SÁBADO, 27-05-2017, ANO 18, N.º 6328
Angola
Angola proíbe importação de carne de 21 empresas brasileiras suspeitas
12:36 - 19-05-2017
O Ministério da Agricultura de Angola proibiu a importação de carne proveniente de 21 estabelecimentos brasileiros em investigação naquele país, conforme despacho de 09 de maio a que a Lusa teve hoje acesso.

Em causa está o escândalo da carne exportada por empresas brasileiras em investigação por suspeitas de adulteração de produto estragado com recurso a químicos, conhecido em março e desde então também em investigação em Angola.

No despacho assinado pelo ministro da Agricultura, Marcos Nhunga, refere-se que as autoridades brasileiras confirmaram "as referidas irregularidades" e interditaram 21 estabelecimentos empresariais.

Estas mesmas empresas passam a ser proibidas de exportar carne para Angola, de acordo com este despacho, que ainda determina que os importadores devem «obrigatoriamente anexar no processo de importação a declaração do estabelecimento de origem».

«Os laboratórios nacionais de controlo de qualidade alimentar, sob coordenação do Instituto dos Serviços de Veterinária, devem proceder à análise e certificação de todas as mercadorias à chegada», refere o despacho, que também define a necessidade de «reforçar as atividades de inspeção e fiscalização das carnes provenientes da República Federativa do Brasil».

Angola lançou no final de março uma investigação à existência no país de carne proveniente de empresas do Brasil envolvidas na adulteração de produto estragado com recurso a químicos.

A polícia brasileira descobriu em março que várias das principais empresas de carne do país, com a cumplicidade de agentes públicos e gestores empresariais, «maquilharam» com produtos químicos carnes que estavam em mau estado e não cumpriam os requisitos para exportação.

Conforme indicou na altura à Lusa o diretor dos Serviços de Veterinária de Luanda, Edgar Dombolo, foram colocadas equipas no terreno a fazer a recolha de dados sobre as importações, não tendo sido divulgada qualquer situação anormal.

O responsável referiu que Angola importa carne bovina, suína e aves do Brasil, salientando que este caso merece alguma celeridade, para se informar o público consumidor.

O Governo brasileiro atribuiu as irregularidades a um delito de corrupção - a certificação de produtos adulterados foi obtida através de subornos - e não a um problema de saúde pública ou falta de controlo sanitário.
Lusa

Imprimir Enviar e-mail Facebook Twitter

mais do dia

Itália Os líderes do G7 reconheceram este sábado em Taormina, na Sicília, uma incapacidade de convencer Donald Trump na questão das alterações climáticas. Apesar da pressão dos europeus (Alemanha, França, Itália, Grã-Bretanha e União Europeia), do Canadá e do Japão, Donald Trump não se rendeu e disse que deverá anunciar uma sua decisão sobre os acordos de Paris «na próxima semana». Da declaração final da cimeira irá constar a falta de entendimento sobre a questão do aquecimento global, pela prim
Turquia O Galatasaray, clube turco onde atuam os portugueses Bruma e Josué, viu-se obrigado a mudar o nome do seu novo estádio, chamado Turk-Telekom Arena, por ordem de Recep Erdogan, presidente do país. «Estou contra as arenas. Sabem o que faziam lá, não sabem? As pessoas eram desmembradas por animais», explicou, em discurso, o islamista Erdogan, em referência aos antigos anfiteatros romanos. Também o Besiktas será afetado, uma vez que o seu estádio é denominado Vodafone Arena.
Londres Centenas de pessoas foram retiradas do teatro Old Vic, em Londres, durante a apresentação de um espetáculo por causa de uma ameaça de bomba. A agência Associated Press revela que a policia informou estar no local enquanto os espetadores utilizaram o Twitter para relatar o pedido de saída do local. Os meios de comunicação locais avançam que as estradas em Waterloo foram cortadas. Até ao momento não foram divulgadas mais informações. (Notícia atualizada às 16:18)

destaques