«Disse ao David Luiz ‘Mano vai calhar-nos o Benfica’. E assim foi»

ARSENAL 16-02-21 11:45
Por Irene Palma

Feliz e realizado, pessoal e profissionalmente, Cédric falou em exclusivo com A BOLA e A BOLA TV. Numa conversa que abordou de tudo um pouco, incluindo a vida familiar, a paixão pelo Sporting e  a pandemia, começa-se a conversa com o lateral-direito de 29 anos pela atualidade: a eliminatória que vai opor o ‘seu’ Arsenal ao Benfica, na Liga Europa.- Já sabe tudo sobre o Benfica para o jogo de quinta-feira, em Roma, para a primeira mão dos 16 avos de final da Liga Europa?- [Risos] Sei e tenho a certeza  que vai ser um jogo competitivo e difícil entre duas equipas que querem ganhar. As equipas do mister Jorge Jesus são sempre bem trabalhadas e nós também temos a nossa ideia, à imagem do nosso treinador. O futebol vive destas ideias…- Já falou com algum dos jogadores do Benfica sobre este encontro?- Dos jogadores do Benfica sou mais chegado ao Pizzi e também joguei com o Rafa na Seleção. Já nem sei se falámos do jogo [risos]. Dentro de campo vamos ser rivais e fora de campo somos colegas.- Este primeiro jogo será em Roma e não no Estádio da Luz. Reflexos de um futebol diferente em tempos de pandemia.- Pois. Não deixaria de ser especial jogar em Lisboa e é sempre especial jogar contra uma equipa portuguesa pois nunca joguei nas competições europeias contra uma. Em Roma será num campo estranho para eles e para nós e esse aspeto poderá ter alguma influência no jogo.- Quando o sorteio ditou o encontro com o Benfica o que é que comentou com o David Luiz, colega no Arsenal e antigo jogador das águias?- Um dia antes do sorteio disse-lhe: ‘Mano vai calhar-nos o Benfica’. E assim foi. Parecia que estava a adivinhar [risos]. Comentámos que vai ser um jogo difícil. Sabemos da qualidade do Benfica e comentámos a qualidade dos jogadores e do treinador. Vai ser muito difícil, mas temos de pensar devagarinho, jogo a jogo, pois é uma competição bastante importante para nós. Nós queremos manter-nos na Liga Europa e temos de encarar o encontro de forma muito séria.Leia mais na edição impressa ou digital de A BOLA