Retrospectiva histórica do Mundial de basquetebol de juniores (artigo de Eduardo Monteiro, 44)

ESPAÇO UNIVERSIDADE 09-10-19 8:9
Por Eduardo Monteiro

O 14º Campeonato Mundial de basquetebol de juniores (Sub-19), realizado entre 29 de Junho e 7 de Julho de 2019, na cidade de Heraklion (Grécia) teve uma final inédita atendendo a que, pela primeira vez na história  desta prova, uma das selecções finalistas era de um país africano, a do Mali.Este acontecimento revela que o basquetebol no continente africano já começa a apresentar bons resultados, a nível internacional, através das suas selecções Sub-19, reflexo do óptimo trabalho que se vai fazendo com os jovens praticantes da modalidade em alguns países de África.

Esta competição, inicialmente designada por “World Championship for Junior Men”, teve o seu início em 1979 na cidade de Salvador (Brasil) e começou por ser disputada, de quatro em quatro anos, à semelhança do que se verifica com as seleções seniores. Entretanto, em 2007, a Federação Internacional de Basquetebol (FIBA) deu início à reorganização das competicões internacionais para os escalões jovens. Não só mudou o nome desta prova para “FIBA U19 World Championship for Men”, como também a competição passou a ser realizada de dois em dois anos. Para além dessas alterações, a FIBA também criou uma outra prova a nível internacional para o escalão Sub-17, com periodicidade bianual que se iniciou em 2010. 

Ao fazermos uma retrospectiva histórica dos mundiais de basquetebol dos escalões de jovens, verificamos que estas competições foram e continuarão a ser organizadas, nos meses de Julho e Agosto, de forma a coincidirem com as férias escolares dos praticantes:

História

1979 - SALVADOR (BRASIL)   

FINAL:  USA -75  Brasil -55;  CLASSIFICAÇÃO: 1º USA, 2º Brasil, 3º Argentina, 4º Jugoslávia, 5º U. Soviética, 6º Itália, 7º Canadá, 8º Uruguai, 9º Austrália, 10º Filipinas, 11º Panamá e 12º Egipto. MARCADORES: 1- H.Lopez (URU) 33.2 pontos por jogo, 2- S.Popov (URSS) 21.5 pontos, 3- E.Macias (PAN) 21.0 pontos, 4- A.Cristobal (FIL) 18.6 pontos, 5- Z.Grdzelidze (URS) 18.1 pontos.

1983 – PALMA MAIORCA (ESPANHA)

FINAL:  USA – 82  União Soviética – 78; (3º lugar): Brasil – 71  Espanha – 66. CLASSIFICAÇÃO: 1º USA, 2º U.Soviética, 3º Brasil, 4º Espanha, 5º Alemanha, 6º Itália, 7º Argentina, 8º Jugoslávia, 9º República Dominicana, 10º Austrália, 11º China, 12º Uruguai, 13º Angola e 14º Canadá. MARCADORES: 1- L.Pierri (URU) 33 pontos por jogo, 2- P.Almeida (BRA) 26.8 pontos, 3- J.Guimarães (ANG) 26.7 pontos, 4- J.Villacampa (ESP) 24.8 pontos. 5- S.Uranga (ARG) 22.1 pontos. 

1987- BORMIO (ITÁLIA))

FINAL: Jugoslávia – 86 USA - 76; (3º lugar): Itália-77 Alemanha-66. CLASSIFICAÇÃO:  1º Jugoslávia, 2º USA, 3º Itália, 4º Alemanha, 5º Austrália, 6º Canadá, 7º U. Soviética, 8º Porto Rico, 9º China, 10º Brasil, 11º Taipé e 12º Nigéria. MARCADORES: 1- L.Garba (NGR) 23 pontos por jogo, 2-A.Bavaresco (BRA) 22 pontos), 3- D.Borges (PUR) 19.7 pontos, 4- L.Songo (CHI) 19.1 pontos, 5- R.Munoz (PUR) 18.8 pontos.

