SEXTA-FEIRA, 28-07-2017, ANO 18, N.º 6390
Professor Manuel Sérgio
Ética no Desporto
Roberto Carneiro: retrato de um ministro que eu conheci (artigo de Manuel Sérgio, 83)
18:16 - 10-05-2015
Manuel Sérgio
Morava eu na Avenida de Berna, em Lisboa, e portanto a poucos metros do gabinete do Doutor Roberto Carneiro, ministro da Educação, de 1987 a 1991. Tinha regressado do Brasil, onde trabalhara dois anos (1987 e 1988) como professor da Universidade Estadual de Campinas e foi o dr. Eduardo Monteiro, seu sapiente adjunto para a área do desporto, que dele me aproximou e me introduziu, nos primeiros dias do ano de 1989, na generosa familiaridade do seu afeto. Insinuante na maneira de exprimir-se, cortês no trato, gentleman no convívio, a breve trecho percebi que me encontrava diante de alguém de inteligência superior, que se movia incontestavelmente no plano dialético, não a dialética do político, sempre em defesa da legitimidade do seu governo, mas a de um apóstolo que sobrepõe à argumentação racional a intuição visionária, o arroubo do iluminado, o anúncio do profeta.

De facto, isso me foi dado verificar logo na primeira conversa que com ele mantive e nas demais conversas que depois, esporadicamente, com ele renovei, em Roberto Carneiro, a inteligência era um caminho para a sublimidade e a sublimidade morava, nele, paredes meias com o sagrado. Foi, se bem me recordo, o grande místico do desporto, que eu conheci, em toda a a minha vida. Tendo nascido em Cascais, em 10 de Maio de 1947, de ascendência macaense; licenciado em engenharia e doutor em filosofia, estudioso de invulgar erudição e um exaltador do ideal estético – pratica habitualmente o seu lazer desportivo (onde encontra um estímulo vital de incomparável eficácia) com o mesmo respeito e devoção com que, digamos assim, entra no templo da religião que professa (ele é católico, apostólico, romano).

E assim acreditando nos valores ensinados por Jesus de Nazaré, que a si mesmo se apresentou aos homens de boa vontade, como o Caminho, a Verdade e a Vida, por mais pessimistas que fossem as nossas conversas, nunca rastejavam, nem ensinavam a rastejar. A “sede de altura” que em Roberto Carneiro se afirmava, ampliava-se a quem o ouvia e a todos fazia erguer acima da triste condição de entediados ou desanimados ou descrentes.

Foi até hoje, o único ministro português que um dia me perguntou qual o significado e a definição do paradigma científico da Faculdade de Motricidade Humana. Aliás, mostrou um conhecimento de Husserl e Merleau-Ponty, onde radica a minha definição de motricidade humana, que não está ao alcance de qualquer governante, designadamente daqueles que se vê, à vista desarmada, que nunca leram um livro, de fio a pavio. Por isso, não é de estranhar que os seus escritos sobre desporto possam transformar-se em preciosos “documentos humanos” que de lamentar será se extraviem ou se esqueçam. O que é o desporto senão uma das mais nobres, educativas condutas que uma pessoa pode assumir?

Uma sólida consciência e de vigilante acuidade, uma informação exigente e rigorosa, uma ética de uma lucidez admirável não permitiam a Roberto Carneiro o menor desvio de uma visão do desporto, de uma prática desportiva que poderão evocar-se como fundamente, fielmente exemplares. As ações que desenvolveu durante o seu mandato, como Ministro da Educação, nanifestaram sempre o seu talento especulativo e metafísico e um conhecimento seguro da “coisa desportiva”, ou seja, uma síntese perfeita entre a prática e a teoria.

