DOMINGO, 26-03-2017, ANO 18, N.º 6266
/
Portugueses emigrantes
Rui Janota concretizou sonho antigo em Angola
17:10 - 05-07-2016
Rui Janota começou a temporada no Real Massamá, do Campeonato de Portugal, longe ainda de imaginar aquilo que o destino tinha reservado para si. O telefone tocou e do outro lado um convite inesperado, mas que lhe permitia cumprir um dos maiores sonhos: ser jogador profissional. Colocou os prós e os contras na balança e decidiu aceitar o desafio de rumar a Angola para representar o 1.º de Maio de Benguela.

Nos primeiros meses apanhou paludismo e febre tifoide numa realidade «completamente diferente». A falta pontual de luz, de água, as estradas terríveis, o calor infernal e a pobreza nas ruas são apenas alguns dos problemas de um país que vive e muito o futebol. O que falta? A família. Mas a vontade de triunfar e de dar um bom futuro aos seus tem sido o foco do médio português de 26 anos.

«É uma realidade completamente diferente daquela a que estava habituado, mas tem sido bom. Ao início tive algumas dificuldades, pois estou num país diferente e acontecem aqui coisas que pensava que não existiam. Estava muito preocupado com a segurança. Vim completamente sozinho e quando cheguei ao aeroporto nem sabia para onde ir. E as saudades…Estou longe da família e isso custa-me… Mas sei que vou conseguir melhorar a minha vida», começa por contar Janota, em conversa com A BOLA.

«Dizem que vivo na melhor cidade. Benguela é a província mais limpa e segura. Mas não sou indiferente ao que se passa em certos bairros. Aqueles miúdos que andam no campo descalços, que não se alimentam e andam atrás de ti a pedir água… é chocante. Custava-me lidar com isso diariamente. Agora aproveito essas ocasiões para brincar com eles», sublinha.

12 horas de viagem entre Benguela e Luanda

Cerca de 500 quilómetros separam Benguela de Luanda. Uma distância considerável tendo em conta que o 1.º de Maio tem várias deslocações à capital angola. Esta temporada já foram cinco as jornadas em que o emblema de Janota teve de visitar Luanda e em quatro delas foram… de autocarro.

«É uma viagem difícil. Os autocarros não são os melhores, as estradas têm muitos buracos e… doze horas de viagem. A nível pessoal tem sido uma experiência incrível, pois ganho forças para conseguir aguentar tudo. Tenho aprendido muito nestes meses sozinho», assegura.

Pese as dificuldades, Rui Janota faz um balanço positivo dos primeiros meses em Angola:

«Receberam-me bem no clube, tanto o treinador como os meus colegas. O facto de a língua ser a mesma ajuda, no entanto se falarem rápido não percebo nada. Mas agora acho que já falo um pouco como eles. Ultimamente, quando falo com a minha família perguntam-me sempre porque é que estou a falar ‘daquela maneira’…», conta entre risos.

«O balanço acaba por ser positivo. As coisas estão a correr bem. Estou aqui para conseguir dar o salto para um clube melhor e a verdade é que alguns clubes já falaram comigo. Voltar para Portugal? Não sei… Gostava mas sei que em Portugal é muito complicado ser jogador profissional. Para quem quer construir família, como é o meu caso, acaba por ser muito complicado porque os ordenados não são nada por aí além», acrescenta Janota.

Treinos com cinco mil (!) adeptos

A paixão do povo angolano pelo futebol é genuína. E o exemplo que Rui Janota nos conta é sinal disso mesmo. Cinco mil adeptos a assistirem a um simples treino prova que o desporto-Rei move multidões num país onde a taxa de pobreza ainda é bastante significativa.

«Aqui os adeptos vivem muito mais o futebol. Não há outras atrações. Temos treinos com cerca de quatro a cinco mil pessoas. Incrível. E festejam os golos nos treinos como se estivessem a ver um jogo a sério…», resume.

«Quais as diferenças para o futebol português? Aqui [em Angola] existe qualidade técnica, mas em Portugal o jogo é mais estudado. A nível tático é muito mais evoluído em Portugal. Aqui é mais talento puro do que tático. E a nível físico, em Angola é mais exigente».

Rui Janota cumpriu um sonho num país absolutamente diferente daquilo a que estava habituado. Os amigos, a namorada, a família… todos eles estão em Portugal a torcer para que as coisas corram bem ao médio. O que fica? As saudades.

«Tenho muitas saudades dos meus amigos e da minha família. Morava numa zona calma e estava sempre em casa de amigos. Aqui não tenho ninguém. Treinamos de manhã e depois tenho o dia todo para fazer o que quiser. São muitos tempos mortos. Os meus colegas não gostam de praia, de piscina… Não há um centro comercial, nada… Ou vou para a piscina sozinho ou jogo Playstation. Mas isto se tiver luz…», termina.
Rodrigo Coimbra

comentários

0
Imprimir Enviar e-mail Facebook Twitter
Faça um comentário (máx: 300)

mais de PORTUGUESES EMIGRANTES

Azerbaijão Miguel Lourenço, defesa português de 24 anos, está pela primeira vez longe de Portugal. Por sinal bem longe, já que Baku, capital do Azerbaijão, dista mais de seis mil qu
Portugueses emigrantes Luís Castro, de 36 anos, natural de Moreira de Cónegos, mudou-se de armas e bagagens para Debrecen, na Hungria, onde atualmente é coordenador técnico da academia do clube

destaques