1991- EDMONTON (CANADÁ)

FINAL: USA – 90 Itália – 85; (3º lugar): Argentina-74 Jugoslávia-71.      CLASSIFICAÇÃO: 1º USA, 2º Itália, 3º Argentina, 4º Jugoslávia, 5º Roménia, 6º Espanha, 7º Brasil, 8º Canadá, 9º U.Soviética, 10º China, 11º Austrália, 12º Síria, 13º Angola, 14º Uruguai, 15º Nigéria e 16º Japão. MARCADORES: 1- A.Houy (SYR) 26 pontos por jogo, 2- D.Muresan (ROM) 24.1 pontos, 3- M. Saada (SYR) 22.1 pontos, 4- M.Roschnafsky (ROM) 21.8 pontos, 5- J.Racca (ARG) 20.1 pontos.

1995 - ATENAS (GRÉCIA)

FINAL: Grécia-91  Austrália- 73; (3º lugar): Espanha-77 Croácia-64. CLASSIFICAÇÃO:  1º Grécia, 2º Austrália, 3º Espanha; 4º Croácia, 5º Lituânia, 6º Argentina, 7º USA, 8º França, 9º China, 10º Porto Rico, 11º Nigéria, 12º Venezuela, 13º Itália, 14º Angola 15º Coreia e 16º Jordânia. MARCADORES: 1- E.Rentzias (GRE) 22.8 pontos por jogo, 2- Z.Wang (CHI) 22.3 pontos, 3- S. Cho (KOR) 22.1 pontos, 4- D.Salas (VEN) 21.9 pontos, 5- M.Kakiouzis (GRE) 21.3 pontos.

1999 - LISBOA (PORTUGAL)

FINAL: Espanha-94  USA- 87; (3º lugar): Croácia-66 Argentina-59. CLASSIFICAÇÃO:  1º Espanha, 2º USA, 3º Croácia, 4º Argentina, 5º Austrália, 6º Rússia, 7º Grécia, 8º Brasil, 9º Letónia, 10º Qatar, 11º Nigéria, 12º Venezuela, 13º Egipto, 14º Japão, 15º China e 16º Portugal.

2003 - SALÓNICA (GRÉCIA)

FINAL: Austrália-126  Lituânia-92; (3º lugar): Grécia- 73 Croácia-64.  CLASSIFICAÇÃO: 1º Austrália, 2º Lituânia, 3º Grécia, 4º Croácia, 5º USA, 6º Porto Rico, 7º Eslovénia, 8º Turquia, 9º Venezuela, 10º Argentina, 11º Nigéria, 12º Coreia, 13º Angola, 14º China, 15º Malásia, 16º Irão. MARCADORES: 1- L.Kleiza (LTU) 29.1 pontos por jogo, 2- J.Barea (PUR) 27 pontos, 3- A.Bogut (AUS) 27 pontos, 4- M.Barros (ANG) 22.1 pontos, 5- R.Ukic (CRO) 19.8 pontos.

2007 - NOVI SAD (SÉRVIA)

FINAL: Sérvia-74 USA-69; (3º lugar): França-75 Brasil-67.                 CLASSIFICAÇÃO: 1º Sérvia, 2º USA, 3º França, 4º Brasil, 5º Austrália, 6º Argentina, 7º Turquia, 8º Espanha, 9º Lituânia, 10º Canadá, 11º Coreia, 12º China, 13º Nigéria, 14º Líbano, 15º Mali, 16º Porto Rico. MARCADORES: 1-P.Prestes (BRA) 23 pontos por jogo, 2- D.Joseph (CAN) 22.6 pontos, 3- A.Ogilvy (AUS) 22.3 pontos, 4- W.Coulibaly (MAL) 19.6 pobtos, 5- I.Yusuf (NGR) 18.2 pontos.

