QUARTA-FEIRA, 18-01-2017, ANO 17, N.º 6199

Não existem notícias com o conteúdo procurado, em alternativa apresentamos as últimas 15 notícias.

Eskerdinha
Eskerdinha rescinde contrato
Eskerdinha rescindiu contrato com o Marítimo e está de regresso ao Brasil. O extremo-esquerdo, 26 anos, já não se treinou ontem, o mesmo acontecendo com o extremo Gevaro, 24 anos, que também está de saída. Ambos há muito que estavam fora das opções de Daniel Ramos. O treinador começou ontem a preparar a receção ao Sporting. Coronas e Fábio China realizaram apenas corrida e estão em dúvida para o jogo de sábado. O clube já colocou à venda os bilhetes. 25 e 35 euros são os preços dos ingressos. Os sócios têm entrada livre.
Marítimo
09:58 - 18-01-2017
Grimaldo
Grimaldo pode voltar dentro de quatro a seis semanas
José Antonio Pascual Montero, mais conhecido por Pepe Pascual, cirurgião que operou Alejandro Grimaldo em Madrid, confirmou que o regresso do lateral do Benfica à ação será mais rápido. «Correu muito bem. Foi uma intervenção a uma pubalgia ligeira e foi aplicada uma rede na região da virilha. Houve apenas anestesia epidural», começou por explicar a A BOLA, antes dar conta de outros pormenores: - O jogador tem alta amanhã [hoje] e não precisa de fazer qualquer recuperação especial, tem é de andar muito. Já começou a andar, mas terá de fazê-lo cada vez mais. Ao fim de duas semanas poderá voltar a correr e depois precisa de outras duas semanas para começar a treinar-se, um mês. Pode voltar a jogar dentro de quatro a seis semanas. Afastado da equipa desde o jogo com o Dínamo Kiev, na Luz, os piores cenários apontavam para uma paragem de dois a três meses mas o regresso do espanhol à ação será bem mais rápido.
Benfica
09:44 - 18-01-2017
Go Tsunoda (ASF)
Tsunoda e Hormigo são os novos treinadores da seleção
O japonês Go Tsunoda e Ana Hormigo passarão a ser os responsáveis pela Seleção Nacional, tendo em vista os Jogos de Tóquio-2020, sucedendo a João Neto e a João Pina, ainda sob contrato. A equipa técnica do novo líder da FPJ, Jorge Fernandes, entrará em funções ainda antes do Open Europeu masculino de Odivelas, a 4 e 5 de fevereiro. Portugal contou com seis judocas no Rio-16, onde Telma Monteiro (-57 kg) conquistou o bronze, tendo sido Tsunoda, a par de Jorge Gonçalves, o técnico que preparou a judoca nas últimas três épocas. Hormigo, como selecionadora feminina, foi quem levou Telma ao título Europeu. No entanto, o japonês não pretende deixar de residir em Espanha, pelo que acompanhará a Seleção principal sempre que houver concentrações e preparações em Portugal ou no estrangeiro.
Judo
09:42 - 18-01-2017
Bruno de Carvalho
Bruno de Carvalho assume desilusão e anuncia que plantel vai emagracer
Bruno de Carvalho usou a conta de Facebook para comentar a situação do Sporting, garantindo a continuidade de Jorge Jesus e que o plantel vai ficar mais pequeno neste mercado de inverno. Assumiu também que época tem sido uma desilusão. «Como tenho dito, a reflexão permanente faz parte dos processos de liderança. Sem rodeios, esta época ao nível do futebol tem sido uma desilusão. Resta-nos lutar pelo campeonato. Atirar a toalha ao chão não é uma hipótese. Todos temos uma opinião, e estas são mais vincadas quando a frustração toma conta de nós. É, nestes momentos, que as lideranças têm que ser firmes. Temos um projecto, um rumo certo, e não é uma época mal conseguida que nos deve permitir deitar a perder tudo o que foi construído, ainda por cima com tanto esforço e amor. Estou triste, desolado, mas estados de alma não são compatíveis nem se podem confundir com as funções que assumi e que tenho tido a honra e o privilégio de exercer. Não irei dar um passo atrás para apaziguar algumas "almas" sportinguistas, nem fazer o gosto a quem, fora e dentro do nosso Clube, quer sangue pelo sangue. A política da exigência vai manter-se. Mas estes ciclos negativos surgem no futebol com uma força tal que, facilmente, tudo e todos são colocados em causa. Irei, com o treinador Jorge Jesus, fazer o que nos compete, isto é, manter a coesão de um grupo que necessita de elevar os seus níveis de entrega e de acerto técnico-tático, mas, para isso, a sua auto-confiança e auto-estima têm de ser trabalhadas. Eu sou o responsável máximo e, logo de seguida, o treinador. Precisamos do vosso apoio para mantermos esta equipa, a quem resta um objectivo que, estando difícil, não é impossível: o campeonato. Ao mesmo tempo, e sem nos afastarmos do foco do campeonato por que lutamos, começaremos desde já a preparar e planear a próxima época desportiva. Não estou a pedir que não se sintam frustrados nem que não critiquem. Essa pressão faz parte dos grandes Clubes e eu quero que ela exista. Apenas peço que, mesmo que tenhamos o nosso coração partido, não deixemos o nosso grande Amor abandonado pois nunca nos podemos esquecer que, em última instância, são e serão os jogadores os artistas dentro das 4 linhas. O plantel sofrerá um emagrecimento neste mercado de inverno, o que vai fortalecer o grupo. Precisamos dos melhores focados, e determinar, mais uma vez, a linha da exigência extrema que existe neste Clube. Quando fechou o último mercado, a comunicação social e os Sportinguistas eram quase unânimes ao afirmarem que se tinha construído um dos melhores planteis de sempre da História do Clube. Nunca alinhei nesse discurso pois a humildade e o trabalho é que, para mim, determinam isso. O resto são meros exercícios de opinião. Mas a verdade é que, de repente, passaram de bestiais a bestas o que me incomoda. Ter elevadas expectativas tem que ser o apanágio deste Clube, mas não podemos oscilar tanto nas nossas apreciações. Existem reforços que não resultaram, um facto indesmentível, mas nem se deve generalizar nem passar do 80 para o 8. Entendo bem a frustração e tristeza que todos sentimos, mas cá estamos para assumir as nossas responsabilidades e fazer as 3 coisas que são a receita para ultrapassar estes ciclos negativos: trabalhar, trabalhar e trabalhar! Mas precisamos de continuar a contar com os mais de 3,5 milhões de Sportinguistas pois sem o vosso apoio, carinho e, claro, exigência máxima, a recuperação será muito mais difícil, senão mesmo impossível. Termino como comecei: assumo, na totalidade, a desilusão que tem sido esta época ao nível do futebol, mas esta ainda não acabou. E, até acabar, temos que nos manter juntos! Porque o Sporting Clube de Portugal é o nosso grande Amor!»
