QUINTA-FEIRA, 25-05-2017, ANO 18, N.º 6326
Foto genérica (AP)
Justiça
Arguido da Operação Fénix recusa domiciliária por falta de apoio familiar
18:41 - 21-04-2017
Um dos arguidos da Operação Fénix recusou a substituição da medida de coação, passar de prisão preventiva para domiciliária, com vigilância eletrónica, tornando-se assim no único acusado neste processo com a medida de coação mais gravosa.

Nelson Matos, um dos funcionários da empresa de segurança SPDE, vai assim manter-se no estabelecimento prisional de Custóias até ao final do julgamento, que está a decorrer no Tribunal de Guimarães.

Os restantes quatro arguidos que estavam em prisão preventiva à ordem do processo - Eduardo Silva, Hélio Varela, Jorge Sousa e Telmo Rodrigues - já deixaram o estabelecimento prisional e foram conduzidos pelos serviços prisionais aos respetivos domicílios.
Redação

Imprimir Enviar e-mail Facebook Twitter

mais do dia

País O Ministério Público (MP) arquivou o inquérito à morte de um homem no Hospital de São José, em Lisboa, em 2015, enquanto aguardava por uma cirurgia a um aneurisma cerebral, divulgou, esta quinta-feira, a Procuradoria-Geral Distrital (PGD) de Lisboa. «O MP determinou o arquivamento da participação pelos crimes de recusa de médico, intervenções e tratamentos médico-cirúrgicos e homicídio por negligência contra os profissionais de saúde e decisores políticos», pode ler-se no site oficial da PGD
Estados Unidos O presidente norte-americano, Donald Trump, apontou o dedo a «23 dos 28» países membros da NATO que não cumprem as suas «obrigações financeiras» e advertiu que 2% do PIB «é o mínimo exigível para reforçar a defesa coletiva». Na sua estreia em reuniões da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO), e naquela que foi a única intervenção pública durante a deslocação a Bruxelas (Bélgica), Trump, que discursava por ocasião da inauguração de um monumento evocativo dos ataques de 11 de setemb
São Tomé e Príncipe O Governo são-tomense vai submeter ao Parlamento, nos próximos dias, para discussão e aprovação, um orçamento retificativo para 2017, cujo valor não foi anunciado. O orçamento retificativo foi discutido e aprovado na última sessão do Conselho de Ministros, na quarta-feira. Em comunicado, o executivo de Patrice Trovoada justifica que o Orçamento de Estado para 2017 em execução reflete «uma situação de défice e de dependência externa da economia e uma grande vulnerabilidade face aos choques

destaques