SEXTA-FEIRA, 22-05-2015, ANO 16, N.º 5592
Chegou a hora de Ronaldo
Portugal
O grande líder, o querido líder e o nosso líder
03:00 - 21-06-2010
É hora de Ronaldo assumir rédeas na Selecção. Não ganhar à Coreia do Norte pode ser o fim.

É agora ou nunca! Não há volta a dar. Aos 25 anos, chegou a hora de Cristiano Ronaldo ser o comandante da Selecção, dando brilho ao estatuto que, há ano e meio, o levou ao título de melhor jogador do Mundo. O desafio da Coreia do Norte, hoje à hora de almoço, apresenta-se como um dos maiores da carreira do nosso 7, do nosso novo menino de ouro, do nosso líder da actualidade, depois de Eusébio nos anos 60 e de Figo nos anos 90 e no novo milénio.

Chegou a tua vez, Ronaldo! Não vencer hoje a Coreia do Norte pode ser o fim. Pode significar o princípio do adeus de Portugal ao sonho sul-africano. E pode, por acréscimo, implicar que o jogador mais caro de sempre (o Real Madrid pagou, há um ano, perto de 100 milhões de euros ao Man. United) fique fora do Mundial no final da primeira fase, restando-lhe esperar pelos 29 anos para, no Brasil, em 2014, ter nova e, provavelmente, derradeira tentativa de sagrar-se campeão mundial, um sonho tantas vezes confessado.

Inspiração lusitana não lhe faltará. Desde logo porque o jogo se realiza numa das cidades mais marcantes da nossa história, a Cidade do Cabo, o da Boa Esperança que deixou de ser das Tormentas quando o navegador Bartolomeu Dias, em 1488, o dobrou e deu novos mundos ao Mundo.

KIM PAI, KIM FILHO

A Coreia do Norte é a selecção mais misteriosa e desconhecida do Mundial, muito por culpa do regime de clausura e da ditadura em que vive o país asiático comandado, entre 1948 e 1994, por Kim Il-Sung (o Grande Líder, também conhecido por Eterno Presidente) e, desde 1994, dirigido pelo seu filho, Kim Jong-Il (o Querido Líder, também tratado como Supremo Líder). Da selecção norte-coreana sabia-se apenas que corria muito, que era solidária a defender, que tinha um ou dois jogadores perigosos a atacar. Argumentos confirmados na derrota da primeira jornada com o Brasil, por 1-2.

É contra esta selecção exótica que Cristiano Ronaldo deve assumir o papel de grande líder, de querido líder, de nosso líder rumo à primeira vitória neste Campeonato do Mundo. Tal como em 1966, no Mundial de Inglaterra, Eusébio liderou os magriços a fantástica reviravolta, precisamente contra norte-coreanos (nos quartos-de-final, Portugal recuperou de 0-3 e ganhou por 5-3, com quatro golos do Pantera Negra). Tal como, no Euro-2000, com a Selecção a perder por 0-2 frente a Inglaterra, Luís Figo pegou na bola a meio-campo, correu com ela e, ainda longe da grande-área, disparou um míssil para o 1-2, liderando os portugueses a nova recuperação histórica: Figo foi buscar a bola ao interior da baliza e o seu gesto, semelhante ao de Eusébio em 66, inspirou os companheiros até à vitória por 3-2.

O GOLO QUE TARDA...

Esta é a hora de Ronaldo. Portugal mostrou-se perdido, sem soluções, sem rumo, no empate a zero com a Costa do Marfim. Precisa de uma referência! Ela quase surgiu naquele disparo do número 7 ao poste. Foi por pouco o tal golo que o capitão Ronaldo persegue desde 11 de Fevereiro de 2009, quando apontou o último, num particular frente à Finlândia (1-0). Que esse golo e esse líder aguardado surjam hoje, a partir das 12.30 horas, para que milhões de portugueses continuem a sonhar.
João Pimpim

comentários

0
Imprimir Enviar e-mail Facebook Twitter
Faça um comentário (máx: 300)

mais de PORTUGAL

Portugal O treinador português, José Mourinho, e o capitão da seleção nacional, Cristiano Ronaldo, estão integrados na lista VIP de contribuintes divulgada esta quinta-feira pelo
Portugal Depois da derrota com a França por 2-1, o central português comentou a forma como Portugal entrou no jogo, bem como tudo o que sentiu com o regresso à seleção. «Quando