Sporting
09:42 - 18-01-2017
James Harden
Mais um triplo-duplo com 40 pontos para James Harden
Continua quente a mão de James Harden. Assumindo-se como forte candidato a melhor jogador da temporada (MVP), o atleta dos Houston Rockets conseguiu, pela quarta vez esta época, um triplo-duplo com 40 ou mais pontos. Fez precisamente 40 pontos, 10 assistências e conseguiu 12 ressaltos na vitória sobre os Miami Heat (109-103). Resultados: LA Lakers - Denver Nuggets, 121 - 127 San Antonio Spurs - Minnesota Timberwolves, 122 - 114 Brooklyn Nets - Toronto Raptors, 109 - 119 Miami Heat - Houston Rockets, 109 - 103 Chicago Bulls - Dallas Mavericks, 98 - 99
NBA
09:32 - 18-01-2017
Rúben Guerreiro (Foto de arquivo)
Tour Down Under: Rúben Guerreiro sétimo na etapa e melhor corredor jovem
O português Rúben Guerreiro (Trek-Segafredo) foi sétimo na segunda etapa do Tour Down Under, na Austrália, tirada de 148,5 quilómetros que ligou Stirling a Paracombe e que terminou com a vitória do corredor da casa Richie Porte (BMC), em 3:46.06 horas. Rúben Guerreiro cruzou a meta com 19 segundos de atraso para o vencedor e assumiu a liderança da classificação para corredores jovens, ainda que com o mesmo tempo (3:46:25) do australiano Michael Storer, do espanhol Enric Mas e do colombiano Jhonatan Restrepo. Na geral ocupa a 14.ª posição a 29 segundos de Porte que, com o triunfo desta quarta-feira, saltou para a liderança com 20 e 22 segundos de vantagem sobre o espanhol Izagirre Insausti e o colombiano Esteban Chaves. José Gonçalves foi 49.º na etapa e ocupa a mesma posição na geral, Tago Machado foi 56.º e é 55.º.
Ciclismo
09:25 - 18-01-2017
Mukhtar
Mukhtar pode render 1,5 milhões
O médio ofensivo alemão Hany Mukhtar, de 21 anos, emprestado pelo Benfica ao Brondby, pode render 1,5 milhões de euros às águias, pois os dinamarqueses estarão dispostos a exercer a opção de compra do passe. A informação foi divulgada pela publicação alemã Sport Bild, que deu conta do interesse do jogador - tem contrato com as águias até 2020 - em brilhar na Bundesliga, principal campeonato germânico: «Quero afirmar-me na Alemanha.»
Benfica
09:05 - 18-01-2017
Rui Silva
Rui Silva muito próximo do Granada
Rui Silva está, segundo A BOLA, muito próximo de reforçar o Granada, 19.º e penúltimo classificado da I Liga espanhola. O guarda-redes cumpre a quinta temporada no Nacional, depois de ter feito praticamente toda a formação no Maia. Internacional sub-21, Rui Silva, 22 anos, é titular indiscutível na equipa agora comandada por Jokanovic, tendo somado todos os 17 jogos na Liga. O futuro deverá passar pelo país vizinho, já que tem em mãos uma proposta do Granada, que deverá aceitar. Bolat, Vítor São Bento e Framelin são as outras opções do Nacional para a baliza.
Nacional
09:00 - 18-01-2017
Federer apura-se para terceira ronda do Open da Austrália
Roger Federer qualificou-se esta madrugada para a terceira ronda do Open da Austrália, em Melbourne, ao bater o norte-americano Noah Rubin. Rubin, 200.º do ranking mundial, deu luta e o resultado do encontro foi bastante equilibrado, com o suíço a vencer por 7-5, 6-3 e 7-6 (7/3). Na terceira ronda Federer vai defrontar Tomas Berdych, que eliminou o norte-americano Ryan Harrison por 6-3, 7-6 (8/6) e 6-2. Resultados da segunda jornada: Malek Jaziri (TUN) venceu Alexander Bublik (KAZ) 6-2, 6-3, 7-5 Tomás Berdych (CZE/N.10) venceu Ryan Harrison (EUA) 6-3, 7-6 (8/6), 6-2 Roger Federer (SUI/N.17) venceu Noah Rubin (EUA) 7-5, 6-3, 7-6 (7/3) Lukas Lacko (SVK) venceu Dudi Sela (ISR) 2-6, 6-3, 6-2, 6-4 Kei Nishikori (JPN/N.5) venceu Jérémy Chardy (FRA) 6-3, 6-4, 6-3 Stan Wawrinka (SUI/N.4) venceu Steve Johnson (EUA) 6-3, 6-4, 6-4 Jo-Wilfried Tsonga (FRA/N.12) venceu DEUAn Lajovic (SRB) 6-2, 6-2, 6-3 Sam Querrey (EUA/N.31) venceu Alex De Minaur (AUS) 7-6 (7/5), 6-0, 6-1 Mischa Zverev (GER) venceu John Isner (EUA/N.19) 6-7 (4/7), 6-7 (4/7), 6-4, 7-6 (9/7), 9-7
Ténis
08:48 - 18-01-2017
Matheus Índio
SAD vai exercer opção de compra por Matheus Índio
Matheus Índio vai continuar no Estoril na próxima temporada. O médio brasileiro de 20 anos, que chegou esta época emprestado pelo Vasco da Gama, tem sido titular indiscutível na Amoreira, contabilizando já 18 jogos oficiais e, perante a cobiça de outros clubes, a SAD do Estoril vai mesmo exercer a opção de compra prevista no contrato de empréstimo. Ao que tudo indica, o emblema português vai adquirir mais 30 por cento dos direitos económicos do brasileiro, pagando cerca de 300 mil euros ao Vasco da Gama, e ficará com metade do passe, uma vez que, aquando da cedência, o Estoril adquiriu 20 por cento, estando os restantes 50 divididos entre o jogador e os seus empresários. «O Estoril já sinalizou o interesse em exercer a opção de compra. Está quase tudo certo, faltam apenas alguns detalhes para terminar. Estamos só à espera desta janela de transferências para ver alguma coisa», confirmou Felipe Russo, empresário do jogador. Com este investimento, o Estoril fica salvaguardado de um possível avanço de outros clubes financeiramente mais poderosos. Recorde-se que, tal como A BOLA noticiou, CSKA Moscovo (Rússia) e Dínamo Zagreb (Croácia) têm o médio referenciado.
