SEXTA-FEIRA, 26-05-2017, ANO 18, N.º 6327
Portugueses emigrantes
João Coimbra: da Roménia à Índia com lembranças de derbies, cemitérios e vacas sagradas
12:55 - 16-10-2016
De volta ao futebol português, tendo assinado contrato com o UD Leiria, João Coimbra, 30 anos, fala das experiências que viveu na Roménia (Rapid Bucareste) e Índia (Kerala Blasters).

- Fizeste o teu percurso maioritariamente em Portugal, mas depois de um período de lesões no Estoril, surgiu a oportunidade do Rapid de Bucareste. Uma experiência com sabor agridoce, não foi?

- Em termos competitivos foi mau. Aliás, acho que o clube vai entrar em falência e deixei lá três meses de ordenado. A nível pessoal, foi uma boa experiência. A minha mulher e a Lara foram comigo e adorámos a cidade. É muito parecida com Lisboa. Também gostei de jogar no futebol romeno, até porque o ambiente no estádio era fantástico. Vivi lá coisas que nunca tinha vivido aqui...

- Lembras-te de alguma história curiosa na Roménia?

- Eles têm algumas situações curiosas. Antes dos jogos, as equipas fazem um passeio no shopping. Então, é normal em vésperas de um derby encontrarmo-nos com a outra equipa. Só imaginava um Benfica-Sporting no centro comercial Colombo [risos]. O engraçado é que as pessoas também estão habituados e não abordam os jogadores. Lembro-me também de um episódio meio macabro: o estádio do Rapid é ao lado de um cemitério e, numa das vezes que estávamos a sair para um desses passeios, havia um funeral. O estranho é que o morto ia numa carrinha normal de caixa aberta e o caixão estava aberto e inclinado para toda a gente ver a pessoa. Aquilo ficou gravado na minha memória algum tempo.

- Depois surgiu o convite do Kerala Blasters, da Super Liga indiana, uma competição que dura quatro meses e que recebe jogadores de todo o Mundo...

- Sim, é um campeonato muitíssimo bem organizado, talvez ao nível de um Europeu. A maioria das pessoas não sabe, mas só em dois jogos é que não tivemos mais de 60 mil pessoas nas bancadas. O estádio enche duas horas antes e toda a gente canta e toca tambor. É um ambiente de festa. Lembro-me que o Roberto Carlos era treinador-jogador de uma equipa e que quando veio jogar contra nós, todo o nosso estádio tinha cartazes com a cara dele. Se ele fizesse um golo, o estádio ia abaixo.

- Olhando para trás, qual é a primeira lembrança de Cochim, a cidade onde ficaste instalado?

- A miséria... As equipas ficam sempre em bons hotéis, é uma espécie de estágio prolongado, o que é ótimo, porque a verdade é que lá não dá vontade de sair. O choque é enorme. Tenho um vídeo no meu telemóvel em que só se vê favelas e um grupo de crianças a jogar à bola num descampado com porcos, vacas e macacos pelo meio. Lembro-me de ver um miúdo chegar-se a um canto, fazer as necessidades e subir as calças logo a seguir. Impressiona, apesar das crianças parecerem felizes. Depois, há a ligação às vacas que são sagradas e estão por todo lado. O trânsito também é caótico, porque os indianos têm a mania de apitar mesmo sem motivo. Em duas faixas, chegam a andar quatro carros lado a lado e motas com famílias inteiras. O que choca mais é mesmo a pobreza. Há muitas mulheres com bebés ao colo a pedir esmola. Mas, no meio de tudo isto, reparei que ainda existem algumas referências a Portugal, nas poucas vezes em que saí do hotel.

- Comeste coisas esquisitas?

- Que eu saiba, não. Evitava comer comida indiana, aproveitava as massas e as carnes do hotel, mas cheguei a comer coisas deles, sem saber o que eram... Eles comem tudo com as mãos, até arroz. Não é muito higiénico, mas faz parte da cultura indiana. Um dia, fui a um restaurante experimentar a comida indiana, mas exageram sempre no picante e nos molhos.
Tânia Ferreira Vítor

comentários

2
Imprimir Enviar e-mail Facebook Twitter
Faça um comentário (máx: 300)
Tony+Red
20-10-2016 21:03
pereiradasilva, tomaram todos ser como João Coimbra. Quando acabar o futebol pode exercer medicina e muitos nada têm. Um exemplo? Fabio Paim, aquele que os sportinguistas tinham como o melhor do planeta.
pereiradasilva
16-10-2016 15:40
Mais uma grande esperança do BENFICA, que passou ao lado de uma grande carreira, como diziam os benfiquistas.

mais de PORTUGUESES EMIGRANTES

Azerbaijão Miguel Lourenço, defesa português de 24 anos, está pela primeira vez longe de Portugal. Por sinal bem longe, já que Baku, capital do Azerbaijão, dista mais de seis mil quilómetros de Portugal. Produto das escolas do V. Setúbal, Miguel Lourenço de
Portugueses emigrantes Luís Castro, de 36 anos, natural de Moreira de Cónegos, mudou-se de armas e bagagens para Debrecen, na Hungria, onde atualmente é coordenador técnico da academia do clube. A A BOLA contou como foi parar à cidade magiar, uma história de paixões. «

destaques