SEGUNDA-FEIRA, 30-05-2016, ANO 17, N.º 5966
Mário Coluna
Coluna (1935-2014)
Morreu Mário Coluna
17:11 - 25-02-2014
Morreu esta terça-feira à tarde Mário Coluna, antigo jogador e capitão do Benfica e da seleção nacional. O anúncio foi feito pela família.

Coluna estava em coma e com respiração assistida, não tendo resistido a uma infeção pulmonar.

Coluna tinha atualmente 78 anos. Nascido em 1935, em Inhaca, Moçambique, começou a jogar no Benfica em 1953. Nos encarnados fez quase 700 jogos.

Em 1961 e 1962 conquistou a Taça dos Campeões Europeus ao serviço do Benfica. Foi campeão nacional 10 vezes e conquistou a Taça de Portugal por sete ocasiões.

Na seleção nacional efetuou 57 jogos e marcou oito golos. Foi o capitão da equipa das quinas no Mundial de 1966, de boa memória para Portugal, que conquistou o terceiro lugar.

Antes de representar o Benfica, jogou no Desportivo de Lourenço Marques, e depois de deixar os encarnados alinhou pelos franceses do Olympique de Lyon e pelo Estrela de Portalegre, clube no qual terminou a carreira.
Redação

NOTÍCIAS RELACIONADAS
13:27 - 27-02-2014 Moçambique quer jogo com Portugal
10:18 - 26-02-2014 Cavaco Silva lamenta morte de Coluna
19:35 - 25-02-2014 FIFA homenageia Coluna
19:28 - 25-02-2014 «Hora de profunda tristeza», Toni

comentários

0
Imprimir Enviar e-mail Facebook Twitter
Faça um comentário (máx: 300)

mais de COLUNA (1935-2014)

Coluna (1935-2014) O funeral de Mário Coluna decorreu esta sexta-feira, em Maputo, e contou com a presença do Presidente da República de Moçambique, Armando Guebuza. O velório iniciou-s
Coluna (1935-2014) O presidente de Moçambique, Armando Guebuza, fechou os discursos nas cerimónias fúnebres de Mário Coluna, falando depois de representantes dos clubes por onde passou, de

