DOMINGO, 05-07-2015, ANO 16, N.º 5636
Conteúdo inexistente.

destaques

Para emagrecer quase morreu e depois até foi anjo da Victoria`s Secret...
A correr no Tempo A verdade? Ontem, no GP da Grã-Bretanha, foi apenas mais um sinal, um sinal do que já se sabia que Lewis Hamilton é a «bala negra» que se pode tornar numa espécie de Ayrton Senna. Em criança queria ser como Cristiano Ronaldo jogador de futebol - e quando CR7 perdeu Irina, soube-se que ele correu ao seu alcance, mas não, não era nada do que parecia, era só amizade. Seguiu-se Kendall Jenner, a filha de Bruce Jenner, o campeão olímpico do decatlo, que agora é a... Caitlyn Jenner - mas o «forte e atribulado romance» afinal era só especulação também, assim como o caso com Gigi Hadid. Sim, antes, muito antes, também se falara de Kim Kardashian, a meia irmã de Kendall como namorada de Hamilton - e afinal não era ela, a tal namorada americana era... Nicole Scherzinger. O «amor de longa data» chegou ao fim, porque Hamilton não «queria casar», disse ela. Ao fim de sete anos de namoro à quarta foi de vez: acabou mesmo. Ele anda enrolado em affairs que «nada significam», ela, a Nicole, acabou por conformar a mágoa nos braços de outro. Que não percebe de motores, no que toca a golos é um ás... Campeão da fórmula 1 ou pupilo de Vítor Pereira? Nicole Scherzinger dá-lhe a resposta... De futebol nada percebe, tinha dificuldades em fazer surf, mas no softball era a melhor. Nicole Prescovia Elikolani Valiente Scherzinger ou simplesmente Nicole Scherzinger é uma cantora e compositora americana. Nasceu em Honolulu, Havai, a 29 de junho de 1978, filha de Alfonso Valiente, descendente de filipinos, e de Rosemary, com descendência russa. Nicole cresceu num bairro no centro da cidade, não era rica, mas tinha um talento inato – cantava e encantava. A fama surgiu mais tarde quando integrou o grupo musical ´The Pussycat Dolls´ que vendeu cerca de 15 milhões de álbuns e mais de 54 milhões em singles, tornando-se um dos grupos musicais femininos mais bem-sucedidos da história. Mesmo antes de chegar a vocalista da banda, Nicole participou no reality show ´Popstars´, e mais tarde foi jurada do programa de música ´The X Factor´ e venceu a décima temporada do concurso ´Dacing with the Stars´ em 2010. ...
Estrela de Diamante É a parte 8. Com Eusébio já no Panteão, continuamos a relembrar-lhe Eusébio – o Eusébio Como Nunca se Viu do livro que A D. Quixote publicou em parceria com A Bola. Mas mesmo que já o tenha lido, não deixe de ir até ao fim – porque, aqui, há muito de novo para ler sobre o Eusébio e o país do Eusébio, o mundo do Eusébio. E não deixe também de atirar os olhos à galeria de fotos – porque para ver o Eusébio como o Eusébio nunca se viu ainda há mais, muito mais ainda, como nem imagina... Durante os jogos do Mundial de 1966, Eusébio fora apresentado aos altifalantes dos estádios ingleses com um toque sibilino a insinuar-se – aliás, não apenas ele: Hilário, born in Mozambique... Vicente, born in Mozambique... Coluna, the captain, born in Mozambique... Eusébio, born in Mozambique... - Não, não gostava, porque percebia que era política, eles queriam à força ligar-nos às colónias, a tudo o que se estava a passar. Eu tinha nascido em Moçambique, é verdade, mas era português. E não gostava porque nunca gostei que se misturasse a política com o futebol, a minha política era a bola, foi sempre... (isso disse, claro, depois, muito depois...) Entretanto, Eduardo Galeano traçou-lhe retrato para ler também nas entrelinhas: - Nasceu destinado a engraxar sapatos, vender amendoins ou roubar carteiras. Na infância chamavam-lhe: Ninguém. Chegou aos campos de futebol a correr como só corre alguém