QUINTA-FEIRA, 30-03-2017, ANO 18, N.º 6270
País
Paulo Morais ilibado de difamação ao Grupo Lena
23:58 - 20-03-2017
O Tribunal da Relação de Lisboa deu razão a Paulo de Morais no processo que lhe foi movido pelo Grupo Lena, que o acusava de ofensa a pessoa coletiva.

A decisão refere-se a um recurso interposto pelo Grupo Lena, após o Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa ter decidido pela não pronúncia de Paulo de Morais.
Em causa estavam afirmações de Paulo de Morais relativamente à troca de favores entre o grupo empresarial e o ex-primeiro-ministro José Sócrates.

Paulo de Morais já ganhou oito processos na justiça, que lhe foram movidos após este ter dado a sua opinião sobre variados temas. O que já levou o ex-candidato à Presidência da República a queixar-se de «bullying judicial», dada a quantidade de processos que têm sido movidos contra si.
Redação

Imprimir Enviar e-mail Facebook Twitter

mais do dia

Justiça O Ministério Público acusou, esta quinta-feira, Pedro Dias da prática de «dois homicídios qualificados sob a forma consumada, dois homicídios qualificados sob a forma tentada e três crimes de sequestro». O arguido, suspeito da prática dos crimes de Aguiar da Beira, distrito da Guarda, foi ainda acusado dos crimes «de roubo de automóveis, de armas da GNR e de quantias em dinheiro, bem como de detenção, uso e porte de armas proibidas», lê-se num comunicado publicado no site da Procuradoria-Gera
União Europeia Depois de Donald Trump, presidente dos EUA, incentivar outros países europeus a seguirem o exemplo do Reino Unido (que vai sair da União Europeia), o presidente da Comissão Europeia respondeu com ironia. «O recém-eleito presidente está feliz com o ‘Brexit’ e encorajou outros países a fazer o mesmo. Se continuar assim, eu vou promover a independência dos estados de Ohio e do Texas», disse Jean-Claude Juncker, num discurso no Congresso do Europeu Popular Europeu, que está a decorrer em Malta.
Economia O processo de recapitalização da Caixa Geral de Depósitos (CGD) está fechado e o passo seguinte será a reestruturação do banco público atendendo aos esforços que Bruxelas aplicou para que este reforço não fosse considerado ajuda de Estado. Num comunicado das Finanças pode ler-se que «se concluiu esta quinta-feira a segunda fase de recapitalização do banco público», através da entrada de dinheiro parte do Estado, no montante de 2,5 mil milhões de euros. Um dossier que decorre de um acordo q

destaques