Estoril
08:35 - 18-01-2017
Telma Monteiro (ASF)
Telma Monteiro operada ao ombro quinta-feira
Telma Monteiro vai ser operada quinta-feira ao ombro esquerdo para resolver a complicada lesão contraída no combate em que garantiu a medalha de bronze nos Jogos do Rio-16 e que ainda não lhe permitiu estar apta para a nova temporada. De acordo com a edição de A BOLA desta quarta-feira, a decisão foi tomada após cinco meses de gorados esforços de recuperação com tratamentos.
Judo
08:18 - 18-01-2017
Contestação na chegada a Alvalade (fotos)
Cerca de quatro horas e meia após o final da partida em Chaves, a comitiva do Sporting foi recebida no Estádio de Alvalade sob a contestação de cerca de 50 adeptos “Joguem à bola, palhaços, joguem à bola” foram os primeiros cânticos dos adeptos assim que vislumbraram o autocarro que transportou a comitiva leonina desde o aeroporto. Por essa altura já as forças policiais tinham criado um perímetro de segurança para a passagem do veículo rumo ao interior da garagem do estádio. O ambiente esteve, no entanto, sempre muito tenso e ainda foram ateados alguns artefactos pirotécnicos, levando mesmo à intervenção das forças policiais, que acabaram por fazer dispersar alguns adeptos que estariam a tentar chegar à garagem. Mais ruído (e até algumas pedras lançadas) houve quando jogadores e equipa técnica começaram a sair da garagem nos seus automóveis particulares, mas em ritmo acelerado, por indicação policial. Noite difícil no reino do leão... Fotos: Sérgio Miguel Santos/ASF
Sporting
02:50 - 18-01-2017
Juve Leo arrasa estrutura e jogadores
A Juventude Leonina publicou ao início da madrugada, através do seu líder Nuno Vieira Mendes `Mustafa`, um texto muito contundente contra toda a estrutura do futebol do Sporting, manifestando o seu desagrado pelo momento da equipa. Leia o comunicado na íntegra: «Em face dos maus resultados e das exibições medíocres protagonizadas pela equipa de futebol profissional do Sporting Clube de Portugal, vem a Juventude Leonina questionar, de quem será a culpa? Da estrutura? Da equipa técnica? Dos jogadores? Estrutura a quem questionamos a realmente mais-valia de alguns jogadores contratados, que nem na distrital têm lugar, em vez aproveitar os nossos talentos da formação que estão a dar cartas em outros clubes. Da equipa técnica que em alguns casos tomou decisões incompreensíveis e umas quantas vezes egoísta em palavras proferidas recolhendo os louros para si mesma. Dos jogadores que entram em campo e jogam a passo, sem atitude, sem querer. Todos juntos não dignificam as nossas cores, as cores do Sporting Clube de Portugal. O ano passado éramos os maiores, entramos para esta época íamos ganhar tudo, atendendo a que a base da equipa é praticamente a mesma do ano passado, tendo saído apenas dois jogadores, perguntamos o que se passa? Uma equipa que ganha ao porto em casa, faz uma exibição brilhante em Madrid elogiada por toda a Europa, e não ganha, como todo o respeito, a um Chaves que acaba de subir de divisão e que comparado com o Sporting Clube de Portugal, nem um terço dor orçamento tem, deixa-nos envergonhados. A toda a estrutura dizemos que basta de desculpas com arbitragem, basta de desculpa com a sorte ou o azar, como se costuma dizer, a sorte procura-se, basta de falar constantemente nas outras equipas, o que realmente nos interessa é o Sporting Clube de Portugal. Nesta altura ninguém estará mais chateados como nós, com os milhares de euros que gastamos em prol do Sporting Clube de Portugal. Querem criticar o presidente, treinador e jogadores, tudo bem, mas nós não podemos fazer mais nada, o que se passou este ano é o que se passa em todos os anos, chega Janeiro estamos afastados de todas as competições. Aqui todos são culpados. Toda a estrutura merece a contestação dos sócios, pois são eles o maior património do Sporting Clube de Portugal, são eles que suportam o clube, logo têm todo o direito a manifestarem-se. A Juventude Leonina é totalmente contra qualquer tipo de desestabilização do Sporting Clube de Portugal. Alguns lembraram-se que o Sporting existia e saíram da toca à dois meses, única e exclusivamente para desestabilizar o Sporting Clube de Portugal, aproveitando os maus resultados da equipa. A Juventude Leonina não participa nem compactua com campanhas políticas, a única coisa que nos move é o amor incondicional ao Sporting Clube de Portugal. Podemos não nos manifestar, temos esse direito, pois na Juventude Leonina cada um é livre de votar no candidato que acha que melhor serve os interesses do Sporting Clube de Portugal. O que exigimos é o respeito e a dignidade total pelo Sporting Clube de Portugal, uma instituição centenária que devia ser um orgulho para qualquer um envergar a camisola verde e branca. Para concluir, esta situação não poderá ficar caída no esquecimento, terão que ser tomadas medidas. Qual será a melhor solução? O Presidente? O treinador? Os jogadores? De uma vez por todas, temos que perceber, que querem acabar com o Sporting Clube de Portugal, isso está à vista de todos. O que aconteceu este ano, passou-se durante todos estes anos. Há um senhor que diz que querem acabar com o Sporting, por isso só nos resta unir e renascer, pois só unidos venceremos. Independentemente dos resultados, apelamos ao mundo sportinguista, desde o adepto mais crítico ao maior apoiante, todos têm de ser responsabilizados.»