2009 - AUCKLAND (NOVA ZELÂNDIA)

FINAL: USA-88 GRÉCIA-80; (3º lugar): Croácia-87  Austrália-81.              CLASSIFICAÇÃO: 1º USA, 2º Grécia, 3º Croácia, 4º Austrália, 5º Argentina, 6º Porto Rico, 7º Canadá, 8º França, 9º Lituania, 10º Espanha, 11º Egipto, 12º Kasaquistão, 13º Nova Zelândia, 14º Angola, 15º Irão, 16º Síria. MARCADORES: 1- M.Rosário (PUR) 24 pontos por jogo, 2- M.Delas (CRO) 20 pontos, 3- A.Tyutyunik (KAZ) 19.4 pontos, 4- A.Abdelhalim (EGY) 19 pontos, 5- R.Loe (NZL) 18.8 pontos.

2011 - RIGA (LETÓNIA)

FINAL: Lituânia- 85  Sérvia- 67; (3º lugar): Rússia- 77  Argentina- 72.               CLASSIFICAÇÃO: 1º Lituânia, 2º Sérvia, 3º Rússia, 4º Argentina, 5º USA, 6º Austrália, 7º Polónia, 8º Croácia, 9º Brasil, 10º Letónia, 11º Canadá, 12º Egipto, 13º China, 14º Taipé, 15º Coreia, 16º Tunísia. MARCADORES: 1- J.Valanciunas (LTU) 23 pontos por jogo, 2- B.Barac (CRO) 18.7 pontos, 3- A.Ahmed (Egy) 18.5 pontos, 4- D.Saric (CRO) 18.1 pontos, 5- M.Michalak (POL) 17.4 pontos.

2013 - PRAGA (REPÚBLICA CHECA)

 FINAL: USA- 82  Sérvia- 68 (3º lugar): Lituâna- 106  Austrália- 100.              CLASSIFICAÇÃO: 1º USA, 2º Sérvia, 3º Lituânia, 4º Austrália, 5º Espanha, 6º Canadá, 7º China, 8º Croácia, 9º Rússia, 10º Brasil, 11º Irão, 12º Argentina, 13º Coreia, 14º República Checa, 15º Costa Marfim, 16º Senegal. MARCADORES: 1- T. Mcintyre (CAN) 20.9 pontos por jogo, 2- D.Saric (CRO) 20.3 pontos, 3- T.Lyles (CAN) 20.3 pontos, 4- S.Kang (COR) 19.2 pontos, 5- S.Gao (CHN) 18.8 pontos.

2015 - HERAKLION (GRÉCIA)

FINAL: USA- 79  Croácia- 71; (3º lugar): Turquia- 80 Grécia- 71.                CLASSIFICAÇÃO: 1º USA, 2º Croácia, 3º Turquia, 4º Grécia, 5º Canadá, 6º Itália, 7º Austrália, 8º Espanha, 9º Sérvia, 10º Argentina, 11º Egipto, 12º Coreia, 13º República Dominicana, 14º Irão, 15º China, 16º Tunísia. MARCADORES: 1- A.Feliz (DOM) 18.9 pontos por jogo, 2- D.Brooks (CAN) 18.8 pontos, 3- D.Flaccadori (ITA) 17.6 pontos, I.Zubac (CRO) 17.6 pontos, 5- K.Song (COR) 16.5 pontos.

2017 - CAIRO (EGIPTO)

FINAL: Canadá- 79  Itália- 60; (3º lugar): USA - 96 Espanha - 72.                  CLASSIFICAÇÃO: 1º Canadá, 2º Itália, 3º USA, 4º Espanha, 5º Alemanha, 6º Lituânia, 7º França, 8º Argentina, 9º Porto Rico, 10º Japão, 11º Nova Zelândia, 12º Egipto, 13º Angola, 14º Coreia, 15º Irão, 16º Mali. MARCADORES: 1- R.Barrett (CAN) 21.6 pontos por jogo, 2- R.Hachimura (JPN) 20.6 pontos, 3- S.Sousa (ANG) 17.3 pontos, 4- T.Sedekerskis (LTU) 15.4 pontos, 5- A.Kigab (CAN) 14.7 pontos.

