QUINTA-FEIRA, 27-07-2017, ANO 18, N.º 6389
Ana Carolina Ferreira Sequeira
Ética no Desporto
«Pistas diferentes, a mesma meta», 3.º classificado do Concurso Literário
15:58 - 14-07-2017
Redação
O texto «Pistas diferentes, a mesma meta», de Ana Carolina Ferreira Sequeira (Escola Secundária da Maia), é o 3.º classificado da 5.ª edição do Concurso Literário ‘Ética na Vida e no Desporto’, promovido pelo Instituto Português do Desporto e Juventude, com o apoio do jornal A Bola.

«PISTAS DIFERENTES, A MESMA META

O desporto é inerente à nossa condição de seres gregários e sociais. Seres que permanentemente procuram superar-se, na perpétua busca da perfeição. Somos competitivos por natureza, e desde os tempos remotos que encontrámos a melhor maneira de alimentar esta nossa pulsão, de forma saudável e apaixonada, através do desporto. Este é a força impulsionadora da mudança, da luta contra a rotina, que nos une mais do que nos divide. Sendo esta união, muitas vezes inesperada, mas sempre única. Uma equipa, de qualquer modalidade, é formada por um aglomerado de pessoas que noutras circunstâncias provavelmente nunca se teriam cruzado, nem teriam a oportunidade de criar laços e de descobrir um segundo lar. Pessoas díspares, de locais distantes, com amigos diferentes, de realidades distintas, mas ligados pela mesma paixão – a dedicação ao desporto. Alimentando uma relação de apoio incondicional e de altruísmo pela partilha de muitas horas de suor, de sacrifício e superação. Desenvolvendo ligações que ultrapassam barreiras culturais e temporais, que derrubam preconceitos.

Assim, ao tornarmo-nos desportistas excelentes, tornamo-nos invariavelmente melhores pessoas. Porque se há amor e respeito à modalidade, por si só, pela sua beleza, qualquer atalho ou imoralidade torna-se um desrespeito, um descarado ataque à essência do jogo, que nos impede de preservar a arte. Assim, ao germinar dentro de nós uma crescente admiração pelo desporto, a necessidade de manter as suas regras advém conjuntamente, e este espírito é transposto para a maneira como lidamos com as situações com que nos deparamos na vida, fora do campo.

Mesmo os mais “ferranhos” adversários, dentro e fora da competição deviam-se considerar amigos. Pois, um amigo é alguém que luta connosco, que é capaz de apontar os nossos erros, que nos faz ser melhores – e não é essa a perfeita descrição dum bom oponente?

Quer seja fora ou dentro das linhas, um adversário é uma pessoa como nós que, partilha a mesma devoção ao desporto, percebe o que significa sofrer, mas não ceder à dor, ser resistente e superar o sofrimento para poder alcançar os seus objetivos. Graças à partilha desta paixão cria-se nos desportistas uma empatia suportada pela consciência que, todos correm em pistas diferentes, mas na mesma direção – somos todos apenas humanos. E é esta aceitação da nossa humanidade que sustenta a base da essência desportiva. O que nos mostra o quanto a paixão, a ética e o desporto são cruciais para a vivência, do que se pode considerar, uma vida “com sentido”, uma vida que vale a pena e não, apenas uma mera existência.

Na vida, há sempre oportunidades tentadoras de usar um atalho e saltar por cima duma barreira ética ou moral, que nos coloca em vantagem. Contudo, nenhuma meta justifica o “arriscado salto”. A nossa consciência deve sobrepor-se ao nosso ego e a estes dilemas, porque alcançar algo com uma fraca base moral é como construir um castelo em areia, um dia, as fundações vão ceder e ruir.

Assim, se a vida é uma corrida, todos temos obstáculos a ultrapassar e com maior ou menor velocidade, incontestavelmente, todos alcançamos a mesma meta, mesmo percorrendo pistas diferentes... Portanto, devemos manter aceso na nossa memória que não se trata de ganhar a todo o custo, mas de desfrutar o jogo, pois só o jogamos uma vez!»

comentários

0
Imprimir Enviar e-mail Facebook Twitter
Faça um comentário (máx: 300)

mais de ÉTICA NO DESPORTO

Ética no Desporto O Albergue Espanhol, livro recém-editado pela Rosa de Porcelana Editora (Lisboa, 2017), de Jorge Carlos Fonseca, atual Presidente da República de Cabo Verde, é a muitos títulos um livro surpreendente, tanto pelo ineditismo da forma (ora, parec
Ética no Desporto No magistério crítico que o Padre Manuel Antunes, durante longos anos exerceu na vida intelectual portuguesa, as suas aulas de História da Cultura Clássica, na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, foram talvez as que mais fama lhe granjear

destaques