DOMINGO, 23-07-2017, ANO 18, N.º 6385
Angola
Angola proíbe importação de carne de 21 empresas brasileiras suspeitas
12:36 - 19-05-2017
O Ministério da Agricultura de Angola proibiu a importação de carne proveniente de 21 estabelecimentos brasileiros em investigação naquele país, conforme despacho de 09 de maio a que a Lusa teve hoje acesso.

Em causa está o escândalo da carne exportada por empresas brasileiras em investigação por suspeitas de adulteração de produto estragado com recurso a químicos, conhecido em março e desde então também em investigação em Angola.

No despacho assinado pelo ministro da Agricultura, Marcos Nhunga, refere-se que as autoridades brasileiras confirmaram "as referidas irregularidades" e interditaram 21 estabelecimentos empresariais.

Estas mesmas empresas passam a ser proibidas de exportar carne para Angola, de acordo com este despacho, que ainda determina que os importadores devem «obrigatoriamente anexar no processo de importação a declaração do estabelecimento de origem».

«Os laboratórios nacionais de controlo de qualidade alimentar, sob coordenação do Instituto dos Serviços de Veterinária, devem proceder à análise e certificação de todas as mercadorias à chegada», refere o despacho, que também define a necessidade de «reforçar as atividades de inspeção e fiscalização das carnes provenientes da República Federativa do Brasil».

Angola lançou no final de março uma investigação à existência no país de carne proveniente de empresas do Brasil envolvidas na adulteração de produto estragado com recurso a químicos.

A polícia brasileira descobriu em março que várias das principais empresas de carne do país, com a cumplicidade de agentes públicos e gestores empresariais, «maquilharam» com produtos químicos carnes que estavam em mau estado e não cumpriam os requisitos para exportação.

Conforme indicou na altura à Lusa o diretor dos Serviços de Veterinária de Luanda, Edgar Dombolo, foram colocadas equipas no terreno a fazer a recolha de dados sobre as importações, não tendo sido divulgada qualquer situação anormal.

O responsável referiu que Angola importa carne bovina, suína e aves do Brasil, salientando que este caso merece alguma celeridade, para se informar o público consumidor.

O Governo brasileiro atribuiu as irregularidades a um delito de corrupção - a certificação de produtos adulterados foi obtida através de subornos - e não a um problema de saúde pública ou falta de controlo sanitário.
Lusa

Imprimir Enviar e-mail Facebook Twitter

mais do dia

Angola Centenas de jovens dedicam-se diariamente ao serviço de mototáxi no centro de Luanda, permitindo aos passageiros, a partir de 500 kwanzas (2,60 euros), escapar às filas de trânsito, mas a atividade é exercida sem qualquer tipo de licença. Do centro para outros pontos da cidade, os `kupapatas`, como também são conhecidos estes mototaxistas, garantem rapidez para chegar a qualquer local de Luanda, dependendo apenas do bolso do cliente/passageiro, um serviço onde a boa disposição, aparência e a
Estados Unidos Donald Trump apoia um projeto anunciado no passado sábado pelo Congresso para aumentar as sanções à Rússia devido em parte à alegada interferência nas eleições dos Estados Unidos. «Apoiamos o projeto de lei tal como está agora», disse Sarah Sanders, porta-voz da Casa Branca, numa entrevista à ABS News. A Casa Branca tinha-se oposto a uma versão anterior do projeto devido ao plano que limitava a capacidade de Trump para levantar as sanções ao país. O atual projeto mantém o limite,
Figueira de Castelo Rodrigo Uma pessoa morreu e duas ficaram feridas gravemente em Nave Redonda, no concelho de Figueira de Castelo Rodrigo, na sequência de um despiste. O alerta foi dado pelas 14.43 horas, revelou fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro da Guarda. Para o local foram mobilizados meios dos bombeiros de Figueira de Castelo Rodrigo e de Almeida, no distrito da Guarda. Elementos da GNR e uma VMER. As causas do acidente ainda estão por determinar.

destaques