QUINTA-FEIRA, 25-05-2017, ANO 18, N.º 6326
Filipe Nyusi, Presidente da República de Moçambique
Moçambique
Presidente da República anuncia consensos nas negociações com a Renamo
12:25 - 21-04-2017
O Presidente de Moçambique, Filipe Nyusi, anunciou que estão ser `alcançados consensos´ e que há uma maior `confiança mútua´ nas negociações com o líder da oposição, Afonso Dhlakama com vista à pacificação do país.

«Tenho estado a falar com o Presidente da Renamo e graças a esses contactos temos conseguido consensos e elevado a confiança mútua», disse o chefe de Estado, durante um comício realizado em Macaneta, 30 quilómetros a norte de Maputo, na quinta-feira.

Segundo referiu, os contactos têm sido feitos ao mesmo tempo que avançam os trabalhos de duas comissões em que participam o Governo e a Resistência Nacional Moçambicana (Renamo), maior partido da oposição.

Uma comissão discute a descentralização do país e a outra é dedicada a assuntos militares.

«Tudo farei para que a paz seja efetiva, dentro dos parâmetros da lei», declarou Filipe Nyusi.

O Presidente moçambicano advertiu ainda para figuras que podem estar interessadas em interferir no processo de paz, sem dizer a quem se referia.

O chefe de Estado disse que tanto ele como Dhlakama recusam mediadores informais e pediu a quem tenha algo a dizer, que dê a cara.

As declarações de Filipe Nyusi surgem um dia depois de Afonso Dhlakama ter dito que a «guerra está no fim».

O líder da Renamo falava numa teleconferência a partir das matas da Gorongosa, onde diz ter criado o seu refúgio, e em que falou com jornalistas e membros da Renamo, no Chimoio, também no centro no país.

«Tenho mantido contactos com o meu irmão Filipe Nyusi para ver se encontramos uma saída para a paz efetiva porque não queremos ver mais sangue» derramado, referiu.

As declarações surgem a duas semanas do fim da atual trégua e criam a expetativa de que a paz se possa tornar permanente.

A paz em Moçambique tem estado sob permanente ameaça nos últimos anos, devido a clivagens entre a Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo), partido no poder, e a Renamo.

Entre 2013 e finais de 2016, o país foi assolado por ações de violência opondo as Forças de Defesa e Segurança (FDS) e o braço armado da Renamo, no âmbito da contestação do processo eleitoral de 2014 pelo principal partido da oposição.
Lusa

Imprimir Enviar e-mail Facebook Twitter

mais do dia

País O Ministério Público (MP) arquivou o inquérito à morte de um homem no Hospital de São José, em Lisboa, em 2015, enquanto aguardava por uma cirurgia a um aneurisma cerebral, divulgou, esta quinta-feira, a Procuradoria-Geral Distrital (PGD) de Lisboa. «O MP determinou o arquivamento da participação pelos crimes de recusa de médico, intervenções e tratamentos médico-cirúrgicos e homicídio por negligência contra os profissionais de saúde e decisores políticos», pode ler-se no site oficial da PGD
Estados Unidos O presidente norte-americano, Donald Trump, apontou o dedo a «23 dos 28» países membros da NATO que não cumprem as suas «obrigações financeiras» e advertiu que 2% do PIB «é o mínimo exigível para reforçar a defesa coletiva». Na sua estreia em reuniões da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO), e naquela que foi a única intervenção pública durante a deslocação a Bruxelas (Bélgica), Trump, que discursava por ocasião da inauguração de um monumento evocativo dos ataques de 11 de setemb
São Tomé e Príncipe O Governo são-tomense vai submeter ao Parlamento, nos próximos dias, para discussão e aprovação, um orçamento retificativo para 2017, cujo valor não foi anunciado. O orçamento retificativo foi discutido e aprovado na última sessão do Conselho de Ministros, na quarta-feira. Em comunicado, o executivo de Patrice Trovoada justifica que o Orçamento de Estado para 2017 em execução reflete «uma situação de défice e de dependência externa da economia e uma grande vulnerabilidade face aos choques

destaques