Perceber como os outros guarda-redes se comportam é uma forma de evitar erros

O MUNDO DOS GUARDA-REDES 22-03-19 12:0
Por Roberto Rivelino

Enquanto guarda-redes – como na vida -, não se pode pensar que já se sabe tudo e que o talento está adquirido. A partir daí, este deve procurar aprender e somar conhecimento para se tornar cada vez melhor e aperfeiçoar o seu rendimento olhando para os exemplos positivos e negativos.

A capacidade de registar este tipo de humildade e sede pelo conhecimento leva a que o guarda-redes seja melhor que ontem e pior hoje do que amanhã. Só assim será possível chegar ao topo e ter capacidade para responder aos mais complexos desafios da arte de defender a baliza.

Como tal, a análise deve fazer parte do interesse diário do guarda-redes – milite ele na Liga, Campeonato de Portugal, distritais ou amadores -, e com isso procurar perceber, por exemplo, como X guardião conseguiu concluir uma ação com sucesso em resposta a determinado contexto e como noutra ocasião, perante a mesma situação, não conseguiu beneficiar da mesma eficácia – o desafio pode partir também do treinado específico, no diálogo, para que o guarda-redes trabalhe a sua parte cognitiva.

Conseguir perceber como os outros guarda-redes se comportam seja no nível de topo (Marc-André Ter Stegen, Alisson Becker, Ederson Moraes, Jan Oblak, Bernd Leno…), ou a nível local é uma forma de evitar erros – para o jogador de futebol é mais fácil acatar uma falha de outrem (seja ela um erro com golo sofrido ou não, podendo aqui o próprio treinador de guarda-redes mostrar ao seu pupilo o acontecimento) -, e também potenciar rendimento: defesas que resultam em pontos.

Está no código do Ser Guarda-redes não criticar outro guarda-redes, mas no momento do desaire o guardião que sofre abre as portas da experiência ao próximo guardião que enfrentará os mesmos desafios e já saberá como não intervir – o mesmo acontece no sucesso, sendo aqui por vezes ignorados erros sem golo sofrido (falo de um guarda-redes ser capaz de evitar um golo, ainda com uma abordagem errada ou inadequada).

DEFESA DA JORNADA

Léo Jardim – CD Nacional 0-1 Rio Ave FC – 90+1’ – Desvio lateral

Avaliação da defesa: 6 (seis)

Critério: A defesa da jornada é escolhida por um critério de pesagem entre execução técnica, interpretação tática e complexidade da tomada de decisão.

01 – Momento da cobrança do canto; Léo Jardim encontra-se sob a segunda metade da baliza, a meio da pequena área – batida aberta; No seguimento recuará até à linha de baliza

02 – Momento do cabeceamento de Rosic; Léo Jardim encontra-se em movimento, retrocedendo após o cruzamento sair do seu possível alcance (recuaria até à linha de baliza)

03 – Execução do desvio lateral – Léo Jardim recuou até à linha de baliza e protagoniza a defesa voando para a bola com o pé de chamada direito (sob a linha), e em contramovimento – retrocedeu sempre em posição-base média -, não parando antes do cabeceamento (movimento que lhe podia limitar as chances de defesa)

Siga Roberto Rivelino:

Facebook, Twitter e Instagram 

e O Mundo dos Guarda-Redes