QUINTA-FEIRA, 29-06-2017, ANO 18, N.º 6361
Filipe Nyusi, Presidente da República de Moçambique
Moçambique
Presidente da República anuncia consensos nas negociações com a Renamo
12:25 - 21-04-2017
O Presidente de Moçambique, Filipe Nyusi, anunciou que estão ser `alcançados consensos´ e que há uma maior `confiança mútua´ nas negociações com o líder da oposição, Afonso Dhlakama com vista à pacificação do país.

«Tenho estado a falar com o Presidente da Renamo e graças a esses contactos temos conseguido consensos e elevado a confiança mútua», disse o chefe de Estado, durante um comício realizado em Macaneta, 30 quilómetros a norte de Maputo, na quinta-feira.

Segundo referiu, os contactos têm sido feitos ao mesmo tempo que avançam os trabalhos de duas comissões em que participam o Governo e a Resistência Nacional Moçambicana (Renamo), maior partido da oposição.

Uma comissão discute a descentralização do país e a outra é dedicada a assuntos militares.

«Tudo farei para que a paz seja efetiva, dentro dos parâmetros da lei», declarou Filipe Nyusi.

O Presidente moçambicano advertiu ainda para figuras que podem estar interessadas em interferir no processo de paz, sem dizer a quem se referia.

O chefe de Estado disse que tanto ele como Dhlakama recusam mediadores informais e pediu a quem tenha algo a dizer, que dê a cara.

As declarações de Filipe Nyusi surgem um dia depois de Afonso Dhlakama ter dito que a «guerra está no fim».

O líder da Renamo falava numa teleconferência a partir das matas da Gorongosa, onde diz ter criado o seu refúgio, e em que falou com jornalistas e membros da Renamo, no Chimoio, também no centro no país.

«Tenho mantido contactos com o meu irmão Filipe Nyusi para ver se encontramos uma saída para a paz efetiva porque não queremos ver mais sangue» derramado, referiu.

As declarações surgem a duas semanas do fim da atual trégua e criam a expetativa de que a paz se possa tornar permanente.

A paz em Moçambique tem estado sob permanente ameaça nos últimos anos, devido a clivagens entre a Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo), partido no poder, e a Renamo.

Entre 2013 e finais de 2016, o país foi assolado por ações de violência opondo as Forças de Defesa e Segurança (FDS) e o braço armado da Renamo, no âmbito da contestação do processo eleitoral de 2014 pelo principal partido da oposição.
Lusa

Imprimir Enviar e-mail Facebook Twitter

mais do dia

Vaticano O cardeal George Pell, ministro das Finanças do Vaticano, disse hoje que pediu uma licença para se defender, já aceite pelo papa, na sequência das acusações da polícia australiana sobre abusos sexuais. George Pell adiantou aos jornalistas que vai comparecer e negou as acusações que classificou de "assassinato de caráter". Greg Burke, porta-voz do Vaticano disse que o papa Francisco autorizou a licença pedida pelo cardeal australiano, mas que George Pell mantém o cargo de máximo responsável
País Granadas de mão e munições de calibre 9 milímetros desapareceram de dois paióis nas instalações militares de Tancos, revelou hoje o Exército. O Exército afirmou que foi detetada quarta-feira ao final do dia a violação dos perímetros de segurança dos Paióis Nacionais de Tancos e o arrombamento de dois ´paiolins´.
Angola A organização Human Rights Watch (HRW) defendeu hoje que o Ministério Público angolano tem de deixar cair as acusações de «insultos do Estado» formuladas contra dois jornalistas locais e que deve deixá-los trabalhar «sem qualquer interferência». Em causa estão os jornalistas Rafael Marques, que lidera o site Maka Angola, e Mariano Brás Lourenço, editor do semanário O Crime, acusados a 21 deste mês de «ultraje a um órgão de soberania e ofensas à autoridade pública», queixas que tem por base a

destaques