertura da temporada», disse Räikkönen, que é o piloto mais experiente – o campeão do Mundo de 2007 prepara-se para a 19.ª época na categoria) e mais velho (41 anos) no campeonato de 2021.

 

No C41, como no monolugar antecessor, a unidade de potência, a caixa de velocidades e a suspensão são produzidas pela parceira técnica da Alfa Romeo, a Ferrari. O diretor da escuderia é o francês Frédéric Vasseur, que ingressou na Sauber em 2017, depois de passagem pela Renault F1.