SEXTA-FEIRA, 21-07-2017, ANO 18, N.º 6383
Estados Unidos
Casa Branca saúda votação simbólica anti-Maduro
00:08 - 18-07-2017
A Casa Branca expressou, esta segunda-feira, o seu apoio à consulta simbólica realizada no domingo na Venezuela contra o presidente Nicólas Maduro, na qual participaram 7,2 milhões de pessoas, considerando que o resultado mostra a condenação do regime de Caracas.

«Felicitamos os cidadãos venezuelano pela importante participação no referendo de ontem [domingo]», afirmou o porta-voz da Casa Branca, Sean Spicer.

«Condenamos toda a violência infligida por grupos ao serviço do governo contra os eleitores inocentes», vincou o responsável, em nome da Administração Trump.

Mais de 7,1 milhões de eleitores votaram na consulta simbólica contra o projeto de Assembleia Constituinte, promovido pelo Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, anunciou no domingo a oposição.
Redação

Imprimir Enviar e-mail Facebook Twitter

mais do dia

México As autoridades mexicanas anunciaram que mataram o líder e sete membros de um grupo de traficantes de droga no sul da capita do país. A Marinha do México anunciou que alguns marinheiros ficaram debaixo de fogo quando estavam a ajudar nas investigações das autoridades federais sobre o grupo de traficantes. Através de um comunicado divulgado, esta quinta-feira, a Marinha revelou que o grupo operava nos distritos de Iztapalapa e Tlahuac, a sul e leste da capital, onde além de venderem droga ta
Turquia O Presidente da Turquia apelou esta quinta-feira a Israel para retirar os detetores de metais dos acessos à esplanada das Mesquitas, em Jerusalém, no centro de crescentes tensões entre israelitas e palestinianos, revelou a agencia pró-governamental turca Anadolu. «Atendendo à importância de que se reveste Al-Haram al-Charif (a esplanada das Mesquitas) para todo o mundo islâmico, os detetores de metais instalados por Israel devem ser retirados no mais breve prazo possível», afirmou Rece
União Europeia Augusto Santos Silva, ministro dos Negócios Estrangeiros, disse que ainda não chegou o momento da União Europeia discutir as sanções contra a Venezuela. «Nós ainda não chegamos à fase em que tenhamos de discutir eventualmente a aplicação de sanções contra a Venezuela. Se chegarmos a esta fase, Portugal manifestará a sua posição», disse. O chefe da diplomacia portuguesa falou após o conselho de ministros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, em Brasília. Quando questionado sobre

destaques