SEXTA-FEIRA, 21-07-2017, ANO 18, N.º 6383
Manuel Sérgio
Ética no Desporto
A Sociedade do Cansaço (artigo de Manuel Sérgio, 166)
15:51 - 30-10-2016
Manuel Sérgio
Segundo o Lypovetski da Era do Vazio, na era pós-moderna “todos os gostos, todos os comportamentos podem coabitar, sem se excluir, tudo pode ser escolhido, conforme o gosto (…), sem referências estáveis, sem coordenadas”. De facto, são muitos, no tempo em que vivemos, os que pensam que não existem valores universais a semear luz, nos caminhos por que andamos e, no caos axiológico que daqui nasce, mais descobrimos caprichos e ressentimentos e diletantismo mesmo do que um sério compromisso com o que é radicalmente humano. O filósofo germano-coreano Byung-Chul Han, no seu livro A Sociedade do Cansaço (Relógio d’Água Editores, 2014), na linha de Hannah Arendt tem uma opinião curiosa da sociedade atual: “a sociedade moderna, transformada em sociedade do trabalho destrói qualquer possibilidade de ação, pois reduz o homem a animal laborans, a animal trabalhador. A ação gera ativamente novos processos, ao passo que o homem moderno está entregue, de forma passiva, a um processo anónimo de vida. Até o pensar se degrada e se transforma em mero cálculo mental, em função cerebral. Todas as formas da vita activa, incluindo a produção e a ação, se reduzem ao nível do trabalho” (p. 33). E o ser humano, vivendo para o trabalho, limitando-se ao trabalho, como valor supremo, e julgando qualquer discussão filosófica um mero vazio especulativo, uma generalidade abstrata, descamba numa total ausência de crenças e de convicções, “A vida humana nunca foi tão efémera como nos dias de hoje. Contudo, não é só esta que é radicalmente efémera, como também o mundo enquanto tal. Nada nos garante duração ou estabilidade” (p, 34). Na perspetiva filosófica de Eduardo Lourenço, divisa-se, no nosso tempo, uma “ausência ontológica de um absoluto transcendente, que oriente e dê sentido à vida humana” e “a dominância de um sentimento trágico ou de uma cisão ontológica, entre o Homem e a Realidade, originada por essa ausência essencial” e portanto a “incapacidade humana contemporânea de gnosiologicamente se atingir a essência ou o fundamento do Ser” (Miguel Real, Eduardo Lourenço e a Cultura Portuguesa, p. 254).

E continuemos com Byung-Chul Han: “O homem reage a esta vida nua e convertida em algo radicalmente efémero com a hiperatividade e a histeria do trabalho e da produção. A aceleração da nossa vida atual tem também muito que ver com esta ausência de Ser” (p. 35). E o filósofo volta de novo a Hannah Arendt: “O que fica por concluir no estudo de Arendt é que é precisamente a perda da capacidade contemplativa (que está em igual correspondência com a absolutização da vita activa) que leva em grande medida à histeria e ao nervosismo da sociedade moderna da ação” (p. 37). Para mim, o animal laborans (o animal trabalhador), que são as mulheres e os homens do nosso tempo, movimenta-se cansado, os olhos doentes de fastio, de uma vida sem sentido. Falta ao animal laborans a vita contemplativa. “A vita contemplativa pressupõe uma determinada pedagogia da visão (…). Aprender a ver significa acostumar o olho à serenidade, à paciência, ao paulatino aproximar das coisas, isto é, educar o olho para uma atenção profunda e contemplativa, para uma visão lenta e morosa. Este aprender a ver seria o primeiro estádio preparatório para a espiritualidade. É necessário aprender a não reagir de imediato a um impulso, a fazer uso dos instintos que travam ou inibem as reações. A falta de espiritualidade e a vulgaridade baseiam-se precisamente na incapacidade de oferecer resistência a um impulso” (p. 38). Mas não é este o modo peculiar de existir, de habitar o mundo e de relacionar-se com o Homem e a Natureza do homem hodierno? Não é este o modo peculiar de viver de um homem que reduziu o Ser aos entes e mais parece tão-só um objeto da política e, como tal, reificado, manipulado, produzido? Não é este o modo peculiar de uma cultura que proclama o “fim da metafísica” e portanto o surgimento da dimensão crepuscular do pensamento? No entanto, por mais que o esqueçamos, por muitos que sejam os viajantes refastelados em sibarítica indiferença - a consciência integral da experiência supõe vita contemplativa, quero eu dizer: tempo para a contemplação e a meditação.