destaques

O que Portugal do Hélio tem a ver com as habilidades do Harry (e o truque para quase ganhar a Usain Bolt...)
Estilos e Espantos Tinha 13 anos quando perdeu a mãe num trágico acidente de viação. Valeu-lhe o apoio do irmão, o outro príncipe de Inglaterra já casado e com dois filhos. Quanto a ele, é aos 30 anos o solteiro mais cobiçado de todos os tempos, mas quem o conhece diz que nunca chegará ao trono. Apaixonado por desporto não há nada que o pequeno príncipe não saiba fazer – futebol, atletismo, basquetebol, râguebi. Mas o seu ponto fraco são as mulheres. Levou uma ex-modelo para a prisão, envolveu-se com uma prima e terá tido um caso amoroso com uma empregada de bar, uma cópia da bela Kate Middleton. Conheça o outro lado do Bad Boy, o quinto na linha de sucessão ao trono que foi acusado de insultos racistas e foi visto com um uniforme nazi... Se há alguém na corte capaz de desafiar as leis impostas pela monarquia, é ele: Henry Charles Albert David. Para alguns só Harry é o suficiente, embora Bad Boy também lhe sirva na perfeição. As circunstâncias teriam que ser extremamente incomuns para que se tornasse rei, o que lhe dá uma liberdade que o irmão nunca teve. E nessa liberdade de vida há, além de polémicas, desporto - e no desporto o mostrar das suas últimas habilidades foi na promoção do Mundial Sub 20 da Nova Zelândia - o Mundial onde a seleção de Hélio Sousa vai estar a sonhar, a sonhar com o pédio por que já passaram outras, as seleções de Carlos Queirós e a seleção de Ilídio Vale - que já o disse acredita, acredita que Portugal possa sair de lá com o tricampeonato do mundo até... ...
A correr no Tempo Foi há 130 anos, a 17 de maio de 1885, a primeira competição de ciclismo em Portugal. Disputou-se no Hipódromo de Belém, o hipódromo que Eça de Queirós haveria de levar a Os Maias, Os Maias que por essa altura ainda só lhe estavam a borbulhar nas ideias. O hipódromo fora inaugurado, 500 metros a poente do Mosteiro dos Jerónimos em 1874 – e a última vez que lá se fizeram corridas de cavalo fora em 1883. Por essa altura, Artur Seabra fizeram um estranho «byciclo» com canos de espingardas – e por Lisboa confundiam-no como um louco de Rilhafoles. Não tardou, foi de bicicleta que Portugal teve o seu primeiro campeão do mundo, o seu primeiro recordista do Mundo, o José Bento Pessoa... A Revolução Francesa terminara havia dois anos e em 1790, Mousieur de Sivrac apresentou num festival de Longenhap a sua «moderna invenção». Chamou-lhe celerífero – por baixo de uma trave de madeira tinha duas rodas de 65 centímetros de diâmetro. À frente, como se fosse o guiador – peça a simular a cabeça de um leão, que também poderia ser de cavalo, onde as mãos se apoiavam. Sobre o selim se escarranchava o «condutor da máquina» - que se movia quando ele batia com os pés no chão. No que deu o rapaz cansar-se de arrastar os pés... 23 anos se andou assim. Até que em Karlsruhe, na Alemanha, o Barão Charles de Crois Dsaubon adaptou ao celerífero de Sivrac um eixo de direcção. Ficou com o nome de draisiana. Continuava a ser de madeira – e foi a mãe da bicicleta. Ernesto, o filho de 15 anos de Mousieur Michoux, cansado de arrastar os pés para mover a draisienne atirou o futuro ao ar: - Se puséssemos aqui manivela como a que temos na amoladora, isto andaria mais depressa, seria mais prático e assim, a uma oficina de Paris, chegou o tempo dos pedais e dos crenques. E em 1865 o das correntes. E em 1868 o das jantes com borrachas maciças, dos raios de ferro em vez dos raios de madeira e das chumaceiras com esferas. E em 1869 o da primeira corrida, organizada pelo Velocípede Illustré: 123 quilómetros, vitória de J. More em 10 horas. 1200 quilómetros em 71 horas, mas, para outros, foram... 240 horas A tecnologia continuou a avançar – e em 1876 o inglês Dodds estabeleceu o primeiro recorde da hora: 25,896 quilómetros. E o francês Charles Terront colocou o dos 100 quilómetros em 3.28 horas. E foi ele que partiu favorito para a prova lançada pelo Petir Journal que cronistas consideraram «espantosa e incrível»: Paris-Brest, 1200 quilómetros. Venceu-a. Em 71 horas e 21 minutos, à média de 16,727 km/h. Ao cabo de 10 dias – isso mesmo 240 horas, o tempo máximo de qualificação! – chegou o 100º classificado e ainda havia vários outros na estrada, foram eliminados... ...