QUINTA-FEIRA, 27-07-2017, ANO 18, N.º 6389
Coreia do Norte (Foto: AP)
Coreia do Norte
União Europeia ameaça Pyongyang com novas sanções
15:25 - 17-07-2017
A União Europeia avisou esta segunda-feira que poderá adotar novas sanções contra a Coreia do Norte devido aos programas nuclear e de mísseis balísticos que representam «uma séria ameaça à paz e segurança internacionais».

O Conselho da União Europeia ameaça adotar «repostas apropriadas em coordenação com parceiros chave e em linha com as deliberações do Conselho de Segurança da ONU, nomeadamente através de medidas restritivas autónomas adicionais».

Os Estados-membros querem que o regime de Pyongyang cumpra «com as suas obrigações ao abrigo de todas as resoluções relevantes do Conselho de Segurança da ONU e se abstenha de mais ações provocatórias que possam amentar tensões», o mais depressa possível.
Redação

Imprimir Enviar e-mail Facebook Twitter

mais do dia

Estados Unidos O principal conselheiro do presidente dos Estados Unidos para o Médio Oriente, Derek Harvey, terá sido demitido esta quinta-feira, sem que as razões tenham sido tornadas públicas. A informação foi divulgada por dois membros da Casa Branca com conhecimento do assunto, mas sob anonimato, uma vez que não têm autorização para o tratar em público. A Casa Branca ainda não confirmou que Harvey foi demitido, mas assegurou que já não é o principal conselheiro para o Médio Oriente. Em comunicado,
País O primeiro-ministro, António Costa, será recebido pelo presidente francês, Emmanuel Macron, na sexta-feira em Paris. Este encontro vai coincidir com uma conjuntura em que a França atingiu a primeira posto como mercado gerador de recietas para a hotelaria portuguesa. Entre os principais indicadores económicos referentes às relações luso-francesas, e que poderão ser analisados durante o almoço entre os dois governantes, no Palácio do Eliseu, está o facto de Portugal ser atualmente o quarto d
Reino Unido De acordo com o britânico The Independent, a polícia que investigou o incêndio na torre de Grenfell, em Londres, concluiu que existem «motivos razoáveis» para suspeitar que o Royal Borough de Kensington e Chelsea e a organização de gestão de condomínios TMO possam ter cometido homicídio corporativo. Ambos os chefes destas organizações irão ser formalmente interrogados no decorrer da investigação criminal à tragédia que matou, pelo menos, 80 pessoas. Uma «avaliação inicial» do materi

destaques