SEXTA-FEIRA, 23-06-2017, ANO 18, N.º 6355
Foto genérica (AP)
Justiça
Arguido da Operação Fénix recusa domiciliária por falta de apoio familiar
18:41 - 21-04-2017
Um dos arguidos da Operação Fénix recusou a substituição da medida de coação, passar de prisão preventiva para domiciliária, com vigilância eletrónica, tornando-se assim no único acusado neste processo com a medida de coação mais gravosa.

Nelson Matos, um dos funcionários da empresa de segurança SPDE, vai assim manter-se no estabelecimento prisional de Custóias até ao final do julgamento, que está a decorrer no Tribunal de Guimarães.

Os restantes quatro arguidos que estavam em prisão preventiva à ordem do processo - Eduardo Silva, Hélio Varela, Jorge Sousa e Telmo Rodrigues - já deixaram o estabelecimento prisional e foram conduzidos pelos serviços prisionais aos respetivos domicílios.
Redação

Imprimir Enviar e-mail Facebook Twitter

mais do dia

Cabo Verde Mais de metade dos funcionários públicos cabo-verdianos tem vinculo de nomeação na administração pública, segundo dados oficiais de 2015, divulgados a propósito do Dia da Administração Pública Africana, que hoje se assinala. De acordo com os dados da Direção Nacional da Administração Pública (DNAP), em 2015 havia 18.327 funcionários públicos, 52,8 % dos quais tinham um vínculo de nomeação, enquanto 24,5% estavam ligados à administração pública através de contrato. Havia ainda 3% de trabalh
Bruxelas O primeiro-ministro, António Costa, esteve reunido em Bruxelas com a primeira-ministra britânica, Theresa May, que lhe apresentou os traços gerais da proposta de Londres sobre os direitos dos cidadãos, no entanto considera ser «prematuro» comentá-la sem conhecer os contornos específicos. «Eu tive oportunidade de reunir-me com a primeira-ministra britânica, e ela teve oportunidade de enunciar genericamente aquilo que só explicitará na segunda-feira (...) Hoje, sem conhecer os pormenores, obvia
União Europeia O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, disse que as propostas oferecidas por Theresa May para os direitos dos cidadãos da UE no Reino Unido após o Brexit são insuficientes», embora configurem um «primeiro passo». Durante o jantar de trabalho com os 27 parceiros na quinta-feira, a primeira-ministra britânica explicou que os cidadãos europeus que residem no Reino Unido poderão permanecer «legalmente» no país uma vez consumado o Brexit, com um «estatuto de residência». Londres p

destaques