SEXTA-FEIRA, 28-07-2017, ANO 18, N.º 6390
Ética no Desporto
Da Desconfiança à Solidariedade em Pinto da Costa e Filipe Vieira (artigo de Manuel Sérgio, 57)
18:19 - 27-11-2014
Manuel Sérgio
No seu célebre livro, Políticas da Amizade, Derrida tentou fundar e delinear a dimensão política, a partir da afetividade, da solidariedade, da cordialidade e não só a partir de acordos, de razões, de legislação. Neurologicamente: mais ao nível do sistema límbico do que no âmbito do neocortical (vide o Dr. António Damásio) Visava o filósofo, não um crescimento pelo crescimento, um crescimento economicista, cego aos valores mais profundamente humanos e por isso individualista e belicista - mas um desenvolvimento entendido como passagem do Homem ao mais humano.

O Homem não tem uma natureza, é uma história e a história movimenta-se, desenvolve-se como criação contínua do homem pelo homem. Se bem entendi o que estudei no Padre Teilhard de Chardin, uma visão fixista do Homem, da Sociedade e da História é sempre um pecado. Na minha já velha discordância do dualismo antropológico cartesiano, a sua tara mais desagradável situa-se precisamente, para mim, no “eu penso, logo existo” que começa no “eu”, como se vê. Só que este “eu” de Descartes (1596-1650) deu início ao racionalismo e ao capitalismo, de cariz fortemente individualista. Em conversa com Anselmo Borges, Roger Garaudy também não mostrou simpatia por qualquer assomo de individualismo. “Julgo que é um erro enorme dizer-se que, sem o eu, não haveria pessoa. Eu penso que o indivíduo e a pessoa, não só não se identificam, como se opõem radicalmente. Se eu empregasse a metáfora tirada da linguagem dos físicos, diria que o indivíduo é da ordem do corpúsculo e a pessoa da ordem da onda, do campo (…). Creio pois que este individualismo nos colocou num embaraço, ao atomizar a sociedade. Em última análise, indivíduo é palavra latina mas, traduzido em grego, é átomo, ou seja, uma espécie de uma pequena esfera indivisível, isolada de tudo o resto, pelo vazio” (Anselmo Borges, Do Mesmo ao Diferente, Figueirinhas, pp. 115/116).

De acordo com uma tese, que ando há anos a compor, o desporto é um dos aspetos da motricidade humana, a qual, ressoando Maurice Merleau-Ponty, eu ouso assim definir: é o movimento intencional e em equipa (em grupo) da transcendência (ou superação). Mesmo nos chamados “desportos individuais” é em equipa que o atleta compete e alcança desempenhos de espantar, porque sem o(s) treinador(es), o(s) dirigente(s) e o médico e o enfermeiro nada, ou bem pouco, faria. Todo o gesto desportivo, nos desportos individuais, ou nos desportos coletivos, decorre sempre de uma vontade enorme de solidariedade e não se confunde, por isso, com o individualismo que atravessa boa parte da modernidade. Por seu turno, “o Espírito Desportivo encerra em si mesmo um conjunto alargado de valores e princípios, que deverão ser assimilados e vivenciados. Trata-se de um conjunto de valores que têm a função de imprimir um sentido positivo à atividade desportiva e que, sem os quais, esta perde a sua finalidade primordial: contribuir para o desenvolvimento harmonioso e universal da pessoa humana” (Código de Ética Desportiva, PNED, Instituto Português do Desporto e da Juventude). Mas “agentes do desporto” não são unicamente os jogadores, os atletas, são-no também os dirigentes, os treinadores, os técnicos de saúde e o próprio público. Foi por isso, com justificada alegria, que li um texto de Vítor Serpa, encimado por estas palavras (“Benfica e FC Porto lideram revolução no futebol português”) donde avultava a passagem (de facto, verdadeira revolução) no nosso futebol, a passagem da desconfiança à solidariedade, levada a cabo por Jorge Nuno Pinto da Costa e Luís Filipe Vieira. E assim “os dois presidentes, que estavam há muito tempo de relações cortadas, tiveram mesmo momentos de diálogo que não apenas levaram Luís Duque, para a presidência da Liga, como criaram condições para uma profícua discussão conjunta dos principais quadros das duas instituições, que terá culminado na garantia, dada pelos dois presidentes, de que Benfica e FC Porto não deixariam cair nenhuma das competições profissionais, incluindo a Taça da Liga, e se responsabilizariam pela solução das situações mais urgentes do futebol português” (A Bola, 2014/11/21).

Ao desejo de pose e de provocação, que explode nas palavras de alguns dirigentes e comentaristas, que se julgam, cuspinhando ódios e rancores, em defesa indispensável das suas cores clubistas - o Benfica e o FC Porto encontraram, no diálogo e na tolerância, a força para ultrapassar um momento difícil do futebol português. Os presidentes Filipe Vieira e Pinto da Costa ergueram o futebol, como modalidade desportiva, à altura das ideias que justificam o Desporto, como prática humanizante, que não exclui, antes supõe, o diálogo, o simbólico e o axiológico. Encontro em Fernando Guerra, n`A Bola, de 2014/11/22, um artigo que subscrevo inteiramente e de que faço uma pequena citação: “Finalmente, o futebol português decidiu entrar nos eixos. Não na sua qualidade técnica, mundialmente reconhecida, muito menos na dimensão dos talentos que tem exportado nos últimos vinte anos, nem tão-pouco na competência dos seus treinadores, muito solicitados além-fronteiras. O grande problema situa-se ao nível da organização, primeiro, e das mentalidades, depois, de todos os intervenientes, em geral, mas dos dirigentes, em especial (…)”. Por isso, Fernando Guerra salienta e aplaude o “esforço promovido conjuntamente por Benfica e FC Porto, que se deseja bem sucedido, de maneira a não perdermos o combóio que transporta os melhores campeonatos e, em consequência, os que suscitam mais interesse e geram mais receitas. O prazo de validade do tribalismo, entre emblemas, expirou. Rivalidades, sim, e fortes, mas sem jamais violarem os limites da tolerância”. Que pena que alguns “agentes do desporto” não saibam o que é para que serve o desporto! Que pena que estejam permanentemente em guerra, quando o desporto deve ser permanente construção de paz! Parafraseando Sartre, poderá dizer-se que o desportista é um ser condenado a fazer a Paz! Sem que tal signifique absentismo, comodismo ou falta de coragem. Até os mais significativos passos, em direção à maturidade científica do desporto se realizaram com investigações bem mais vastas do que simples discussões de cariz clubístico, ou das suas crispações absurdas.

E termino com parabéns muito sinceros e agradecidos aos atuais presidentes do Benfica e do FC Porto...

Manuel Sérgio é Professor Catedrático da Faculdade de Motricidade Humana e Provedor para a Ética no Desporto

NOTÍCIAS RELACIONADAS

comentários

0
Imprimir Enviar e-mail Facebook Twitter
Faça um comentário (máx: 300)

mais de ÉTICA NO DESPORTO

Ética no Desporto O Albergue Espanhol, livro recém-editado pela Rosa de Porcelana Editora (Lisboa, 2017), de Jorge Carlos Fonseca, atual Presidente da República de Cabo Verde, é a muitos títulos um livro surpreendente, tanto pelo ineditismo da forma (ora, parec
Ética no Desporto No magistério crítico que o Padre Manuel Antunes, durante longos anos exerceu na vida intelectual portuguesa, as suas aulas de História da Cultura Clássica, na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, foram talvez as que mais fama lhe granjear

destaques