que foge da polícia ou da miséria que lhe morde os calcanhares. Foi africano de Moçambique, o melhor jogador de toda a história de Portugal. Eusébio: pernas altas, braços caídos, olhar triste... DA SOFIA LOREN À FINTA QUANDO METEU SIMONE DE OLIVEIRA E MADALENA IGLÉSIAS ... E era assim, a esquivar-se, a escapar-se que Eusébio era cada vez mais o que era - o Eusébio a imortalizar-se. Mudara de carro, a atração por Lisboa era agora o Taunus 17 M, o Taunus amarelo a que os sinaleiros abriam passagem como se fosse estrela a cruzar os céus, resplandecente. Admiradores e admiradoras, sobretudo estrangeiras, inundavam-lhe a Luz com cartas – e, por essa altura, revelou, na Flama, paixão que não se lhe conhecia: o jazz. E que, no cinema, adorava sobretudo Sofia Loren e de Charlton Heston. (Do Benfica-Sporting que era a rivalidade entre Simone de Oliveira e Madalena Iglésias fugia, sorrateiro, como fugia dos defesas que lhe iam no encalço, em campo – não disse qual delas preferia...) KING PORQUÊ, KING POR QUEM E KING COM QUEM... Nesse ano de 1967, António Simões deu-lhe mais um signo, um outro signo para lá da Pantera Negra: King. Tudo por causa das chuteiras que a Puma fizera em sua honra. Rudolf e Adolf Dassler eram irmãos. Criaram a Adidas, mas, em 1948, desentenderam-se – e Rudolf fundou a Puma. Meses antes do Mundial de 66, lembrara-se de contratar Eusébio. Perante o furor do CM, chamou-o a férias em Herzogenaurach, cidadezinha à beira de Nuremberga, onde a sua empresa montara sede – e, de súbito, soltou-se-lhe a ideia: lançar ao mercado as primeiras chuteiras dedicadas a um jogador: as Puma King Eusébio. Foram apresentadas em 1967, postas à venda em 1968 – e seria com as chuteiras King que nasceram de Eusébio em Inglaterra que Maradona levou a Argentina a campeã do mundo, destroçando, pelo caminho, os ingleses, com mão de Deus. Não, não foi só: Cruyff e Beckenbauer também as usaram nos seus fascínios. 7 ESCUDOS POR CADA CHUTEIRA VENDIDA PELO MUNDO INTEIRO... A Puma não se ficou por essa novidade: também foi a Puma que criou as primeiras chuteiras com nove pitons, o normal eram 10 – e criou-as para que se adaptassem melhor a Eusébio, depois da terceira operação de Eusébio ao joelho: - Foram as botas que marcaram a minha carreira, incrível como me facilitavam o equilíbrio em campo... Para renovar o contrato com a marca, Eusébio recebeu 600 contos de luvas – e além de mais 72 contos por cada ano de ligação, tinha direito a 7 escudos por cada par de botas vendidas onde quer que fosse. ...
Estrela de Diamante É a parte 7. Com Eusébio a caminho do Panteão, relembramos-lhe Eusébio – o Eusébio Como Nunca se Viu do livro que A D. Quixote publicou em parceria com A Bola. Mas mesmo que já o tenha lido, não deixe de ir até ao fim – porque, aqui, há muito de novo para ler sobre o Eusébio e o país do Eusébio, o mundo do Eusébio. E não deixe também de atirar os olhos à galeria de fotos – porque para ver o Eusébio como o Eusébio nunca se viu ainda há mais, muito mais ainda, como nem sequer o imagina... Simone Beauvoir passara por Portugal e chocara-se: - Eu vi. Vi que em sete milhões de portugueses apenas 70 mil comem o suficiente. Vi meninas de quatro e cinco anos, vestidas com sacos de sarapilheira, esfomeadas, a remexer lixeiras. E, entre paredes de tabique e tabuletas dizendo: Insalube... Proibido Habitar... vi, fervilhando, crianças nuas, vivendo lá dentro. Béla Guttmann voltara a Portugal e espantara-se. Ao chegar ao Benfica em 1959, reparara que só havia três jogadores com automóvel: Costa Pereira, que era filho de um homem muito rico de Moçambique; Artur Santos, que geria um talho na Amadora; e José Águas, que trabalhava numa concessionária da Ford. À Luz regressara trazido por brisa sebastiânica em agosto de 1965 e ao contar 30 automóveis estacionados em redor do campo antes dum dos primeiros treinos, virou-se para Fernando Caiado, o seu adjunto, exclamou-lhe: - Assim, nunca mais seremos campeões europeus! Todos acharam que era mais uma das suas blagues, das suas famosas blagues. (Ver-se-ia, porém, que não. E que esse seu regresso a treinador do Benfica até seria pior do que imaginara...) «PARA GANHAR 500 CONTOS A ÉPOCA TERÁ DE SER EXTRAORDINÁRIA...» 