QUARTA-FEIRA, 26-07-2017, ANO 18, N.º 6388
Guiné-Bissau
Governo lança consórcio para gerir cabo submarino de fibra ótica
17:35 - 17-07-2017
O Governo da Guiné-Bissau lançou hoje o consórcio que vai gerir o cabo submarino que vai trazer Internet de «melhor qualidade» ao país dentro de 18 meses, mas os trabalhadores da Guiné Telecom criticaram a iniciativa.

O consórcio designado Bissau Cabo, empresa que vai gerir o cabo submarino, é integrado pelas operadoras dos telemóveis móveis Orange (francesa) e MTN (sul-africana), com 51%, enquanto o Estado guineense detém os restantes 49%.

Na assinatura do memorando que cria o consórcio, o ministro dos Transportes e Telecomunicações, Fidélis Forbs disse que o projeto «é estruturante e que vai ajudar ao desenvolvimento» do país.

A representante do Banco Mundial (BM) em Bissau, Kristina Svenson, considerou como «muito importante» o projeto da instalação do cabo submarino, que irá trazer «Internet de melhor qualidade, mais rápida e mais barata» à Guiné-Bissau, dentro de 18 meses, enfatizou.

Svenson destacou o facto de, durante o exercício do ano passado, entre o Banco Mundial e a Guiné-Bissau, o projeto do cabo submarino ter sido «metade do portfólio» da instituição na sua relação com o Governo guineense.

A responsável salientou que o BM desbloqueou 35 milhões de dólares (30,5 milhões de euros) para o projeto.

Os trabalhadores da Guiné Telecom criticaram a forma como o Governo partilhou o capital social da nova empresa.

David Mingo, presidente do sindicato dos trabalhadores da Guiné Telecom, disse ser «inaceitável e incompreensível» que o Estado guineense «seja minoritário» num consórcio por si criado para gerir «uma infraestrutura tão importante» como é o cabo submarino.

Aquele dirigente sindical antevê ainda o fim da Guiné Telecom, porque, enfatiza, serão duas empresas estrangeiras que vão gerir o cabo da fibra ótica do país o que, alerta, será «um desastre» para a própria Guiné-Bissau.

«Em todos os países do mundo a empresa do Estado, neste caso a Guiné Telecom, é que gere toda a rede base do sistema de telecomunicações», defendeu David Mingo.

A Guiné Telecom deixou de operar desde o inicio dos anos de 2000 devido a problemas de gestão da empresa.
Lusa

Imprimir Enviar e-mail Facebook Twitter

mais do dia

Afeganistão O Ministério da Defesa afegão anunciou, esta quarta-feira, que pelo menos 26 soldados morreram e 13 ficaram feridos num ataque talibã contra uma base do Exército no sul de Kandahar, no Afeganistão. «Os terroristas atacaram o acampamento de Karzali ontem à noite», disse o General Dawlat Waziri, porta-voz do Ministério da Defesa, acrescentando que «os soldados resistiram corajosamente e mataram mais de 80 terroristas». Os talibãs reivindicaram o ataque na sua conta na plataforma de mensagens
Castelo Branco A Polícia Judiciária deteve uma mulher por suspeita de ter ateado o incêndio florestal que deflagrou no passado domingo em Castelo Branco, mantendo-se ainda ativo. A mulher, de 50 anos e doméstica, foi detida pela Diretoria do Centro e em coloboração com a Guarda Nacional Republicana, por suspeito de «um crime de incêndio florestal em terreno povoado por pasto seco e pinheiros, com utilização de isqueiro». No total, a Polícia Judiciária já identificou e deteve 40 pessoas pela autoria do cr
Santarém A adjunta de operações da Proteção Civil, Patrícia Gaspar, fez esta quarta-feira um balanço do estado dos incêndios em território nacional e revelou que a maior preocupação se prende com o incêndio da Sertã, em que uma das frentes de alastrou ao concelho de Mação. Esse incêndio conta com o apoio de «1.231 operacionais no terreno, 357 veículos e seis meios aéreos, dois espanhóis», sendo que poderá existir uma reavaliação dos pedidos de reforço internacionais. A responsável frisou que a «gra

destaques