DOMINGO, 23-07-2017, ANO 18, N.º 6385
O presidente do Brasil Michel Temer
Brasil
«Não renunciarei», garante presidente Michel Temer após acusação de suborno
22:37 - 18-05-2017
Michel Temer anunciou, esta quinta-feira, que não vai renunciar à Presidência do Brasil, na sequência da investigação que foi aberta pelo Supremo Tribunal Federal.

Numa conferência de imprensa, em Brasília, Temer diz querer que a investigação à alegada compra do silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha, no caso ‘Lava Jato’, seja feita com celeridade, para que possa esclarecer os factos.

«A investigação pedida pelo Supremo será território onde surgirão todas as explicações. No Supremo demonstrarei não ter nenhum envolvimento», afirmou o político brasileiro, que diz não ter comprado o silêncio de ninguém, por não temer qualquer denúncia.

«Não renunciarei. Sei o que fiz e sei da correção dos meus atos. Em nenhum momento autorizei que pagassem a quem quer que seja para ficar calado», defendeu Temer.

Redação

Imprimir Enviar e-mail Facebook Twitter

mais do dia

Venezuela Uma manifestação realizada este sábado na Venezuela contra o Governo de Nicolás Maduro terminou em confrontos com as forças de segurança, que causaram vários feridos e impediram os populares de chegar ao Supremo Tribunal. A oposição tinha anunciado querer manifestar o seu apoio aos 33 juízes nomeados na passada sexta-feira pelo Parlamento para o Supremo Tribunal a fim de substituir outros daquele tribunal que está acusado de servir o Governo. Os confrontos deste sábado resultaram em vários
Alemanha «A Comissão Europeia e o gabinete alemão anto-cartel receberam informações» sobre a existência de um eventual cartel entre os construtores alemães Volkswagen, Audi, Porsche, BMW e Daimler «que estão a ser examinadas pela Comissão», divulgou o executivo europeu. «Nesta altura, é prematuro especular mais» afirmou um porta-voz sublinhando que a União Europeia «e as autoridades nacionais da concorrência cooperam» nestes assuntos. Após analisar o caso, o executivo vai decidir se abre ou não um
Israel O Conselho de Segurança da ONU vai reunir-se de urgência na próxima segunda-feira para analisar a violência que se tem vivido em Jerusalém. A reunião foi solicitada pela França, Suécia e Egito. Este conselho deve permitir abordar «urgentemente a forma como os apelos para o fim da violência poderem ser apoiados», disse Carl Skau, embaixador sueco da ONU. Um palestiniano de 17 anos perdeu a vida este sábado em confrontos com as forças israelitas. Na passada sexta-feira foram mortos três pale

destaques