QUINTA-FEIRA, 30-03-2017, ANO 18, N.º 6270
Luís
Portugueses emigrantes
Coração levou Luís Castro para Debrecen
22:53 - 09-11-2016
Luís Castro, de 36 anos, natural de Moreira de Cónegos, mudou-se de armas e bagagens para Debrecen, na Hungria, onde atualmente é coordenador técnico da academia do clube. A A BOLA contou como foi parar à cidade magiar, uma história de paixões.

«Como vim cá parar? Foi algo que faz com que, por vezes, faz-me acreditar no destino. Tinha viagem marcada para Debrecen, de onde a minha esposa é natural, e abriu o curso UEFA PRO em Portugal no verão de 2015, pensei em não viajar porque queria concluir os cursos e era uma oportunidade. Tive uma conversa familiar, decidi viajar com a família, porque já não vinha cá fazia alguns anos, poucos dias após chegar o meu sogro quis mostrar-me a academia onde conheci o diretor atual da formação, Sr. András Herczeg, que é também o melhor treinador de sempre do clube participando na Liga Europa e Liga dos Campeões. Conversámos de futebol como é evidente e encontrámo-nos mais duas vezes durante as férias, mas tudo normal, entre dois apaixonados pelo treino sem nunca imaginar que viria a trabalhar com ele um dia», começou por contar.

«Alguns meses após o regresso a Portugal recebi um convite do Sr. András Herczeg para dar uma palestra durante uma semana num curso de treinadores aqui na cidade - durante sete semanas vinha uma pessoa diferente em cada semana e durante a minha semana mostrei como trabalhava em termos de treino, alguns vídeos da minha equipa de sub-19 do Vitória de Guimarães da época 2014/2015 e tive também a oportunidade de orientar alguns treinos com equipas do clube para demonstração, a recetividade foi boa os «feedbacks» também», acrescentou.

Foi o mote para surgiu o convite para assumir a coordenação da academia e desde 11 de julho que assentou praça em Debrecen: «Trouxe dois portugueses comigo que estavam no Vitória e, aos poucos, estamos a tentar modificar algumas coisas. Sabendo que nada que seja forte e sustentado se constrói de um dia para o outro. O primeiro passo foi alterar a metodologia de treino para um treino mais específico de acordo com um modelo de jogo, estamos também preocupados com a formação de um sistema de «scouting» onde já temos uma pessoa muito competente, Horváth Csenger, irmão do capitão da seleção de 2000 e jogador do Vitória.

Em sintonia com Leonel Pontes

Leonel Pontes, antigo adjunto de Paulo Bento no Sporting e na Seleção Nacional, é, atualmente, o treinador da equipa principal do Debrecen. Como é a vossa ligação?
- Temos trocado ideias sobre o que deve ser o futuro do clube e felizmente aí as coisas também coincidem, a experiência do Leonel é, num clube em que vivia muito da formação na altura em que ele estava lá, e a minha também num clube em que tirou e continua a tirar frutos da sua formação, neste momento, estamos a limpar o terreno para depois construir algo no futuro. Relativamente a um conterrâneo é sempre bom, pois a cultura é mesma, mas não tenho apenas um no clube somos seis: eu, o Gilberto Freitas, o Roberto Morais, o Leonel, o Pedro Ilharco e o José Pratas.

De Mourinho, a Guardiola, Paulo Fonseca e Rui Vitória
Luís Castro tem formação de professor do Ensino Básico, variante de Educação Física, no Instituto Politécnico de Bragança, e a nível de futebol tem o Curso UEFA PRO. O futebol sempre foi uma paixão e o gosto pelo treino ganhou-o na universidade.
«Como quase todos os jovens em Portugal a paixão pelo futebol é natural num País onde se respira futebol. Pelo treino especificamente foi na universidade, nas aulas de futebol em que começou a crescer o bichinho de que poderia ser ali o caminho para uma paixão de sempre, ainda na universidade já treinava no Vizela os jogadores das escolinhas. O bichinho foi crescendo, a entrega foi total e, felizmente, fui tendo algumas oportunidades de subir e com passos sustentados até chegar onde estou agora», realçou.

No que a referências diz respeito, o nome de José Mourinho, claro, vem à baila: «As referências são algumas e vão alterando, umas vezes porque as referências mudam as suas formas de jogar, outras porque aparecem novas. Nesse aspeto tudo começou com uma referência que é natural para todos os que começaram a treinar como eu, no início dos anos 2000, José Mourinho, equipas com futebol atrativo e um treinador diferente, jovem, mentalidade vencedora, professor de Educação Física e com uma metodologia de treino diferente para a altura. Como em tudo na vida as coisas vão mudando, todos os anos sou capaz de me apaixonar por equipas diferentes e verificar o que se passa tentando estudá-las no pouco tempo que tenho livre. Neste momento, as equipas de Guardiola são equipas muito interessantes para mim. Tenho gostado do Dortmund e tenho gostado muito do pouco que pude ver do Sevilha, Sampaoli tem feito algo fantástico, estou ansioso por o ver treinar um clube com jogadores de nível superior. No panorama nacional Paulo Fonseca mostrou uma proposta de jogo muito interessante nos últimos anos, não tive tempo de o ver no Shakhtar, mas vou ter que arranjar. Trabalhei de perto com Rui Vitória, em Guimarães, onde fez um excelente trabalho e penso que, principalmente, na gestão do grupo e na parte mental é muito forte.»