2019 - HERAKLION (GRÉCIA)

O campeonato deste ano (2019) organizado em Heraklion, primeira cidade a bisar na organização deste evento internacional, decorreu como habitualmente com a participação de 16 selecções em representação de todos os continentes.

África: Mali e Senegal

Américas: Argentina, Canadá, Porto Rico e USA

Ásia/Oceania: Austrália, China, Nova Zelândia e Filipinas

Europa: França, Letónia, Lituânia, Rússia e Sérvia. 

No sorteio das equipas pelos habituais quatro grupos foram definidas algumas restrições para se evitarem concentrações das formações da mesma região continental:

a) Distribuição das equipas de cada continente por diferentes grupos;

b) Nenhum grupo poderá ter mais de duas equipas europeias;

c) Canadá e Argentina não podem ficar no grupo dos USA;

d) China e Nova Zelândia não podem ficar no grupo da Austrália;

e) Porto Rico não pode ficar no  grupo da Argentina, Canadá ou USA;

f) Filipinas não pode ficar no grupo da Austrália, China ou Nova Zelândia.

Fase de Grupos

Grupo A: Lituânia, Nova Zelândia, Senegal e USA;

Grupo B: Austrália, Canadá, Letónia e Mali;

Grupo C: Argentina, Grécia, Filipinas e Rússia;

Grupo D: China, França, Porto Rico e Sérvia.

Resultados e classificações:

Apuramento (9º ao 16º lugar)

15º/16º lugar: Senegal-90 China- 73; 13º/14º Nova Zelândia-76  Filipinas-70

11º/12º lugar: Argentina-74  Letónia-68;   9º/10º: Austrália-71  Grécia- 52

Quartos de final:

 Mali – 84  Porto Rico -74;    Lituânia – 92  Sérvia – 85;

USA – 95  Rússia – 80;           França – 85  Canadá – 80

Apuramento (5º ao 8º lugar)

7º/8º lugar: Sérvia-110  Canadá-92;    5º/6º: Rússia-77  Porto Rico - 74

Meias finais:  Mali – 76  França – 73;     USA – 102  Lituânia – 67

Apuramento do 3º classificado:   França – 73    Lituânia – 68

FINAL:   USA – 93  Mali – 79

Most Valuable Player (MVP)

Reggie Perry (USA) foi eleito como o jogador mais valioso (MVP) do “FIBA U19 Basketball World Cup 2019”,  com uma média de 13.1 pontos por jogo, 7.9 ressaltos, 1.9 assistencias, 1.4 roubos de bola e 1.0  intercepções de lançamentos. 

Cinco Ideal (All Star Five)

Reggie Perry (USA), Tyrese Haliburton (USA), Oumar Ballo (Mali), Siriman Kanoute (Mali) e Joel Ayayi (França).

Tyrese Haliburton foi o melhor passador da prova com uma média 6.9 assistencias por jogo.

Rankings Continentais

A concluir vejamos os actuais rankings (elaborados pela FIBA) dos 10 países mais pontuados, em cada continente, relativamente às selecções jovens masculinas que são, à primeira vista, aquelas que melhor trabalham com os praticantes jovens face aos resultados apresentados nas competições continentais e mundiais.

África:

1º Egipto (107 pontos), 2º Mali (63), 3º Angola (48.8), 4º Tunísia (41,4), 5º Senegal (21), 6º Costa do Marfim (19), 7º Argélia (18.8), 8º Moçambique (12.4), 9º Rwanda (10) e 10º Madagascar (8.6)

Américas:

1º USA (664 pontos), 2º Canadá (373), 3º Argentina (237.2), 4º Porto Rico (158), 5º Brasil (107.8), 6º República Dominicana (90.4), 7º México (58.4), 8º Chile (43.2), 9º Uruguai (19.2) e 10º Venezuela (19.2).

