SÁBADO, 22-07-2017, ANO 18, N.º 6384
País
Ministério Público sofreu um ataque informático
22:03 - 19-05-2017
A Procuradora-Geral da República, Joana Marques Vidal, confirmou, esta sexta-feira que a paragem do sistema informático do Ministério Público deveu-se a um ataque informático, mas revelou que já voltou tudo à normalidade e que nada ficou afetado.

Joana Marques Vidal esteve presente no Encontro Nacional de Avaliação da Atividade das Comissões de Proteção de Crianças e Jovens, em Idanha-a-Nova e revelou: «Houve um ataque que levou a que fosse abaixo o sistema do Ministério Público (…). Neste momento está reposta a normalidade».

O ataque não atingiu bases de dados com informação sensível nem perturbou os sistemas de despacho de processos.

As primeiras informações divulgadas pelo Ministério referiam que não existiam certezas sobre se a paragem do sistema informático se tinha devido a avaria ou ataque.
Redação

Imprimir Enviar e-mail Facebook Twitter

mais do dia

Alcobaça Um homem morreu este sábado na sequência da colisão entre um motociclo e um veículo ligeiro, em Lameira, concelho de Alcobaça, informou o Comando Distrital de Operações de Socorro de Leiria. Além da vítima mortal, o acidente que ocorreu na Estrada Nacional 8 ao início da tarde, provocou também um ferido ligeiro. No local estiveram os Bombeiros de Alcobaça, a GNR e uma VMER do hospital de Leiria.
Palestina Um rapaz de 17 anos que tinha sido atingido a tiro durante confrontos com forças israelitas acabou por morrer, revelou o Ministério da Saúde palestiniano. Oday Nawajaa tinha sido ferido durante os confrontos a norte de Jerusalém. A morte do jovem ocorre um dia depois de os tumultos provocados por novas medidas de segurança serem adotadas na Esplanada das Mesquitas. Na passada sexta-feira foram mortos três palestinianos em Jerusalém e três israelitas na Cisjordânia.
Polónia Lech Walesa, ex-presidente da Polónia e prémio Nobel da Paz, juntou-se este sábado aos protestos que têm decorrido no país contra o projeto governamental que visa reformar o Supremo Tribunal, submetendo-o ao controlo do poder político. O ex-presidente polaco participou numa manifestação em Gdansk e lembrou aos manifestantes que a separação de poderes foi a conquita mais importante do sindicato Solidariedade e pediu que protestem na rua para impedirem o que o Governo acabe com esse fundamento.

destaques