SEXTA-FEIRA, 28-04-2017, ANO 18, N.º 6299
Filipe Nyusi, Presidente da República de Moçambique
Moçambique
Presidente da República anuncia consensos nas negociações com a Renamo
12:25 - 21-04-2017
O Presidente de Moçambique, Filipe Nyusi, anunciou que estão ser `alcançados consensos´ e que há uma maior `confiança mútua´ nas negociações com o líder da oposição, Afonso Dhlakama com vista à pacificação do país.

«Tenho estado a falar com o Presidente da Renamo e graças a esses contactos temos conseguido consensos e elevado a confiança mútua», disse o chefe de Estado, durante um comício realizado em Macaneta, 30 quilómetros a norte de Maputo, na quinta-feira.

Segundo referiu, os contactos têm sido feitos ao mesmo tempo que avançam os trabalhos de duas comissões em que participam o Governo e a Resistência Nacional Moçambicana (Renamo), maior partido da oposição.

Uma comissão discute a descentralização do país e a outra é dedicada a assuntos militares.

«Tudo farei para que a paz seja efetiva, dentro dos parâmetros da lei», declarou Filipe Nyusi.

O Presidente moçambicano advertiu ainda para figuras que podem estar interessadas em interferir no processo de paz, sem dizer a quem se referia.

O chefe de Estado disse que tanto ele como Dhlakama recusam mediadores informais e pediu a quem tenha algo a dizer, que dê a cara.

As declarações de Filipe Nyusi surgem um dia depois de Afonso Dhlakama ter dito que a «guerra está no fim».

O líder da Renamo falava numa teleconferência a partir das matas da Gorongosa, onde diz ter criado o seu refúgio, e em que falou com jornalistas e membros da Renamo, no Chimoio, também no centro no país.

«Tenho mantido contactos com o meu irmão Filipe Nyusi para ver se encontramos uma saída para a paz efetiva porque não queremos ver mais sangue» derramado, referiu.

As declarações surgem a duas semanas do fim da atual trégua e criam a expetativa de que a paz se possa tornar permanente.

A paz em Moçambique tem estado sob permanente ameaça nos últimos anos, devido a clivagens entre a Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo), partido no poder, e a Renamo.

Entre 2013 e finais de 2016, o país foi assolado por ações de violência opondo as Forças de Defesa e Segurança (FDS) e o braço armado da Renamo, no âmbito da contestação do processo eleitoral de 2014 pelo principal partido da oposição.
Lusa

Imprimir Enviar e-mail Facebook Twitter

mais do dia

Alemanha Os deputados alemães aprovaram, esta quinta-feira, uma lei que proíbe parcialmente o uso do véu integral, nomeadamente pelos funcionários públicos. Esta posição dos políticos da Alemanha sucede quando o país acolhe mais de um milhão de refugiados, muitos deles muçulmanos. A legislação adotada obriga os funcionários públicos a ter o rosto totalmente descoberto, quando estão a desempenhar as suas funções, mas não proibe a utilização do véu integral no espaço público.
Macedónia Dez pessoas ficaram feridas após cerca de 100 manifestantes invadirem, esta quinta-feira, o parlamento da Macedónia para protestar contra a eleição do presidente do hemiciclo numa votação que consideram injusta. Zoran Zaev, líder da oposição de esquerda, tinha o rosto ensanguentado, segundo a agência noticiosa francesa, AFP, no local quando se instalou o caos após a entrada na assembleia dos manifestantes, apoiantes do partido de direita VMRO-DPMNE do ex-primeiro-ministro Nikola Gruevski.
Estados Unidos A United Airlines conseguiu um acordo extrajudicial com o passageiro que foi expulso à força de um dos seus aviões, a 9 de abril. A empresa refere, em comunicado, ter alcançado uma «solução amigável» para encerrar este «infeliz incidente». A defesa legal de David Dao, um médico de 69 anos, tinha ameaçado levar o caso a tribunal já que garantia que o passageiro tinha sofrido uma contusão cerebral, uma rutura nasal e perdido um dos dentes quando foi expulso do avião por faltarem lugares.

destaques