Ásia:

1º China (153.2 pontos), 2º Coreia (109.7), 3º Japão (65), 4º Irão (64.4), 5º Filipinas (51.4), 6º Taipé (39.1), 7º Líbano (15.3), 8º Bahrain (12.3), 9º India (11.7) e 10º Malásia (9).

Europa:

1º Lituânia (373 pontos), 2º Sérvia (369), 3º França (343), 4º Espanha (322), 5º Turquia (322), 6º Croácia (252), 7º Itália (189), 8º Letónia (156), 9º Grécia (146) e 10º Bósnia Herzegovina(125).

Oceania:

1º Austrália (204 pontos), 2º Nova Zelândia (59), 3º Nova Caledónia (6), 4º Tahiti (5.7), 5º Guam (4.4), 6º Samoa (2.7), 7º Fiji (2.5), 8º Samoa Americana (1.1), 9º Papua Nova Guiné (1) e 10º Ilhas Salomão (0.9).

Conclusão e Avaliação Final:

Ao somarmos os pontos conquistados pelas 10 melhores selecções de jovens de cada continente nas competições continentais e mundiais organizadas pela FIBA, obtivemos números que nos dão uma ideia aproximada do desequilíbrio existente entre as diferentes regiões continentais em matéria de desenvolvimento do basquetebol nestes escalões etários.

Europa (2.597 pontos)

De acordo com o ranking elaborado pela federação internacional (FIBA), os países que mais investem na formação dos praticantes jovens são os europeus, com realce para os países mediterrânicos (Espanha, França, Itália, Grécia e Turquia), dos balcãs (Sérvia, Croácia e Bósnia-Herzegovina) e do báltico (Lituânia e Letónia).

Américas (1.770 pontos)

O  contributo dos países norte americanos (USA e Canadá) 1037 pontos, sul americanos (Argentina e Brasil) 345 pontos, e da zona central (Porto Rico e República Dominicana) 248 pontos, colocam as Américas como o segundo continente que mais investimento tem feito nas selecções jovens no contexto internacional.

África (600 pontos)

Quando o continente africano fica colocado na  terceira posição, nesta avaliação que fazemos entre as diferentes regiões continentais, ao nível das selecções jovens masculinas de basquetebol, é uma surpresa  estarem mais bem cotados do que o continente asiático. Embora o progresso registado não seja extensivo a todos os países não podemos deixar de referir o trabalho desenvolvido pelo Egipto, Mali, Angola e Tunísia e o esforço que Senegal, Costa do Marfim, Argélia e Moçambique estão a efectuar para acompanhar os mais credenciados.

Ásia (531 pontos)

O desenvolvimento económico e desportivo que, de alguns anos a esta parte, se vem verificando no continente asiático deveria corresponder a um maior investimento na formação desportiva, mormente no basquetebol. Isso não se verificou pois apenas a China e a Coreia alcançaram bons resultados. Seguidos à distancia pelo Japão, Irão, Filipinas e Taipé, não conseguiram em termos globais argumentos suficientes para colocar o continente numa posição de destaque já que o contributo dos restantes países foi muito fraco.

Oceania (287 pontos)

Somente a Austrália e a Nova Zelândia conseguiram resultados que lhes proporcionaram a obtenção da pontuação necessária para figurar em boa posição no ranking internacional. Todos os outros países do continente são ilhas do Pacífico com enormes dificuldades económicas e sem tradições na modalidade. Assim, a FIBA em vez de investir no desenvolvimento do basquetebol na Oceania resolveu criar o grupo Ásia/Oceania no mundial de juniores com a participação da China e Filipinas pela Ásia e da Austrália e Nova Zelândia pela Oceania.

Eduardo Monteiro é ex-treinador do SL Benfica e das Seleções Nacionais