destaques

Doping na cara? Jura que não, a mãe é a sua defesa...
Estilos e Espantos Fez o que Naide Gomes fizera, pode tornar-se uma das maiores estrelas dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro. Sim, foi através heptatlo que a holandesa Dafne Schippers começou a deixar o mundo a seus pés - e só num pormenor foi diferente de Naide: Naide largou as provas combinadas para se centrar no salto em comprimento, Dafne largou as provas combinadas para se centrar na velocidade e foi tal a vertigem da revolução que, no ano passado, nos Mundiais de Pequim, não se limitou a bater um dos mais míticos recordes europeus: os 21,71 segundos que Marita Koch conseguira em 1979 e que em 1986 Keike Dreschler (tal como Marita, um dos mais fabulosos produtos da RDA...) igualara. Claro: são sobretudo esses 21,63 segundos que fazem de Dafne Schippers o que Dafne Schippers é: uma das «mulheres do momento» no atletismo - e deixam no ar a dúvidas: será que, no Rio, a versão feminina de Usain Bolt será ela? Para já, fique a saber como é que tudo começou, como é que ela chegou onde chegou... É natural: vendo Dafne Schippers tornar-se campeã do Mundo de 200 metros em Pequim (nos 100 foi por uma unha negra apenas que não bateu Shelly-Ann Fraser, a bicampeã olímpica e mundial...), jamaicanas e americanas ficaram com o coração nas mãos. E mais ainda porque só três meses antes decidira que a sua aposta era a velocidade e não o heptatlo. Aliás, Dafne não o esconde: vai ao Rio com uma ideia inabalável: «sair de lá campeã olímpica». Grande dúvida? Saber-se se só de lá sairá com a medalha de ouro nos 200 metros - ou se sairá de lá também mais próxima (ou melhor...) do que a mulher que nos Jogos Olímpicos de 1988 foi para além da humanidade, a Florence Griffith-Joyner, recordista mundial de 200 metros com 21,34 segundos (e de 100 com 10,49 segundos...) A caminho de Seul, Flo-Jo, apareceu melhor do que nunca - com a alma transfigurada e o corpo transformado, musculada e poderosa. Ninguém lhe conseguia ficar indiferente. Nem nas corridas perdia o ar da sua graça – unhas muito compridas e pintadas e, ainda, não tinha complexos em envergar equipamentos extravagantes. Após alguns altos e baixos na sua carreira, que a fizeram, inclusivamente, abandonar temporariamente o atletismo, Griffith-Joyner regressara às pistas incentivada por Bob Kersee e motivada, entretanto, pelo seu casamento, em 1987, com o campeão olímpico do triplo salto, Al Joyner. Em Seul, Florence correu os 200 metros em 21,34 segundos, ganhou quatro medalha de ouro. Insinuou-se que poderia estar dopada, nenhum controlo a apanhou - e se morreu cedo, de um ataque de epilepsia, pelo menos a autópsia fez justiça à lenda, deixou claro que a causa da morte nada teve a ver com produtos proibidos que possa ter tomado (ou não). É quase sempre assim: as suspeitas também correm, agora, em torno de Dafne Schippers. Sobretudo por ter a cara como tem, marcada pelo acne... ...
Do Passado para o Presente Se José Mourinho vai ganhar 15 milhões de euros por ano só em salários no Manchester United só os vai ganhar porque aos primeiros anos do século XX um cão com uma lata de esmolas ao pescoço fugiu do dono e entrou no pub de um homem que enriquecera a fabricar cerveja. Não, não é só essa a história impressionante que aqui se conta – também se fala de como o novo clube do Special One nasceu de ferroviários fartos de bebedeiras e combates de boxe entre os trilhos dos comboios e de como um Mourinho antes de Mourinho chegou a Old Trafford, o estádio que a aviação nazi destruiu e quando sonhava tornar-se campeão europeu mais de metade dela morreu na queda de um avião, salvou-se e acabou por ganhar a Taça dos Campeões ao Benfica. E não, não é tudo… Filho de dois analfabetos, George Stephenson formou-se engenheiro – e aos 25 anos criou uma máquina a vapor que ajudasse ao transporte de carvão na mina de Wylan onde trabalhava, arrastando vagões sobre carris. Tirou a ideia de fora da mina, desenvolveu a máquina, chamou-lhe Locomotion - e em setembro de 1925, com ele próprio a conduzir a sua Locomotion, transportou 80 quilómetros de carvão entre Darlington e Stockton-on-Tees, demorando duas horas a percorrer os 15 quilómetros de linha férrea que criava entre um ponto e outro. Foi uma revolução. Não tardou, criou carruagens para transporte de passageiros – e 15 de setembro de 1830 abriu-se a linha que ligava Liverpool a Manchester. A locomotiva que puxava o comboio era muito mais potente do que as demais – e por isso Stephenson pôs-lhe nome óbvio: Rocket. Foi tal a euforia que causou que William Huskisson, membro do parlamento eleito por Liverpool, ao vê-la arrancar desatou a correr a seu lado, tropeçou, caiu – e foi a primeira vítima mortal de um comboio… O CLUBE DOS FERROVIÁRIOS CANSADOS DO BOXE (E NÃO SÓ…) Criou-se a Manchester & Leeds Railway para explorar a linha – que montou o terminal ferroviário de Manchester montou-se em Newton Heath. À sua beira ergueram-se oficinas para construção de locomotivas, vagões e carruagens – e, nos seus primeiros tempos, nos intervalos do trabalho ou davam-se à bebida ou atiravam-se a combates de boxe sobre os rails que montavam. Algures por 1878 alguns desses operários da Lancashire & Yorkshire Railway (LYR), cansados das bebedeiras e dos socos, acharam que talvez fosse mais sedutor divertirem-se com o futebol que já era moda em colégios e universidades, pedindo, para