Sporting
02:00 - 18-01-2017
Bruno de Carvalho
Bruno de Carvalho não acompanhou comitiva para Lisboa
O presidente do Sporting não acompanhou a comitiva leonina no voo de regresso a Lisboa. Bruno de Carvalho esteve no autocarro que fez a ligação entre Chaves e o Porto, mas na chegada ao aeroporto tomou um carro particular. A chegada ao aeroporto Sá Carneiro foi tranquila, apesar do semblante carregado de jogadores, equipa técnica e restante staff. Poucos eram os adeptos presentes e até houve quem tivesse manifestado apoio. Note-se ainda para a situação do avançado brasileiro André, substituído devido a lesão ainda no decorrer da partida em Chaves e que deixou o autocarro aparado por um funcionário do clube, com grandes dificuldades de mobilidade na perna esquerda. A chegada a Lisboa não acontecerá antes das 2 da madrugada.
Sporting
01:06 - 18-01-2017
Emily Ratajkovski (Fotos: Instagram)
Conheça a nova madrinha da Juventus
A Juventus apresentou na noite de terça-feira, em Milão, o seu novo símbolo, mas foi a madrinha do clube a maior estrela da noite: Emily Ratajkovski. A modelo britânica, que tem enfeitiçado milhões de homens por todo o Mundo com as suas fotografias nas redes sociais e que já posou nua para a revista Treats Magazine, foi a escolhida do clube para ser a sua madrinha na gala de apresentação do novo logótipo.
A Bola de Estrelas
00:15 - 18-01-2017

destaques

Tentou pôr Camataru no Benfica, Ceaucescu não deixou…
Grande História Fernando Martins pediu-lhe ajuda, mas não, isso Mário Soares não conseguiu: não conseguiu trazer Camataru para o Benfica. Mas, salvando Futre da tropa, salvou o FC Porto de perder 630 mil contos. Ao FC Porto de Pedroto e Pinto da Costa dera a sua primeira Taça de Portugal como Primeiro Ministro – e a primeira como presidente deu-a ao Benfica. A Carlos Lopes prometeu um churrasco nos seus jardins – e cumpriu a promessa com um boi de 350 quilos. Com Moniz Pereira, seu vizinho no andar de cima, jogou ao botão. As suas prisões com a PIDE cruzaram-se com ataques em que também esteve Cândido de Oliveira – e sim, ainda há muito mais desporto (e muitas mais surpresas) na vida de Mário Soares. É o que aqui se conta – e vai bem para lá do que ele revelou que era com a bola nos pés e do pai, que quando ele nasceu ainda era padre, o ter entregue a Agostinho da Silva pedindo-lhe que lhe desse lições de cultura geral porque «só pensava em jogar futebol, dizer asneiras, era um insubordinado…» João Lopes Soares nasceu à beira de Leiria, filho de gente pobre do campo - e em 1900 formou-se em Teologia na Universidade de Coimbra, sendo ordenado presbítero. Andou como Capelão Militar pela província, era em Alcobaça que estava quando em 1907 lhe surgiu filho de uma «ligação em pecado», Tertuliano lhe chamou. Transferiram-no para Lisboa, em Lisboa se tornou militante republicano, na ala de Afonso Costa. A monarquia chegou a prendê-lo por conspiração – e durante a I República foi, para além de professor nos Pupilos do Exército, governador civil, deputado – e Ministro das Colónias. NA PENSÃO,O ENCANTO DE ELISA... Em Lisboa, João Soares hospedou-se numa pensão da Rua Ivens, ao Chiado – e não tardou a encantar-se com a mulher do dono. Elisa Nobre apaixonou-se por ele, por ele deixou o marido – e foram viver para o 2º Esquerdo do nº 163 da Rua Gomes Freire. Às 18.15 horas do dia 7 de dezembro de 1924 nasceu-lhe um filho, registaram-no como Mário Alberto Nobre Lopes Soares – e só quando já tinha três anos é que a Santa Sé desobrigou, enfim, João Lopes Soares das ordens eclesiásticas, deixando, assim, oficialmente, de ser padre, tinha, então, 49 anos. A I República desfizera-se na coluna de Gomes da Costa que partira de Braga a 28 de maio de 1926 – e em fevereiro de 1927 João Lopes Soares envolveu-se na Revolta do Reviralho, o ataque à ditadura em que também estiveram Luís Carlos Faria Leal, fundador do Benfica – e João Tamagnini Barbosa, que a presidente do Benfica haveria de chegar à saída dos anos 40. Tal como Afonso Costa e António Sérgio, Faria Leal conseguiu escapar para exílio em França, Tamagnini Barbosa não: acabou deportado para os Açores, tal como João Soares. NO PRÉDIO DE MONIZ PEREIRA... No andar de cima do prédio da Rua Gomes Freire tinha um vizinho dois anos e meio mais velho que como ele se chamava Mário Alberto, o Mário Alberto Moniz Pereira – que em entrevista a A BOLA contou: - O meu pai era o representante em Portugal da FN, firma que fabricava automóveis e depois passou a fabricar armas e munições. Foi com um FN que se tornou o primeiro automobilista a dar a Volta a Portugal, o carro por vezes a ter de ser puxado por juntas de bois para cruzar rios e regatos. Talvez influenciado por esse seu espírito, depressa me pus a organizar no prédio grandes campeonatos com os meus irmãos, os nossos vizinhos. Na varanda era o salto em altura com a corda de estender a roupa e o salto à vara com o cabo de uma vassoura velha. Saltávamos em comprimento a partir da rampa da varanda e como não dava para mais em vez do triplo havia duplo-salto. No quintal, fazíamos 30 metros à volta da nespereira e jogávamos basquetebol com uma porta a fazer de ângulo com a parede a servir de cesto. Mais tarde as provas passaram do quintal para o passeio, a sarjeta era a tábua de chamada. Também tínhamos a Volta a Portugal em bicicleta - no quarto de costura com os cromos dos ciclistas na roda da máquina de