SEXTA-FEIRA, 23-06-2017, ANO 18, N.º 6355
Lisboa
Rapariga colhida por comboio suicidou-se devido ao jogo da Baleia Azul
21:25 - 19-05-2017
Uma jovem de 14 anos foi mortalmente colhida por um comboio na estação de Braço de Prata, em Lisboa. O acidente ocorreu na passada segunda-feira, mas só esta sexta-feira foram conhecidos os contornos do acidente.

Segundo o programa o Notícias ao Minuto, não se tratou de um acidente. A rapariga ter-se-á suicidado e a autopsia garante que a jovem tinha sinais de automutilação compatíveis com os do jogo «Baleia Azul».

A família da rapariga terá pedido auxilio à Comissão de Proteção de Crianças e Jovens (CPCJ) e ao Hospital D. Estefânia, mas nenhuma das entidades seguiu o problema.

Contudo a CPCJ foi questionada pela RTP e confirmou que estava a acompanhar o caso. No entanto, o Hospital D. Estefânia preferiu não se pronunciar.

Esta é a primeira vítima mortal do jogo em Portugal.
Redação

Imprimir Enviar e-mail Facebook Twitter

mais do dia

Cabo Verde Mais de metade dos funcionários públicos cabo-verdianos tem vinculo de nomeação na administração pública, segundo dados oficiais de 2015, divulgados a propósito do Dia da Administração Pública Africana, que hoje se assinala. De acordo com os dados da Direção Nacional da Administração Pública (DNAP), em 2015 havia 18.327 funcionários públicos, 52,8 % dos quais tinham um vínculo de nomeação, enquanto 24,5% estavam ligados à administração pública através de contrato. Havia ainda 3% de trabalh
Bruxelas O primeiro-ministro, António Costa, esteve reunido em Bruxelas com a primeira-ministra britânica, Theresa May, que lhe apresentou os traços gerais da proposta de Londres sobre os direitos dos cidadãos, no entanto considera ser «prematuro» comentá-la sem conhecer os contornos específicos. «Eu tive oportunidade de reunir-me com a primeira-ministra britânica, e ela teve oportunidade de enunciar genericamente aquilo que só explicitará na segunda-feira (...) Hoje, sem conhecer os pormenores, obvia
União Europeia O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, disse que as propostas oferecidas por Theresa May para os direitos dos cidadãos da UE no Reino Unido após o Brexit são insuficientes», embora configurem um «primeiro passo». Durante o jantar de trabalho com os 27 parceiros na quinta-feira, a primeira-ministra britânica explicou que os cidadãos europeus que residem no Reino Unido poderão permanecer «legalmente» no país uma vez consumado o Brexit, com um «estatuto de residência». Londres p

destaques