QUARTA-FEIRA, 26-04-2017, ANO 18, N.º 6297
País
António Costa defende que o país tem de «pedalar» para crescer
14:58 - 21-04-2017
O primeiro-ministro, António Costa, defendeu esta sexta-feira que Portugal tem de continuar a «pedalar» para continuar a crescer.

Durante a cerimónia e apresentação do Pacto Territorial para o Emprego e Desenvolvimento, Costa afirmou: «a economia é como as bicicletas ou se pedala ou para. Por isso, temos de continuar a pedalar para poder continuar a crescer a poder continuar a criar emprego».

Durante o seu discurso, na Marinha Grande, António Costa considerou que a assinatura do PTE-D 2030 – Pacto Territorial para o Emprego e Desenvolvimento da Marinha Grande é «daquilo que o país precisa para o seu desenvolvimento».
Redação

Imprimir Enviar e-mail Facebook Twitter

mais do dia

Reino Unido A propósito dos 10 anos sobre o desaparecimento de Madeleine (Maddie) McCann, na praia da Luz, Algarve, a 3 de maio de 2007, o diretor-geral adjunto da Scotland Yard fez um balanço e explica em que ponto está a investigação. «Temos algumas linhas de investigação cruciais, estão ligadas a certas hipóteses, mas não vou discuti-las porque fazem parte de uma investigação em curso. Temos algumas teorias sobre o que podem ser as explicações mais prováveis e estamos a investigá-las», disse Mark Rowl
São Tomé e Príncipe A incidência do paludismo (malária) diminuiu, o ano passado, em São Tomé e Príncipe, para 11,6%, contra os 50,2% registados em 2012, avançou o Programa São-Tomense de Luta contra o Paludismo. «Estes resultados são uma esperança e demonstram que é possível eliminarmos ou interromper a transmissão do paludismo em São Tomé e Príncipe e encoraja o país a prosseguir, de forma sustentada, a estratégia da Organização Mundial da Saúde (OMS), que visa a vigilância epidemiológica como uma etapa crucial
Grécia O primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, insistiu, esta terça-feira, que o Governo de Atenas não vai aplicar as novas medidas de austeridade acordadas com os credores internacionais, «sem que haja uma solução para a dívida». Tsipras culpou as disputas entre o Fundo Monetário Internacional (FMI) e a Alemanha pelo atraso em chegar a um acordo sobre a segunda avaliação do programa de resgate, numa entrevista à cadeia televisiva privada grega ANT1, na qual considerou que fechar esse acordo até

destaques