costura da minha mãe, quem conseguisse dar mais voltas ganhava. O Mário Soares, mais novinho, não entrava nesses nossos torneios, mas ficava sempre a ver – e de quando em quando jogava ao botão connosco. E sim: muitas vezes nos assustámos ao ver a PIDE entrar de rompante pelo andar, à procura do pai do Mário, que até escondido na nossa casa chegou a estar… Em fevereiro de 1991, Mário Moniz Pereira fez 70 anos – e 250 amigos foram a Monsanto festejá-los. Um deles era, claro, o Mário Soares, já presidente da República, mas ali, sobretudo, numa outra condição. Emocionado, recordou: - Lembro-me, claro, de brincar com ele ao botão, na Rua Gomes Freire, mas tenho de dizê-lo: estou vexado por estar aqui reunido entre tantos desportistas e campeões e nunca ter praticado desporto a sério... e viu-se, fogacho a correr-lhe pelos olhos quando, no final do seu discurso Moniz Pereira se virou-se para ele e lhe disse: - Para terminar em beleza esta homenagem, vou entregar ao meu amigo Mário Soares uma velhinha recordação da nossa infância: a caixa do jogo do botão, com as fichas de inscrição, nomes dos jogadores e cores dos respetivos botões, é a minha surpresa para ele... A BOLA, A ASMA E A PROMESSA À SENHORA DE FÁTIMA... Uma das razões para nunca ter praticado desporto a sério – foi, sempre o achou, a sua magreza – e por isso, além de Gigi ou de Licas, também o tratavam por Lingrinhas, vivia com o pai preocupado a querer afastá-lo dos «jogos da bola». A outra razão foi sofrer de asma - e a propósito da asma há nele, a desfiar-se, uma outra deliciosa memória: - A minha mãe era muito religiosa e fez promessa, pedindo que eu me curasse da asma. Curei-me da asma, passaram os anos, por uma razão ou outra não cumpria a promessa. Até que um belo dia resolveu cumpri-la. E lá fomos os dois a Fátima, eu já adolescente, com uma vela da minha altura. Achei-me ridículo. Continuou a ser o que já decidira ser: republicano e laico – e a asma voltou a dar deliciosa memória, memória que está no livro de Joaquim Vieira: - Com o pretexto de que eu estava com asma e não podia tomar banho frio, o médico da prisão de Caxias aceitou que eu tomasse banho quente. Eu punha-me completamente nu dentro do alguidar, com a malta toda a ver, e o guarda prisional regava-me com um regador…...
Do Passado para o Presente Mirabolantes, coisas que aconteceram nos primeiros jogos entre Benfica e Sporting. Num deles, desatando a chover copiosamente os sportinguistas não quiseram jogar a segunda parte – e foi preciso o árbitro ir ao balneários obrigá-los a voltar ao campo. Noutro, o erro do árbitro levou a que o Benfica ganhasse por 2-1 – e lendo, no jornal do dia seguinte, a justificação para o penalty, o Benfica pediu que se transformasse a sua vitória num empate, a União do Futebol (era assim que se chamava o que haveria de transformar-se, depois, em AFL…) recusou-lhe o pedido. Mas não, não é só de romantismo assim que aqui se fala. Também se fala de dissidente do Sport Lisboa que José Alvalade levou para o Sporting «verdadeiramente perigoso» - e das duas bofetadas que o guarda-redes do Sporting deu a dois benfiquistas e por causa disso acabou José Alvalade suspenso por um ano. E ainda se conta como os clubes nasceram – um à míngua e outro em glamour… Para um jogo de futebol com o CIF juntaram-se num misto alunos da Casa Pia de Lisboa e dos Catataus (era assim que se conhecia o Belém Football Club dos irmãos Rosa Rodrigues). Ganharam e decidiram comemorar a proeza no Café Gonçalves, na Rua de Belém. De repente, soltou-se a ideia, num brado de alguém: - E se fundássemos um clube novo? A ACTA QUE COSME NÃO ASSINOU POR... MODÉSTIA Depois do almoço, reuniram-se todos na Farmácia Franco, no outro lado da rua – e fundaram mesmo. Foi a 28 de fevereiro de 1904 - e assim nasceu o Sport Lisboa. Cosme Damião redigiu a acta e por modéstia não quis escrever nela o seu nome. Logo se acertou que presidente seria José Rosa Rodrigues, o mais velho dos irmãos Catataus; que o símbolo seria uma águia - «por significar elevação de propósitos, largo espírito de iniciativa e ânsia de subir o mais alto possível»; que a divisa seria Et Pluribus Unum - como apologia de união na comunhão de sentimentos. O major José da Cruz Viegas escolheu o vermelho e branco por «traduzir alegria, colorido e vivacidade e ser fonte de entusiasmo» - e compraram-se camisolas flanela na Alfaiataria Nunes e uma bola ao Cricket Club por 1500 réis. Problema, logo se viu, era a falta de campo decente. Os treinos foram-se fazendo numa faixa de terreno junto da linha de comboios para Cascais. Quando a CP exigiu a expulsão dos «footballers» através de uma ordem de despejo entregue pelo guarda da passagem de nível - e tudo piorou ainda mais. O Sport Lisboa procurou, então, guarida entre as Salésias e as Terras do Desembargador para os jogos e treinos montavam-se e as balizas – e depois desmontavam-se, havia um carpinteiro que recebia 50 réis pelo trabalho. Para o banho usava-se a água de um poço, havia um moço que a retirava com um balde e despejava-a pela cabeça abaixo dos jogadores. Januário Barreto fizera parte da equipa da Casa Pia que em 1897 quebrara a invencibilidade dos ingleses do Carcavelos no futebol que se jogava em Portugal. Não fundou o Sport Lisboa mas depressa aderiu ao projeto. Aliás, quando a Farmácia Franco passou a ser acanhada para tal e não havia sede disponível as reuniões eram no