Ao presidir à conceção e à elaboração e à própria redação da Lei de Bases do Sistema Desportivo (Lei 1/90), que substituiu uma lei congénere da década de 40 do século passado e o caudal exausto de uma ideia de desporto definitivamente sepulta; ao criar um Programa Integrado de Desenvolvimento Desportivo, coordenado pelo general Rodolfo Begonha, também um desportista da mais pura linhagem; ao propor e realizar a primeira Conferência Permanente dos Ministros do Desporto dos PALOP; ao tornar realidade o Ano da Ética Desportiva e um Código de Ética Desportiva e o programa “Jogo Limpo”; ao confiar ao Doutor Gustavo Pires a direção de um Gabinete do Desporto Escolar, com os meios necessários e julgados indispensáveis, como nunca até hoje foi possível concretizar; ao oferecer à Informação Desportiva o logos e a práxis de um desporto novo, através do Curso de Auditores da Informação Desportiva – Roberto Carneiro é um nome a reter e a cultuar, na história do desporto, em Portugal. Sem favor!

A propósito de logos e práxis, peço o auxílio do Padre Manuel Antunes: “Quem diz logos diz sentido da reunião dos aspectos múltiplos e diversos do fenómeno em causa; diz compreensão, ou tentativa de compreensão, por dentro das suas linhas mestras; diz leitura, ora sintética, ora analítica, ora simplesmente tópica, de um processo por demais complexo na sua génese e, não menos, na sua estrutura; diz explicação, ou ensaio de explicação, de um produto histórico, com os seus meandros e ao seus enigmas, as suas causas e os seus efeitos, presentes e, acaso, futuros; diz a possibilidade de, ao substantivo, se poder acrescentar a preposição dia (helenicamente, diálogos, o nosso diálogo) abrindo, por essa via, a uma das exigências maiores do nosso tempo (…). Práxis é o vocábulo que, desde Marx, se encontra carregado de um enorme potencial estecífico de acção revolucionária (…). Práxis opõe-se a poeisis, completando-a (…). A ligação dos dois termos (logos e práxis) encontra a explicação, no nosso contexto, quando se considera a própria essência do político” (grandes derivas da história contemporânea, edições Brotéria, Lisboa, 1972). Com o logos e a práxis de Roberto Carneiro, o desporto aparece-nos sempre, como um fenómeno extraordinariamente belo e bom e vário.

Tenho para mim que o logos do desporto, atualmente, se constitui, na confluência da filosofia grega, do misticismo medieval, do empirismo e liberalismo britânicos, na síntese, quase perfeita, do olimpismo de Pierre de Coubertin e na competição, muitas vezes sem freios de nenhuma espécie, típica da sociedade de mercado (prefiro uma sociedade com mercado). Em desportistas, como Roberto Carneiro, o desporto é sempre um húmus fecundo onde viceja e floresce uma sombra de fraterno acolhimento, que se estende a pessoas de todas as raças e condições. No desporto sonhado por Roberto Carneiro, é legítimo sonhar a viabilidade de um mundo de incomparável beleza estética, política e moral. Depois dos serviços inestimáveis que prestou ao desporto nacional, como não lembrá-lo como um conselheiro solícito onde se buscam e encontram seguros incentivos e guiadoras inspirações?

Com 68 anos de idade, Roberto Carneiro foi, no que à política desportiva diz respeito, um marco inapagável. Contra ventos e marés, ele percebeu que, verdadeiramente, o desporto não é tão-só uma teoria, ou uma prática – é uma vida! E, na sua radicalidade, apela à relação, ao encontro amigo e aberto. Por isso, quando, no seu gabinete de ministro, eu o escutava, nos diálogos que ele fazia o favor de conceder-me, tinha a sensação de tocar a carne viva, a própria essência humana do desporto.

Muito obrigado, Roberto Carneiro!

Manuel Sérgio é Professor catedrático da Faculdade de Motricidade Humana e Provedor para a Ética no Desporto

NOTÍCIAS RELACIONADAS

comentários

0
Imprimir Enviar e-mail Facebook Twitter
Faça um comentário (máx: 300)

mais de ÉTICA NO DESPORTO

Ética no Desporto O Albergue Espanhol, livro recém-editado pela Rosa de Porcelana Editora (Lisboa, 2017), de Jorge Carlos Fonseca, atual Presidente da República de Cabo Verde, é a muitos títulos um livro surpreendente, tanto pelo ineditismo da forma (ora, parec
Ética no Desporto No magistério crítico que o Padre Manuel Antunes, durante longos anos exerceu na vida intelectual portuguesa, as suas aulas de História da Cultura Clássica, na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, foram talvez as que mais fama lhe granjear

destaques