De facto, o pensamento atual tem uma dimensão crepuscular? Poderemos lembrar, a propósito, o que Hegel nos disse, em célebre passagem do Prefácio aos Princípios da Filosofia do Direito: “é apenas no início do crepúsculo que a ave de Minerva (a Filosofia) levanta voo”. Chegou , portanto o tempo de criar, no Desporto, um pensamento novo, onde a fisiologia, sendo muito, não seja tudo. Porque a objetividade que dizem assim alcançar-se transforma-se em objetivismo e este continua a fazer das “razões do coração” pura metafísica, simples poesia, para recitar na mansuetude de noites românticas. Assim, não são ciência, nem a tristeza, nem a ternura, nem o amor, nem uma alegria flamejante, que não se esconde. E, no entanto, existem! E, se existem, porque não podem ser ciência? Na obra (que muito admiro, aliás) Conhecimento e Interesse, Habermas distingue três blocos fundamentais de ciências: as Ciências da Natureza (empírico-analíticas, positivas, de pendor físico-matemático), as Ciências Humanas (histórico-hermenêuticas) e as Ciências Críticas (com interesse emancipativo, visando a transformação da sociedade e um grau mais complexo de humanização). Só que há muita gente que só reconhece estatuto científico às Ciências da Natureza. E lá fica sem caráter científico uma norma moral, a sentença de um juiz, o conselho de um psiquiatra ou até de um pedagogo! No Desporto, conheci fisiologistas, adeptos de um cego “fisiologismo” que, no estudo do ser humano, proclamavam uma guerra aberta natureza-cultura. Ora, este reducionismo significa, hoje, distração ou ignorância. “Eu sou meu corpo”, quero eu dizer: tudo o que é humano está no corpo. Citando de cor Teilhard de Chardin, acrescento: “A matéria destila espírito”. Assim, quando pratico uma qualquer atividade corporal não é só o biológico que eu trabalho, mas o homem todo!
A Educação Corporal (vulgo Educação Física) é portanto a educação da complexidade que o ser humano é. A força, a velocidade, a resistência, a impulsão, etc., etc. não podem substituir a “força” das qualidades espirituais e mentais – como estas não podem substituir aquelas! A Educação Corporal só tem sentido quando, centrando-se na técnica, ou na tática, de um desporto, visa a educação integral da pessoa. No treino desportivo, deverá acontecer outro tanto, porque há espírito no treino de dominância física, como há físico no treino de dominância espiritual e mental. “O desporto escolar tem de estar presente nas transformações por que a Escola deverá passar”. Assim mo disse o atual Secretário de Estado do Desporto e da Juventude, Dr, João Paulo Rebelo. Sábias palavras que, imediatamente, aplaudi. Porquê? Porque há demasiado ensino, na Escola, que não prepara para a vida, mas tão-só para os exames. E há mais vida, para além dos exames! A Escola deverá dar a primazia à formação sobre a informação, ao desenvolvimento da personalidade sobre a simples transmissão de conhecimentos, ao ser sobre o ter. E, para tanto, o jogo e o desporto podem desempenhar papel primacial, pois que nos ensinam a converter as dificuldades em possibilidades. Porque o desporto é um dos aspetos do “movimento intencional da transcendência”, ou da motricidade humana, nenhuma disciplina escolar pode ombrear com o desporto no exercício da vontade, da capacidade de sacrifício, de um agonismo que é simultaneamente competição com os outros e connosco mesmos. E também de um ludismo, de uma confiança, de uma solidariedade, onde a alegria de viver sobrenadam. No meu modesto entender o homo faber precisa do homo ludens para humanizar-se. Na Sociedade do Cansaço, o Desporto, quando o Homem assim o quiser, parece-me a atividade de pendor mais antropológico e civilizador, que eu conheço. E assim por que não converter o desporto, no saber primeiro da educação? Porque são de mais valia os conteúdos de ordem cognitiva do Desporto, no cotejo com as outras disciplinas?... Por esta razão, sobre as mais: porque é mais uma sabedoria do que um saber, porque é pretexto para se pensar a vida humana, para agir em direção a uma vida mais humana.

Manuel Sérgio é professor catedrático da Faculdade de Motricidade Humana e Provedor para a Ética no Desporto

comentários

1
Imprimir Enviar e-mail Facebook Twitter
Faça um comentário (máx: 300)
kgb3
30-10-2016 16:24
Ohhh Sr professor !!!! Ja tinha saudades suas e do seu saber escrever sobre assuntos que ninguém sabe mais que o Sr Professor! Onde anda o seu amigo e catedratico Jorge Jesus ! Aquele que tem a universidade da vida , nao é Sr professor ? MAnde lhe cumprimentos meus !

mais de ÉTICA NO DESPORTO

Ética no Desporto No magistério crítico que o Padre Manuel Antunes, durante longos anos exerceu na vida intelectual portuguesa, as suas aulas de História da Cultura Clássica, na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, foram talvez as que mais fama lhe granjear
Ética no Desporto O texto «Pistas diferentes, a mesma meta», de Ana Carolina Ferreira Sequeira (Escola Secundária da Maia), é o 3.º classificado da 5.ª edição do Concurso Literário ‘Ética na Vida e no Desporto’, promovido pelo Instituto Português do Desporto e Juventu

destaques