isso, aos seus patrões, ajuda para criarem clube que o jogasse. Fundaram-no como Newton Heath LYR – e fez tal furor que, formado por maquinistas, surgiu-lhe rival imediato – o Newton Heath Locomotive. Não tardou, os jogos deixaram de ser apenas entre as várias secções da empresa. O seu primeiro desafio foi em novembro de 1880 – contra as reservas do Bolton Wanders. O Newton Heath LYK jogou com camisolas verdes e douradas, as cores da empresa – e perdeu por 6-0. Quatro anos depois, aventurou-se à disputa da Lancashire Cup – e ficou-se pela primeira ronda, batido pelo Blackburn por 7-2. Melhor foi o que sudeceu na Manchester Challenge Cup: chegou à final, perdeu-a por 3-0 com o Hurst. A FILHA DO SACERDOTE FEZ O MESMO NO OUTRO LADO DA CIDADE… Anna Connell era filha de um sacerdote – e algures por 1880 fundara na igreja do pai uma associação para ajudar pobres. Depois, para dar uma luz aos rapazes de West Gordon, juntou-se a dois trabalhadores da fábrica de ferro – e criou no seu seio uma equipa de futebol. O seu primeiro nome era o nome da igreja: St. Marks. Sete anos depois, para ter campo, mudou-se para Ardwick e passou a ser Ardwick Association Football Club. (E em 1894 passou a ser o que é hoje, o Manchester City Football Club…) Em 1888 o Newton Heath LYK decidiu deixar de ser apenas clube de trabalhadores de uma empresa ferroviária, deixou cair o LYR, passou a ser o Newton Heath Football Club – e aderiu à Football Alliance, o embrião da Football League. Por lhe terem retirado o Lancaster & Yorkshire Railway do nome, os donos da companhias lançaram de pronto o aviso: - Assim, não damos nem mais um cêntimo para o Newton Heath… e foi o que aconteceu. ...
Estilos e Espantos Já parou para pensar que as fantásticas histórias de Robin dos Bosques pela Floresta de Sherwood podem não ter sido apenas só histórias? Ou que é que ele poderá ter a ver com a história dos Jogos Olímpicos? Sim tem. E a famosa atriz dos Jogos da Fome também. Isso é o que aqui lhe contamos, contando-lhe também o que não imagina: que há um cego que saiu de Londres-2012 com um recorde mundial até Foi através do tiro com arco que o homem conseguiu sobreviver através da caça, quando ainda habitava em cavernas. Foi o tiro com o arco que definiu o rumo das sangrentas batalhas na Antiguidade e Idade Média. E foi precisamente a Guerra Civil dos Estados Unidos que impulsionou o interesse na modalidade - quando a guerra terminou os soldados foram proibidos de usarem armas de fogo, encontrando no arco uma forma de sublimar as suas vivências. No convívio com os índios aprenderam todas as técnicas relacionadas com a arte. Em 1900, em Paris, o tiro com o arco apareceu pela primeira vez como modalidade Olímpica, uma homenagem ao guerreiro Hércules, considerado o primeiro arqueiro da história. De Robin Hood a Legolas, os arqueiros são ícones da literatura e do cinema mundial. O homem tornou-se caçador por instinto. Assim se define o tiro com o arco – mais do que uma competição, é um desafio – requer estabilidade, concentração, precisão, foco e perseverança. Em contagem decrescente para os Jogos Olímpicos do Rio, a performance heroica dos atletas transformará a ficção em realidade. O objetivo? Os atletas atiram a um alvo, medindo apenas 122 cm a 70 metros de distância. Para alcançar as marcas máximas devem atingir o centro que mede apenas 12,2 cm. Outro momento histórico: nos Jogos de St. Louis, em 1904, houve uma mulher a competir no tiro ao arco - e em algumas das provas diretamente contra homens. Nascida em Ohio, a 28 de Agosto de 1859, Linda Howell saiu de lá com três medalhas de ouro. O interesse de Linda pelo tiro com o arco surgira em 1878, depois de ter lido os livros de Maurice Thompson. De 1904 a 1912, não houve tiro ao arco no programa olímpico. Voltou em 1920, em Antuérpia, mas Linda Howell não se aventurou a lá estar. O COI decidiu afastar o tiro ao arco dos Jogos, por não ter regras e competições uniformizadas, só voltou em 1972, nos Jogos de Munique. Claro, nessa altura, Linda já tinha morrido - mas espantoso foi que, mesmo sem competições olímpicas onde ir, continuou a ir a várias outras, na última em que participou tinha 71 anos e 290 dias. A LENDA VAN INNIS E AS SEIS MEDALHAS DE OURO Porém, a primeira lenda na modalidade foi outra, nasceu em Bruxelas a 24 de fevereiro de 1866 e morreu aos 95 anos como um herói. E a grande dúvida é: o que teria acontecido se tivesse havido JO em 1908 e 1912 (e os de 1916 não tivessem sido cancelados por causa da I Guerra Mundial)? Sim, a pergunta faz todo sentido. Van Innis é o arqueiro mais medalhado da história - apesar de só ter estado em duas edições de JO: na de 1900, em Paris, e na de 1920, em Antuérpia. Em Paris ganhou duas medalhas de ouro e uma de prata e em Antuérpia ganhou quatro de ouro e duas de prata. Ou seja, seis de ouro, três de prata - não há, na história, quem tenha mais. Era um atirador tão habilidoso que, em muitas ocasiões foi mesmo proibido de participar em competições para que os outros concorrentes também pudessem ganhar. Para Hubert, o tiro com o arco era muito mais do que um simples desporto popular praticado no seu tempo - e se nenhum atirador tem mais medalhas olímpicas do que ele, nenhum belga tem mais medalhas do que Hubert em Jogos Olímpicos. E não, não teve vida fácil: quando era criança, entregava leite em vilas em redor de Bruxelas, para ajudar os pais no sustento da família. ...