seu consultório médico da Rua Nova de Almada. Por isso, foi sem surpresa que, em novembro de 1906, se tornou o primeiro presidente eleito do SL, ficando com Manuel Gourlade a primeiro secretário, José Rosa Rodrigues a segundo e Daniel dos Santos Brito a tesoureiro. Elaboraram os primeiros estatutos, afanaram-se em trabalhos para adquirir o campo de jogos, mas em vão – e essa foi a razão porque, à entrada para 1907, o SL parecia condenado a colapso. Ou pior... NO QUE DEU O GAROTO ATROPELADO, À NOITE, JUNTO À CERCA… Sem o terreno da CP, na zona que constituía a cerca do quartel e que era também utilizada para exercícios militares de dois regimentos de tropa a cavalo, o Sport Lisboa passou a treinar-se às escuras, ao fim de tarde - e num desses treinos um garoto foi... «atropelado» (foi assim que a notícia surgiu no jornal) por António Rosa Rodrigues. Ficou com a perna fraturada – e o velho Catatau, o pai que tinha negócios de armação e pescas, proibiu os filhos de voltarem a jogar à bola assim, razão porque no SL se suspendeu toda a atividade. DOS DISSIDENTES DE BELÉM AO GLAMOUR DO SPORTING... Com os 550 mil réis que o avô lhe foi dando, José de Alvalade construiu no Lumiar, para o seu Sporting, o «melhor campo atlético de Portugal». O único problema era faltar-lhe equipa para o futebol. Ouvindo falar do que acontecera em Belém, lançou para lá o canto de sereia: que não oferecia apenas campo decente para treino e jogo, oferecia balneários com chuveiros banho quente de imersão, bolas novas, duas camisolas por desafio se chovesse - e no final de cada «match» soirées e chás dançantes com as senhoras mais ilustres da alta sociedade lisboeta. Sete jogadores do Sport Lisboa disseram-lhe que sim. Entre eles António Couto e Francisco dos Santos, que haveriam de ser o arquiteto e o escultor da estátua do Marquês de Pombal. Para o Lumiar foi igualmente Daniel Queirós dos Santos que haveria de chegar a presidente do Sporting – e os irmãos António e Cândido Rosa Rodrigues – só José, o mais velho dos Catataus, se escusou ao Lumiar. OS 27 MIL RÉIS QUE SALVARAM O SONHO QUE SAÍRA DA FARMÁCIA FRANCO… Outros, poucos, houve que não aceitaram o repto de José Alvalade – e, apesar da debandada dos demais recusaram-se a aceitar de ânimo leve sentença de morte ao Sport Lisboa. Para arranjar dinheiro para a inscrição no Campeonato de Lisboa, fez-se subscrição pública de emergência que rendeu 27 mil réis, graças sobretudo à boa vontade e à bolsa de Félix Bermudes, de Cosme Damião e de Manuel Gourlade, escriturário da Farmácia Franco, que chegou a ter 40 mil réis empenhados no SL, salvou o clube, não se salvou ele de morrer quase na miséria, por causa de «devaneios como esse», diria a família, depois... Antes do campeonato de Lisboa de 1907 arrancar, o Sporting fizera o seu primeiro jogo num torneio do CIF. Contra o FC Cruz Negra. Perdera-o por 1-5. O seu único golo, o primeiro da sua história, foi apontado por um jogador de ténis a quem José Alvalade pedira o favor de ir ao futebol: D. João de Vila Franca. Depois, Alípio da Motta Veiga, Octávio Teixeira Bastos e António das Neves Vital saltaram do Cruz Negra para o Sporting – e juntando-se ao «contingente de Belém» também eles defrontaram o Sport Lisboa – e ninguém imaginava que, nessa tarde, estava a começar o mais apaixonante derby de Portugal... AINDA SEM STROMP E DE BRANCO… O jogo com o Sport Lisboa, já a contar para o Campeonato de Lisboa, era para ser no Lumiar, não foi – foi no Campo da Quinta Nova, que pertencia aos ingleses do Cabo Submarino, o Carcavelos. O Sporting jogou todo de branco - e sem nenhum Stromp. O Francisco e o António ainda não eram da primeira equipa, o Francisco já entraria, porém, no derby seguinte... Cândido Rosa Rodrigues, um dos dissidentes do Sport Lisboa, fez o primeiro golo do Sporting, logo após o intervalo, Eduardo Corga empatou– e o que se segue é o que está, delicioso, na crónica de Os Sports: «Obtido esse resultado, eles marcham com mais energia, e o Sporting defende-se mal e com dificuldade, praticando novamente outras irregularidades. Quando todas as probabilidades lhe dão a vitória, cai uma bátega e o campo, alagado, não deixa caminhar a bola. Enquanto o Sporting abandona o campo, refugiando-se os seus jogadores nos balneários, o Sport Lisboa permanece quedo. Mister Burtenshaw, o árbitro, obriga-os a voltar e eles obedecem com visível má vontade. A chuva, tendo tornado frios os rapazes do Sport Lisboa, abate um pouco a sua energia e os adversários aproveitam-se e marcam novamente goal». A DERROTA COM TOQUE DE COSME DAMIÃO E O SPORTING… «BRUTALMENTE» Esse golo, o que deu ao Sporting vitória por 2-1, foi marcado na própria baliza por... Cosme Damião, quase à beira do fim – e o cronista (não identificado...) de Os Sports não deixou de notar a tropelia do destino: «Uma infelicidade - e precisamente do homem que mais estava lutando pela vitória e mais lutava na resistência à crise do Sport Lisboa»… sublinhando, por fim: «O Sporting, em grande parte, jogou butalmente. Os seus jogadores cometeram irregularidades em barda e neste género sobressaiu Albano dos Santos, jogador verdadeiramente perigoso». A talho de foice, ainda adiantou ao seu escrito: «O Sport Lisboa esteve muito bem, mas com muita infelicidade, talvez motivada pela enervação de se encontrar com um grupo formado por antigos irmãos, cuja recordação é um fel…» e rematou, poético: - Couto e Cândido são os sóis que iluminam o grupo. UM ERA INGLÊS, OUTRO SÓ PARECIA… Nessa altura, o futebol em Portugal era ainda dominado por ingleses que para cá tinham vindo em trabalho. Os «mestres» eram os do Cabo Submarino, os do Carcavelos. Mas havia outros, também havia a equipa do Braço de Prata, ainda antes da fábrica se tornar em fábrica de munições para o exército – e foi no Braço de Prata que Charles Etur apareceu a jogar. Saltou para o Grupo Sacavém e para o Gilman – e acabou no Sporting, foi o treinador desse primeiro jogo com o Benfica, pôs a equipa a alinhar assim: Emílio de Carvalho; Daniel Queirós dos Santos e José Belo; Albano dos Santos, António Couto e Júlio Nóbrega de Lima; António Rosa Rodrigues, Cândido Rosa Rodrigues e Jacob Eagleson, José da Cruz Viegas e Henrique Costa. Pode, pode parecer que sim, que nessa primeira vez houve um inglês no Sporting, que jogou todo de branco: Jacob Eagleson. Inglês não era, era filho de inglês – que viera para Sacavém contratado pela firma Graham & Cª e foi em Sacavém que Jacob nasceu. Além do futebol, destacou-se na natação e no... golfe, mas foi no cricket que se tornou estrela, estrela numa equipa do Sporting que contava também com Charles Etur e... José de Alvalade. DRAMÁTICO O DESTINO DO TREINADOR QUE DEIXOU DE APARECER… Foi Cosme Damião quem o contou, muitos anos depois, numa evocação em A Bola, a Cândido de Oliveira: - Tu não calculas o que era a figura desse rapaz, o Manuel Gourlade. Estou-o vendo: aparecia sempre equipado, por completo - da cabeça aos pés: kepi preto, camisa branca, calção preto, meias de futebol e botas também de futebol. Mas o que dava mais nas vistas era uma grande faixa sobre a camisa, a tiracolo, com as três cores da bandeira francesa. Não soubemos a princípio o seu nome. Começou a aparecer talvez no terceiro treino. do Sport Lisboa. Não jogava. Dava apenas uns pontapés. Conhecia muito bem as leis do jogo, os seus segredos. Tomou para nós, o papel de técnico do futebol... Gourlade era empregado da Farmácia Franco – e também de uma outra no Conde Barão. Treinador do Sport Lisboa se manteve até finais de 1908. De repente, deixou de aparecer no clube, no clube que já era Sport Lisboa e Benfica. Houve quem soubesse que por imposição da família, a família rica que não lhe aceitava o desbaratar de mais dinheiro na «loucura pelo football» - e fora isso que o fizera tomar a decisão que tomara. Anos depois, muitos anos depois, Daniel dos Santos Brito, um dos dissidentes do Sport Lisboa que saltara para o Sporting (e haveria de se tornar um dos seus principais dirigentes...) descobriu Manuel Gourlade em «situação de degradação física e económica» perdido pela cidade - e conseguiu que o acolhessem no Asilo d`Espie Miranda, em Campolide, onde morreu, a caminho dos 70 anos, em 1944. Para o primeiro jogo do Sport Lisboa com o Sporting, a equipa que Gourlade fez foi: João Carvalho Persónio; Luís Vieira e Leopoldo Mocho; Alves, Cosme Damião e Marcolino Bragança; Félix Bermudes, António Costa, Eduardo Corga, António Meireles e Carlos França. (Não, o Sporting não ganhou esse Campeonato de Lisboa de 1907/1908, ganhou-o o Carcavelos. O Sporting ficou em segundo lugar - e o Benfica em terceiro.) ...
Do Passado para o Presente Com novo Benfica-Sporting a caminho, regressa-se a 10 de fevereiro de 1935. Foi o dia do primeiro Benfica-Sporting para o campeonato. Mais do que recordá-lo apenas – o que aqui se faz é mostrar-lhe um país onde a hipocrisia se misturava com a moral de sacristia. Acabou num empate, campeão foi o Benfica - a treiná-lo estava Vítor Gonçalves. 40 anos depois, o filho, tinha o país a arder, no PREC, era Vasco Gonçalves. Na segunda volta, o Sporting ganhou – e na sua primeira vitória para o campeonato houve pé de um brasileiro de Águeda que depois viveria drama no Porto, o drama de ter de ir para a baliza do Sporting sofrer oito golos, perder por 10-1… Até essa época de 1934/35, Portugal não tinha campeão a sair de uma Liga – para além dos Campeonatos Regionais havia o Campeonato de Portugal disputado ao jeito do que é hoje a Taça. A ideia de mudança fora de António Ribeiro dos Reis, Cândido de Oliveira e Maia Loureiro – e resultara sobretudo de um choque telúrico, a derrota da seleção em Espanha por 9-0: - A goleada, no apuramento na o Campeonato do Mundo, deu motivo a ironias e grandes gozações, mas acabou por ser mal que veio por bem. O Campeonato de Lisboa era, realmente, um torneio cada vez mais desinteressante (o último, então, carregadinho de problemas, até perdera a dignidade), o Campeonato de Portugal era uma prova rápida, a eliminar, faltava de facto uma Liga, no qual as melhores equipas se defrontassem entre si, felizmente fez-se... O derby, o primeiro Benfica-Sporting para o campeonato nacional, foi à quarta jornada, no Campo das Amoreiras – e acabou num empate.Carlos Torres marcou aos 27 minutos para o Benfica, Mourão empatou aos 65. NA PRIMEIRA VITÓRIA DO SPORTING, O GOLO DO MÁRTIR DOS 10-1... Na segunda volta, o Sporting bateu o Benfica por 3-1 - no Lumiar. Foi a 31 de março de 1935. Um dos três golos marcou-o Rui Carneiro. Era de Águeda e aos 13 anos, os pais emigraram para o Brasil, ele foi com eles. Lançou-se no futebol no Palmeiras - e de um momento para o outro decidiu voltar a Águeda. Joseph Szabo descobriu-o no Recreio - e levou-o para o FC Porto: - Desgostoso com as rivalidades internas que se