Presidente Bolsonaro chama Greta Thunberg de «pirralha», após ativista sueca defender causa indígena

BRASIL 10-12-19 7:57
Por Redação

O Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, chamou, esta terça-feira, a ativista ambiental sueca, Greta Thunberg, de «pirralha» (menina mal-educada, em tradução livre), após ela ter alertado para as lutas dos povos indígenas e revelado preocupação com o assassinato de líderes nativos.

Ao sair do Palácio da Alvorada, residência oficial do chefe de Estado, Bolsonaro questionou a cobertura jornalística dada a Thunberg, de 16 anos, que, no último domingo, usou a rede social Twitter para informar sobre o assassinato de mais dois indígenas no estado do Maranhão.

«Greta já disse que os índios morreram porque estavam a defender a Amazónia.... É impressionante a imprensa dar tanto espaço a uma pirralha», declarou, em Brasília.

Bolsonaro referia-se às declarações da jovem, na rede social Twitter, em que escreveu que «os povos indígenas estão literalmente a ser assassinados por tentar proteger a floresta da desflorestação ilegal. Repetidamente. É vergonhoso que o mundo permaneça calado sobre isso».

Logo após as críticas de Bolsonaro, Greta Thunberg atualizou a sua biografia no Twitter para ‘Pirralha’.

O comentário de Bolsonaro sobre a adolescente segue a mesma linha daqueles já efetuados pelo homólogo norte-americano, Donald Trump, que, em setembro, respondeu sarcasticamente a um vídeo da jovem ativista sobre sofrimento humano, morte de ecossistemas e iminente extinção em massa.

«Ela parece ser uma jovem menina muito feliz, que está a caminho de um futuro maravilhoso e brilhante. É sempre bom saber isso…», ironizou.

O número de assassínios de lideranças indígenas em conflitos no interior do Brasil em 2019 foi o maior, em pelo menos, 11 anos, segundo dados da Comissão Pastoral da Terra (CPT), divulgados esta terça-feira.