Portugal financia campanha de reflorestação no leste do país

Guiné-Bissau 05-08-2019 20:41
Por Lusa

A embaixada de Portugal na Guiné-Bissau está a financiar um projeto «para ajudar as autoridades de Bafatá a plantar árvores em seis setores que compõem aquela região leste do país», disse, esta segunda-feira, o governador local, Dundu Sambú. 

«É um projeto bonito e que encaramos com entusiasmo», afirmou Dundu Sambú, referindo-se ao projeto ‘No Limpa Bafatá’ (‘Limpemos Bafatá’), financiado pelo Fundo de Pequenos Projetos da Embaixada de Portugal em Bissau.
 

De acordo com o governador, já foram plantadas mais de 300 plantas que se vão transformar em árvores para dar sombra e embelezamento às ruas da segunda capital da Guiné-Bissau, berço do pai da nacionalidade guineense, Amílcar Cabral.

Devido à ação da industria madeireira e de corte descontrolado da própria população, Bafatá, como acontece em grande parte do território guineense, depara-se com falta de árvores nas ruas e na floresta.

A iniciativa agora lançada pelo governo regional de Bafatá, com ajuda financeira da embaixada de Portugal, tem como objetivo «minimizar riscos de catástrofes naturais e acidentes que possam advir de ventos fortes e chuvas«, observou Dundu Sambú, que pede a colaboração de toda população da região.

Para já foram plantadas arvores numa das margens do rio Geba e num bairro de Bafatá, mas, no próximo fim de semana, a iniciativa será estendida para outros bairros e escolas públicas e na mesma altura será alargada para os seis setores da região (Bambadinca, Contuboel, Gammadu, Galomaro, Sonaco e Xitole), indicou o governador.
 

A nova ministra da Agricultura e Florestas, Nelvina Barreto, tem em marcha uma campanha de reflorestação do país que se estima perdeu anualmente nos últimos tempos entre 40 a 60 mil hectares de floresta «devido à desmatação, corte clandestino de árvores por madeireiros e queimadas».

O FUTURO COM O NOSSO PASSADO


Porque A BOLA não quer que o jornalismo deixe de ser o jornalismo de qualidade que se faz da grande história, da investigação e da grande reportagem – nós temos esse jornalismo (o jornalismo que fez com que se falasse de A BOLA como a Bíblia) para lhe continuar a dar.

Porque A BOLA não quer que o jornalismo deixe de ser o jornalismo do texto criativo e sedutor e da opinião acutilante que não se faz de cócoras ou de mão estendida – nós temos esse jornalismo para lhe continuar a dar…

… e para nos ajudar a manter e a melhorar esse jornalismo sério e independente com o timbre de A BOLA,

Junte-se a nós nesse novo desafio ao futuro, tornando-se nosso assinante.

ASSINE AQUI

A Edição Digital de A Bola

Ler Mais

Últimas Notícias