SEXTA-FEIRA, 21-07-2017, ANO 18, N.º 6383
Manuel Sérgio
Ética no Desporto
Celebrar Portugal, através do futebol (artigo de Manuel Sérgio, 145)
19:27 - 09-06-2016
Manuel Sérgio
Julgo que o meu (o nosso) patriotismo não conflitua com a admiração que pretendo manifestar, agora, por Muhammad Ali (1942-2016), um campeão que foi um Homem, digamos mesmo: um “livre-pensador” que mostrou repulsa por tudo o que enodoa ainda o nosso tempo: a violência, a guerra, o racismo, a exploração, qualquer assomo ditatorial, ou volúpia egoísta do Ter e do Poder.

Pelé, de lágrimas nos olhos, confessou, ao saber do falecimento do grande pugilista: “O universo do desporto sofre uma grande perda. Muhammad Ali era meu amigo, meu ídolo, meu herói”.

Como Pelé, também Muhammad Ali era meu ídolo e meu herói. Quando soube que seria recrutado para a guerra do Vietname, Muhammad Ali tomou uma atitude que me deixou, então, emocionado, ao lançar, como um dos seus socos, uma frase que ficou célebre: “Não tenho nada contra esses vietcongues”. Barack Obama, ao saber da morte, pela doença de Parkinson, do campeão mundial de pesados, em 1964, 1974 e 1978, afirmou à nação americana: “Muhammad Ali foi um homem que lutou pelo que era certo. Um homem que lutou por nós. Manteve-se na luta com Martin Luther King e Nelson Mandela: levantou-se quando era difícil, falou quando os outros se calaram. A luta fora do ringue custou-lhe o título e a imagem pública, deu-lhe inimigos à esquerda e à direita, quase o mandou para a cadeia. Mas Ali manteve a sua posição. E a sua vitória ajudou a que nos habituássemos à América onde nos reconhecemos hoje”.

Está aí à vista de toda a gente o naufrágio das ideias que os USA, com todo o seu poderio, designadamente o informacional, espalhavam pelo mundo. Está aí à vista de toda a gente a vitória das ideias que Muhammad Ali defendia, com uma lucidez e uma coragem inexcedíveis. Descobre-se muitas vezes (“et pour cause”...) uma visão pejorativa, ridícula, caricatural de homens (sejam desportistas, ou não) como Muhammad Ali. Mas, por fim, a História curva-se respeitosamente perante eles e... dá-lhes razão!

Sem aqueles valores sem os quais impossível se torna viver humanamente – sem esses valores, não há desporto! O patriotismo é um deles. Pelo amor à Pátria, o Eu aglutina-se a um Nós, com cimentos de simpatia filial, fraterna, paternal, maternal, etc., etc. A família nacional foi assim definida por Salazar: “Não se é português senão pelo sentimento e pela língua. São assim portugueses todos quantos, espalhados pelas cinco partes do globo, falam e sentem em português” (Comissão Executiva dos Centenários, 1940). Com 7 anos de idade (menino que se julgava eternamente menino) assisti, principalmente nas várias visitas que fiz, em Belém, à Exposição do Mundo Português, à celebração, pelo Estado Novo, do triplo centenário: a fundação, em 1140; o pico da expansão marítima em 1540; e a restauração da independência, em 1640. Mas, ainda pouco ou nada questionador do quotidiano, não percebi por que a palavra “patriotismo” se apagou dos discursos e das instituições “estadonovistas”, em proveito da palavra “nacionalismo”. É que o “patriotismo” surgia aos olhos de Salazar como a palavra mais utilizada pelos republicamos, nos conflitos com os monárquicos. E Salazar bebera boa parte da sua ideologia, no Integralismo, uma doutrina declaradamente conservadora e reacionária, que defendia, cegamente, a absurda subserviência medieval da fórmula dinástica. O nacionalismo era um dos estandartes do tradicionalismo. Ora, o nosso tradicionalismo, catolicamente ultraconservador, antidemocrático e antiliberal deixou-nos “orgulhosamente sós”... até no futebol! Valeu-nos o profissionalismo e a competência de Otto Glória e de Bela Guttman e o génio de alguns jogadores ultramarinos para, na década de 60, podermos apresentar um Benfica e uma seleção nacional, que não temiam cotejo com o melhor futebol que, então se praticava por esse mundo além.