36 jornalistas europeus deram A Bola de Ouro do France Football para o Melhor Jogador Europeu a Eusébio. Que, aparecendo na foto com a farda de soldado, soltou em entrevista ao jornal italiano Il Giorno, a pergunta: - Por que deveria eu renunciar a ganhar tanto como o Suarez? No Benfica, para ganhar 500 contos por ano entre luvas e prémios a época terá de ser extraordinária. Em Itália só de salários dão-me 1500 contos... A CABEÇADA QUE O DEIXOU COM MEDO DE NÃO VOLTAR A JOGAR... Se 1965 acabou de sorriso aberto para Eusébio, 1966 começou em sangue a juntar-se a uma mágoa que já não domava: em jogo com a Académica, disputando bola a Artur Jorge, chocou a cabeça de um na cabeça do outro. Caiu desmaiado na relva, em maca o levaram para a ambulância para Clínica de São Lucas com traumatismo craniano. Só lá recuperou os sentidos. Três semanas depois, voltou aos treinos – e à saída do tinha Carlos Miranda, repórter de A Bola, à sua espera: - Tive medo. Quando me disseram que estas pancadas na cabeça podiam ter efeitos desastrosos, assustei-me. O que é que pensei? Sei lá... Tudo... Inclusivamente que podia não jogar mais à bola. «NÃO LEVO VIDA CONVENIENTE? MAS EU CASEI-ME, SENHOR...» Ah! A mágoa que já não domava, era porquê? Era por ver como benfiquistas aos magotes reagiram à notícia da sua Bola de Ouro: - Não sou vaidoso, mas julguei que toda a gente do Benfica ia ficar contente, alguns parece que ficaram zangados comigo por eu ter sido escolhido como o Melhor da Europa. Sei lá porquê, só sei que não entendo... Carlos Miranda deu-lhe dica: que talvez andassem zangados consigo por acharem que Eusébio não andava jogando o que podia, desleixando-se - e ele embasbacou-se: - O quê? Diz-se que não levo vida conveniente para futebolista que se preze?! Mas eu casei-me, senhor... E insinuar-se que mesmo depois de casado foi assim?! Isso é mentira. Desde que me casei, nunca tive o mais ligeiro aborrecimento com a minha mulher, portanto.. Se se diz, o que é que posso fazer?! Olhe, rir-me. Sim, rio-me quando oiço falar de mau comportamento dos jogadores do Benfica. Ninguém está mais em foco do que um jogador do Benfica: temos mil olhos a acompanhar todos os nossos gestos, os nossos propósitos. Se há quem pisa o risco, dali a minutos a direção já tem relatório, castiga, multa. Se não fui castigado, se não fui multado, acusam-me de quê?! De momento, o meu problema é um apenas: o peso. Aconteceu-me o que acontece a quase toda a gente: casei, engordei. Tenho tido dificuldade para recuperar o peso ideal, isso é verdade. Mas a coisa vai. Pode ser que daqui a uns meses já tenham feito as pazes comigo... DE LUVAS NO BENFICA, MENOS DO QUE SÓ SALÁRIOS NO INTER... Logo depois, foi ele, o Eusébio, quem abriu o coração – e apesar do desejo cada vez mais aguçado do Inter renovou o seu contrato com o Benfica até 1969. De luvas, pela assinatura, o clube deu-lhe 1300 contos. 325 recebeu-as na hora, 975 ficou de receber no final de março. Mas, claro - ficou a perder, a perder muito dinheiro. (Reparou bem? Só em salários do Inter ficaria a receber 1500 contos por ano - e em Portugal ficou a receber 10 vezes menos de ordenados...) ...