A diferença está na mentalidade
Questionado sobre as diferenças entre o futebol húngaro e português, Luís Castro é rápido na resposta.
- É a mentalidade. Já trabalhei na Arábia Saudita, o que faz com que não estranhe tanto estar fora e estas diferenças. Os portugueses são mesmo muito bons, e quando digo isto refiro-me a treinadores, jogadores e outros intervenientes como diretores, departamento médico, etc. Com uma população de 10 milhões, e infelizmente envelhecida, quem trabalha fora do País consegue perceber porque somos um dos melhores países do Mundo em futebol.

Em Portugal treinou as escolinhas e infantis do Vizela, depois os sub-19 do Moreirense, onde também coordenou a formação do clube, e levou a equipa pela primeira vez aos nacionais, voltou ao Vizela, onde treinou iniciados, juvenis e juniores quando apareceu a oportunidade de trabalhar fora de Portugal, a convite de Luiz Filipe, para integrar um projeto na Arábia Saudita, no Al Nasser.

«Aí evolui muito, com pessoas que, felizmente, também foram subindo e fazendo o seu caminho. Um ano com pessoas com Luiz Filipe, que neste momento é coordenador de um clube de primeira divisão na China, Tozé Mendes, que coordena outra academia de primeira na China, e Luís Esteves, treinador de guarda-redes da primeira equipa do Benfica. Depois voltei a Portugal para trabalhar num dos grandes do futebol português, o Vitória de Guimarães, onde treinei sub-15, sub-19 e em simultâneo era coordenador da formação nos últimos três anos e meio antes de entrar nesta nova aventura», contou.

Nos tempos livres dedica-se ao… futebol
Em Debrecen Luís Castro acorda cedo (7 da manhã), uns dias leva a filha ao infantário, outros segue diretamente para o clube, de onde sai por volta das 19. Aos sábados há jogos de manhã até ao fim da tarde e os domingos são reservados à família, mas sempre com um olho nos jogos
- Nos tempos livres gosto de ver futebol (risos) jogos de equipas de top europeu ou alguns do campeonato português. Tenho acompanhado mais o V- Guimarães, que está a fazer uma excelente época. Depois gosto de ver um bom filme com a esposa, ou passar num parque infantil com a minha filha. Já fomos ao jardim zoológico, entre outros programas familiares. Também gosto de ler mas, infelizmente, nos últimos tempos não tem acontecido muito. Coordenar um clube retira muito de nós, mas conseguimos perceber mais sobre o que é o futebol do que quando apenas treinamos.

E do sente mais falta de Portugal?
«De algumas pessoas. Felizmente recebo amanhã a visita da família mais próxima, irmãs cunhado e sobrinha, mas dos amigos e de algumas pessoas com quem trabalhava no Vitória. A comida como todos sabem não existe igual em lado nenhum à cozinha portuguesa, mas felizmente, a minha esposa cozinha muito bem e também gosta da comida portuguesa, o que faz com que, nesse aspeto, não esteja tão mal. Mas, principalmente, sinto falta de um bom marisco com qualidade.

A filha não quer esquecer o português
De certo que desde que vive em Debrecen já passou por algum episódio engraçado. Quer partilhá-lo com os leitores de A BOLA?
«Está a acontecer algo engraçado. Neste momento a minha filha, que não falava húngaro e agora já fala muito bem, num dia destes estávamos os dois a falar, ela em húngaro com a minha esposa, a perguntar algumas palavras em português que não conseguia lembrar-se, e durante a conversa, quando lhe perguntei se já não sabia português, respondeu-me: «Pai fala sempre comigo em português, eu não me quero esquecer das palavras todas.»

E quando sabem que é português quais são as questões mais frequentes?
«Sabendo que trabalhamos no futebol, as perguntas andam sempre à volta de Ronaldo, Mourinho, entre outras, como o último Europeu. Tenho sido convidado a ver os jogos do apuramento da seleção no bar do clube, onde vemos os jogos de Portugal e Hungria em simultâneo, visto que são do mesmo grupo. Perguntam pela Seleção portuguesa, tenho a opinião que vamos ter uma das melhores, se não a melhor, de sempre dentro de poucos anos. Tive a felicidade de jogar contra alguns deles, como André Silva ou Gelson, e outros com quem não joguei, mas vi jogar, como Cancelo, Bernardo, João Mário, Raphael Guerreiro entre outros. As conversas são sobre futebol, as qualidades de Portugal, entre culinária e paisagens.
Filipa Reis

comentários

0
Imprimir Enviar e-mail Facebook Twitter
Faça um comentário (máx: 300)

mais de PORTUGUESES EMIGRANTES

Azerbaijão Miguel Lourenço, defesa português de 24 anos, está pela primeira vez longe de Portugal. Por sinal bem longe, já que Baku, capital do Azerbaijão, dista mais de seis mil qu
Portugueses emigrantes Angel Gomes, filho de Gil Gomes, é visto em Inglaterra como um dos mais promissores jogadores da formação do Manchester United. Mas em Espanha diz-se que o Barcelona já d

destaques