viviam no FC Porto, achei que o melhor era regressar a Águeda e quando estava a caminho, o Sporting chamou-me para o Lumiar... No Sporting esteve só essa época - e mais uma, a última deu-lhe lugar na história: avançado portista atirou, com a força do seu remate, Artur Dyson para o hospital, para o seu lugar, na baliza, foi Rui Carneiro, sofreu oito golos na histórica goleada do FC Porto ao Sporting: 10-1. Ainda passou pelo Belenenses - e de voltou a dar nova volta à vida: foi de novo para o Brasil, ainda jogou no Vitória da Bahia, tornou-se treinador de sucesso no Esporte Clube Vitória. Os outros golos da primeira vitória do Sporting sobre o Benfica? Um foi de Francisco Lopes, outro foi de Manuel Soeiro. Sim, por essa altura, Adolfo Mourão era a estrela no Sporting. Chegara ao Lumiar em 1926 – e ainda antes de fazer 17 anos já se tornara titular indiscutível na linha de ataque. Aliás, antes, no Carcavelos, onde se lançara como jogador, falsificavam-lhe a idade para o pôr a jogar na primeira categoria: - Como tinha 14 anos, não podia... Dirigente do Sporting vira-o num desafio entre a Casa Borges & Irmão e a Casa Bertrand, no Campo Grande – e desviara-o para lá. GINÁSTICA DE PIJAMA, PELA MADRUGADA... Aliás, no Sporting havia o Mourão – e já havia, em igual fulgor, o Soeiro. Na época anterior, voltando Joaquim Oliveira Duarte, comandante da marinha, à sua presidência, voltou Filipe dos Santos, que de lá escapara, antes em tremenda turbulência, ao seu comando técnico - e o levara para Espanha. Novidade foi passar a haver nos seus jogos do Sporting claque organizada. O Sporting ganhara o Campeonato de Lisboa – e o Campeonato de Portugal de 1933/34 (a que o FC Porto não concorrera por estar suspenso pela FPF) mas, no fundo quem o ganhou foi o Soeiro. A final fora com o Barreirense, fechou-se a 4-3 e graças aos seus quatro golos – falou-se, pela primeira vez num jornal, em... poker, o poker do Soeiro, do Manuel Soeiro Vasques. Nascera e crescera no Barreiro e lá vivia. Para além de jogar futebol, passou a explorar a tabacaria do Sporting, vendendo jornais, revistas, cigarros, charutos - e antes de Filipe dos Santos o descobrir, descobriu ele Filipe dos Santos: - Estava no Luso e via o senhor Filipe a dar ginástica aos jogadores, que encaravam aquilo quase como um sacrifício. Estabeleci um plano de campanha. Pela manhã cedo, seis horas normalmente, levantava-me, vestia o pijama e sozinho ia para o quintal imitar o que tinha visto fazer ao senhor Filipe. Saltava à corda, fazia flexões, movimentos respiratórios, corria, pendurava-me... Minha mãe ao ver-me exercitando — e começava logo na cama, com abdominais — dizia que eu era maluco, não saindo a nenhum deles! Mas não, foi assim que se me abriu caminho para o sonho de ser do Sporting, do Sporting do senhor Filipe... O GUARDA-REDES QUE NÃO QUERIA ALTERNAR... Nesse primeiro Benfica-Sporting para a Liga repetiu-se o que acontecera na final daquele Campeonato de Portugal de 1933/34: para a baliza leonina foi Jordão Jóia, que viera do Nacional da Madeira - e não Artur Dyson, o Dyson que já antes lamentara: - Não compreendo a atitude da Direção do Sporting, do nosso treinador. Chamaram-me para me dizer que alternaria com Jóia. Recusei. Não me importava absolutamente nada de ir para a reserva, mas andar a saltitar, isso não, não me parece bem. Ao Jóia só reconheço uma vantagem sobre mim: a atenção ao jogo. Sou, de facto, um jogador... distraído, por vezes nem me recordo de que estou a jogar! O treinador do Benfica, que do Benfica faria campeão da Liga de 1935/36, era Vítor Gonçalves, o pai de Vasco Gonçalves, o primeiro ministro que em 1975 incendiaria Portugal com o PREC – e o do Sporting era um romeno: Wilhelm Possak. Jogara no Timissoara, notabilizara-se no Ujpest e no Vasas de Budapeste e, já em final de carreira, apareceu, quase à aventura, no Lumiar. Joaquim Oliveira Duarte, sabendo do fulgor do seu passado, ofereceu-lhe contrato de jogador e de treinador. Essa Liga de 1934/35, a primeira da história, acabou ganha pelo FC Porto – com o Sporting em segundo lugar e o Benfica em terceiro. Ainda houve, nessa época, Campeonato de Portugal – e no Campeonato de Portugal, os sportinguistas vingaram-se dos portistas, afastando-os da final com 0-0 no Lima e 4-0 no Campo Grande. O PRIMEIRO BENFICA-SPORTING NA FINAL DO CAMPEONATO DE PORTUGAL Adversário na final do Campeonato de Portugal? O Benfica - e foi a primeira vez em que a final do Campeonato de Portugal se vez entre Benfica e Sporting. No Campo do Lumiar, perante mais de 30 mil espectadores - Óscar Carmona, o Presidente da República que tinha um neto que haveria de jogar futebol no Sporting, o Sporting de que ele era Sócio Honorário, chamou à tribuna de honra os finalistas, cumprimentando-os um a um e desejando-lhe «sorte e raça». Mourão fez 1-0, Lucas empatou - e Valadas pintou o título de vermelho. Campeonato de Portugal houve ainda em mais três edições. Na de 1935/36, o Sporting ganhou a final ao Belenenses. Na de 1936/37, o FC Porto ganhou a final ao Sporting. E na de 1937/38, o Sporting ganhou a última final da prova que deu lugar à Taça de Portugal ao Benfica - e o Benfica que perdera a primeira das quatros edições do Campeonato da Liga (que a partir de 1938/39 passou a denominar-se Campeonato Nacional da I Divisão) venceu as três seguintes. (E, com isso, campeão da Liga foi o que o Sporting nunca foi...) ...