A partir da década de 80, pela investigação científica levada a cabo nos ISEF`s de Lisboa e do Porto, onde se licenciaram os treinadores, entre outros, José Mourinho, Jesualdo Ferreira, Carlos Queirós, Nelo Vingada, José Peseiro, Rui Vitória, Jorge Simão, Daúto Faquirá e os metodólogos do treino David Monge da Silva e Vítor Frade; pela genialidade crítica do José Maria Pedroto e do Artur Jorge e do Mário Wilson; pela colaboração de alguns treinadores estrangeiros, como o Sven-Goran Eriksson e o Luiz Felipe Scolari; pelo trabalho rigoroso, meticuloso, apresentado pelos principais clubes portugueses, no âmbito da formação; pela adesão ao futebol-espetáculo da Imprensa escrita e radiodifundida e televisiva – a partir da década de 80, Portugal ultrapassou uma história baça e irrelevante (com exceção da década de 60, como vimos) e alcandorou-se a um futebol que merece a admiração dos estudiosos mais informados. Demais, são nossos também dois profissionais inigualáveis: o treinador José Mourinho e o jogador Cristiano Ronaldo. Não surpreende, por isso, a convicção do engenheiro Fernando Santos que julga capaz a atual seleção nacional, ou de ganhar o Euro-2016, ou de chegar ao último jogo da competição. Ele não aceita um futebol português sem conteúdo e sem substância. E julgo que tem razão. Depois do que Portugal já conseguiu, com a “Geração de Ouro” e a “Geração-Scolari”, com o trabalho, exemplar e continuado, ao nível da formação, do Sporting, do Benfica e do Porto - a vitória no Euro-2016 seria o corolário ideal ao que o futebol português tem feito, nomeadamente no século XXI. “É à geração que surge entre 2002 e 2008, potenciada por Scolari, que se deve, de facto, o melhor período da equipa das quinas de todos os tempos. É uma geração sem nome, ao contrário da Geração de Ouro mas que, em termos de resultados, é a melhor geração de sempre do futebol nacional. É composta por valiosos jogadores, como Ricardo, Paulo Ferreira, Miguel, Bosingwa, Ricardo Carvalho, Jorge Andrade, Costinha, Petit. Deco, Tiago, Nuno Valente, Simão, Ronaldo, Pauleta, Nuno Gomes e do seu líder incontestável, o único sobrevivente da Geração de Ouro: Luís Figo, que se retirou em 2006” (Ricardo Serrado, História do Futebol Português – II, Prime Books, p. 468).

Durante 500 anos, o projeto nacional do nosso País foi o império. Com o 25 de Abril de 1974, o grande objetivo do povo português parece ser a construção da democracia e a integração europeia, visando paz, saúde, educação, bem-estar... para todos e não só para alguns (isto é o que se diz, porque os grandes ordenados, os grandes vencimentos, os grandes salários são mesmo só para alguns). Que a seleção nacional de futebol, no seu comportamento durante o Europeu, se transforme, pelo seu fulgor, pela sua arte, numa experiência vivida dos grandes ideais que, hoje, nos animam, nos motivam. E que, pelos seus êxitos, nos ajude a redescobrir Portugal! Não parece ser por acaso que a FIFA estrutura, atualmente, o seu trabalho à luz do seguinte slogan: “For the Game. For the World (Pelo Jogo. Pelo Mundo). É este slogan o sinal certo de que o futebol, mais do que um jogo, quer transformar-se numa filosofia de vida? No pensar de Merleau-Ponty, “a filosofia é reaprender a ver o mundo”. E com que objetivo? Para dar sentido à vida! E qual o sentido da vida? O caminho (não a sua posse) da transcendência física, intelectual, psicológica, moral. Porque me transcendo, sei que estou vivo. Não pode ser outro o pensamento dos atletas e dos treinadores, incluindo aqueles que auferem milhões e milhões de euros, no fim de um ano só de trabalho. Fazer filosofia é estar a caminho. Na celebração das nossas vitórias, durante o Euro-2016, bem é que se tome o futebol como meio de excelência para a compreensão da sociedade atual. O nosso amor pelo futebol, muitas vezes, não nos deixa vê-lo, com o rigor necessário. E há que exigir mais do que futebol aos jogadores e aos treinadores, que pertencem à elite do futebol mundial.

Manuel Sérgio é professor catedrático da Faculdade de Motricidade Humana e Provedor para a Ética no Desporto

NOTÍCIAS RELACIONADAS

comentários

0
Imprimir Enviar e-mail Facebook Twitter
Faça um comentário (máx: 300)

mais de ÉTICA NO DESPORTO

Ética no Desporto No magistério crítico que o Padre Manuel Antunes, durante longos anos exerceu na vida intelectual portuguesa, as suas aulas de História da Cultura Clássica, na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, foram talvez as que mais fama lhe granjear
Ética no Desporto O texto «Pistas diferentes, a mesma meta», de Ana Carolina Ferreira Sequeira (Escola Secundária da Maia), é o 3.º classificado da 5.ª edição do Concurso Literário ‘Ética na Vida e no Desporto’, promovido pelo Instituto Português do Desporto e Juventu

destaques