QUARTA-FEIRA, 24-05-2017, ANO 18, N.º 6325
Justiça detém para interrogatório três familiares do atacante
Revista de Imprensa
Justiça detém para interrogatório três familiares do atacante
11:13 - 21-04-2017
A procuradoria de Paris deteve para interrogatório três familiares do atacante que ontem à noite matou um polícia nos Campos Elísios, na capital francesa, e que de seguida foi abatido pelas forças de segurança.

A procuradoria explicou que o interrogatórios aos familiares dos suspeitos é um procedimento de rotina. Os investigadores pretendem determinar se o atacante agiu sozinho, onde obteve as armas, e outros pormenores.

Redação

Imprimir Enviar e-mail Facebook Twitter

mais do dia

Reino Unido O Reino Unido está em alerta máximo e isso é claro não só em Manchester, onde ocorreu o ataque terrorista, como em Londres, com claro reforço de policiamento nas zonas mais críticas da cidade. As ruas estão a ser patrulhadas por um número de efetivos é bastante superior ao habitual. Os polícias estão a ser substituídos por militares fortemente armados. Pontos-chave da cidade londrina como o Palácio de Buckingham, o parlamento britânico, a residência do primeiro-ministro e a algumas embai
Reino Unido O autor do atentado suicida em Manchester, Salman Abedi, era «conhecido» dos serviços de segurança, revelou esta quarta-feira a ministra do Interior britânica, Amber Rudd. «É alguém que eles [serviços secretos] conheciam», disse Amber Rudd à BBC, a propósito do autor do ataque, à saída do concerto da cantora americana Ariana Grande na Manchester Arena na noite de segunda-feira. Salman Abedi, de 22 anos era filho de imigrantes líbios, nascido na em Manchester.
Reino Unido O autor do atentado suicida em Manchester, Salman Abedi, «provavelmente não agiu sozinho», disse hoje a ministra do Interior britânica, Amber Rudd. O ataque do bombista suicida, um britânico de origem líbia, causou 22 mortos e 59 feridos à saída do concerto da cantora norte-americana Ariana Grande na Manchester Arena na segunda-feira à noite. Rudd disse que o autor era «conhecido» dos serviços secretos e observou que o ataque foi «mais sofisticado do que outros».

destaques